fbpx

Santuário Astorga

5 razões pelas quais um santuário é um “lugar da Presença Divina”

Por ocasião da recente inauguração do Santuário de Santo Cristo dos Milagres, o Arcebispo de Santo Domingo (República Dominicana), Dom Francisco Ozoria Acosta, escreveu uma carta explicando a importância dos santuários e porque são lugares “da Presença Divina”.

Para isso, o Prelado recordou a carta apostólica Santuarium in Ecclesia escrita pelo Papa Francisco sob a forma de Motu Proprio em 2017.

O Arcebispo Ozoria destacou em sua carta que o Papa Francisco afirma que os santuários são “‘espaços sagrados’, ‘expressão autêntica da ação missionária’ e ‘chamados a desempenhar um papel na nova evangelização da sociedade de hoje e que a Igreja está chamada a valorizar pastoralmente’”. Do mesmo modo, explicou cinco razões fundamentais.

1. O santuário é o lugar da Aliança

Dom Ozório recorda que um santuário nos mostra que “existe uma aliança de amor entre Deus e o seu povo”, porque ao visitá-lo “recorda-nos constantemente que a nossa origem está em Deus” e que nunca deixa de nos amar, porque nos amou primeiro.

Além disso, afirma que nos templos cristãos se vê a Cristo que é o “novo santuário” e, portanto, aqueles que o visitam “sabem que Deus está sempre vivo e presente” no Espírito “entre eles e para eles”. “Daí brota o convite a experimentar sempre de forma nova, para viver na fidelidade à aliança com Deus na Igreja”, acrescentou.

2. O santuário é o lugar da Palavra

O Prelado recordou que o Concílio Vaticano II ensina que a Igreja é designada como “edificação de Deus”, e neste templo santo o Espírito atua através dos sinais da nova aliança, que o santuário conserva e oferece. Um desses sinais é a Palavra de Deus, por meio da qual o Espírito “chama à fé e suscita a comunhão dos fiéis”.

Como a Igreja é um “santuário vivo do Senhor”, é extremamente importante associá-la “à escuta perseverante e acolhedora da Palavra de Deus, que não é qualquer palavra humana, mas o próprio Deus vivo no sinal da sua Palavra”, onde confirma sua fidelidade ao seu povo.

“O Santuário deve chegar a ser um lugar excelente para aprofundar a fé e um espaço privilegiado para a Nova Evangelização”, disse.

3. O santuário é o lugar do encontro sacramental

Os santuários são lugares nos quais o Espírito Santo fala aos fiéis “através da mensagem vinculada a cada um deles” e espaços privilegiados para as ações sacramentais, especialmente da Reconciliação e da Eucaristia.

O Prelado explicou que os sacramentos celebrados no santuário não são ritos repetitivos, mas “eventos de salvação, encontros pessoais com o Deus vivo”.

A respeito da Reconciliação, disse que “com frequência os peregrinos chegam dispostos a se abrirem ao Pai, rico em misericórdia e desse encontro de graça brota uma vida verdadeiramente nova”.

Sobre a Eucaristia, recordou que “é o centro e o coração de toda a vida do Santuário” e que “é o acontecimento da graça que contém todo o bem espiritual da Igreja”.

4. O santuário é um lugar de Comunhão eclesial

No santuário, a Igreja nasce novamente e o dom que o Espírito Santo deu é redescoberto “para integrar as diferenças humanas e articulá-las na comunhão eclesial”, disse Dom Ozório.

O Prelado explicou que isso ocorre porque aqueles que visitam o santuário de “pedras mortas” são regenerados pela Palavra e pelos sacramentos e, assim, se transformam em santuários de “pedras vivas”. Por isso, é possível “fazer uma experiência renovada da comunhão de fé e santidade que é a Igreja”.

Esta experiência “ajuda os peregrinos a discernir e acolher o impulso do Espírito, que os leva de maneira especial a rezar e a agir” pela unidade de todos os cristãos, afirmou.

5. O santuário ajuda no crescimento da fé

Dom Ozório disse que a construção de um santuário, assim como de templos e catedrais ou mesmo de outros monumentos ao longo da história, requer “recursos custosos”.

A este respeito, referiu-se à passagem bíblica em que Maria Madalena derrama um frasco de um perfume caríssimo nos pés de Jesus, e explicou que “uma visão da fé e da cultura cristã nos permite ver o grande valor tangível e intangível” dos santuários no crescimento da “tradição de fé e vida cristã junto com as transformações sociais e culturais”.

Exemplo disso é a participação do governo na construção do novo Santuário Santo Cristo dos Milagres, que para o Prelado significava “um investimento de todo o povo dominicano para Jesus Cristo”.

Em 10 de agosto, o Governo dominicano entregou a Dom Ozoria a primeira etapa do novo Santuário Santo Cristo dos Milagres. O templo iniciou a sua construção há 18 anos, dos quais oito, o Governo participou para acelerar a sua conclusão.

Segundo a paróquia de São João Batista de Bayaguana, a segunda etapa da construção está pendente nos próximos meses, que inclui a praça, a casa paroquial, a casa das religiosas, entre outros espaços.

Em nota, o Prelado anunciou que mais tarde anunciará a data da Dedicação Solene do templo para oferecer a Deus como “Casa de oração e lugar da sua Presença”.

Fonte:ACI.digital

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *