Santuário Astorga

HORÁRIOS

  • HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO SANTUÁRIO:
    Todos os Dias – 08h as 20h

    HORÁRIO DE ATENDIMENTO NA SECRETARIA:
    Seg a Sex – 8h ás 19h
    Sáb – 8h ás 18h

    HORÁRIO DE MISSAS:

    Santuário:
    Missa Sábado:
    Horários: 19h
    Missas Domingo:
    Horários:
    09:00h
    10:30h
    19:00h
    Seg,Ter,Qui,Sex
    19:00h

    Quarta-feira – Novena Perpétua
    15:00h
    19:00h

    Comunidades:

    Capela Nossa Senhora do Rocio
    Missas Domingo: TODOS
    Horários: 7:30h

    Capela Santa Terezinha
    Missas Domingo: TODOS
    Horários: 20h

    Capela São Lourenço
    Missas Domingo: 1º, 3º e 5º
    Horários: 18h

     Capela N. S. Fátima
    Missas Domingo: 2º – 4º
    Horários: 18h

    Capela Sagrado Coração de Jesus
    Missas Sábado: 2º e 4º
    Horários: 18h

    Capela Santo Antonio
    Missa Sábado:
    Horários: 18h

    Capela Santo Expedito
    Missa Sábado: 1º – 3º – 5º
    Horários: 19h

     Capela Sagrada Família
    Missa Sábado: 2º e 4º
    Horários: 19h

    Capela Imaculada
    Conceição – Distrito Içara
    Missas Domingo: TODOS
    Horários: 9:30h

    Capela Santa Zélia e São Luiz – Distrito Santa Zélia
    Missas Sábado: TODOS
    Horários: 20:15h

     Capela N. S. Perpetuo Socorro
    Distrito Santa Zélia
    Missas Domingo: 1º – 3º
    Horários: 18h

     Capela São Judas Tadeu  – Distrito Tupinambá
    Missas Sábado: TODOS
    Horários: 20:15h

A Santa Missa

Na Missa, os católicos celebram o sacrifício de Jesus Cristo na cruz, recordando a Última Ceia, na qual Jesus reuniu Seus apóstolos, durante a Páscoa do ano de Sua morte.
Normalmente, aquela ceia seguiria o ritual das ceias cultuais judaicas, nas quais o hospedeiro tomava um pedaço de pão, erguia-o um palmo acima da mesa e dizia uma breve oração antes de dividi-lo com todos. Na Páscoa, para assegurar as graças divinas, a ceia incluía o sacrifício de um cordeiro. Jesus, porém, tomou o pão, partiu-o e disse: “Tomai, comei. Isto é o Meu Corpo que será entregue por vós”, colocando-Se no lugar do cordeiro. No fim da ceia, Jesus tomou o cálice de vinho e o abençoou, dizendo: “Bebei dele todos; porque isto é o Meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado em favor de muitos para remissão de pecados”. Ao falar “Nova Aliança” (o mesmo que Novo Testamento), Jesus quis afirmar que não valia mais a Antiga Aliança (ou Antigo Testamento), pela qual Deus escolhera apenas o povo de Israel para ser o Seu povo. A Nova Aliança estabelecia uma nova relação entre Deus e os homens, segundo a qual todos os povos seriam chamados a ser filhos de Deus. Jesus terminou com a frase “Fazei isto em memória de mim” para deixar marcada no coração dos homens essa mudança, de uma forma especial.

Para finalizar a cerimônia, o diácono proclamava, tal como na Missa tridentina: Ite, missa est. O termo “Missa”, com o qual se denomina atualmente a Celebração Eucarística, tem aí sua origem. O ite missa est proferido pelo diácono era um verdadeiro mandato, cumprido zelosamente no dia-a-dia, muitas vezes com o sacrifício da própria vida, pautado na passagem de Romanos 12,1 : “Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual.” Assim, o termo “Missa” vem de missão, uma vez que, para os primeiros cristãos e para os cristãos católicos e ortodoxos, o culto prestado a Deus é a vida em ação de graças.

A Santa Missa, ou Celebração Eucarística, é um ato solene com que os católicos (romanos, coptas e ortodoxos) celebram o sacrifício de Jesus Cristo na cruz. O ritual da Missa revive dois momentos da Paixão de Cristo : A Última Ceia, quando Jesus celebra o Pessach, pronunciando a benção sobre o pão e o vinho, antecipando o seu sacrifício da Cruz e concretizando o desejo de perpetuar a sua presença junto dos discípulos e se põe em lugar do cordeiro sacrificado em memória da libertação do povo hebreu da escravidão do Egito através das obras divinas; e a Crucificação quando Jesus se oferece como cordeiro puro e imaculado para o sacrifício expiatório dos pecados de toda a humanidade, sela a Nova Criação. Por isso também se diz que a Santa Missa é sacrifício incruento, é ritual de sacrifício de uma vítima expiatória, que carrega para si as penas e os pecados daqueles que o oferecem, mas sem derramamento de sangue. Assim, pelo mistério da ordenação de Cristo que mandou os cristãos celebrarem este mistério e fundamentado no ensinamento da sinagoga (João 6, 54-58), o sacrifício da Missa é, para os cristãos, o mesmo sacrifício da Cruz.

Com isso, instituiu-se o sacramento da Eucaristia, que é o ritual central da Missa e a memória da paixão de Cristo. Nele, por meio da comunhão, mostramos nossa gratidão por poder partilhar a presença do Pai, do Filho e do Espírito Santo e revivem-se todos os momentos da memorável refeição de Jesus com os apóstolos, com o mesmo sentido de fraternidade.

Segnificado

Os primeiros cristãos se encontravam no sábado, ao cair da tarde, para a vigília pela qual se preparavam, por meio de preces e da recitação de salmos, para celebrar a ressureição de Jesus. A Celebração Eucarística iniciava-se à meia-noite e encerrava-se ao início da manhã. A atual vigília pascal ainda é uma reminiscência dos rituais apostólicos.

A Missa em Fases

1ª Parte

Consiste dos Ritos Iniciais, marcando a chegada e a reunião de todos os convidados em torno da mesa.

2ª Parte

A Liturgia da Palavra, o alimento espiritual, a palavra de Deus – a Boa Nova que Jesus pregava.

3ª Parte

A Liturgia Eucarística, o coração da Missa, que revive o mistério pascal de Cristo, ou seja, Sua morte e ressurreição. Com a consagração feita sobre o altar, a hóstia adquire as propriedades do corpo de Jesus, e os fiéis, como fizeram os apóstolos, tomam seu alimento sólido (o pão, agora em forma de hóstia) e podem tomar o vinho, seu alimento líquido (em muitas ocasiões o celebrante imerge a hóstia no cálice de vinho antes de oferecê-la ao fiel), ressurgindo com Cristo para uma nova existência.

4ª Parte

A bênção e a despedida dos Ritos Finais, tem o mesmo sentido da bênção dada por Jesus a seus discípulos após Sua ressurreição: que apregoassem pelo mundo a palavra de Deus

OS GRUPOS DE JOVENS

Neles jovens fiéis, tanto clérigos como leigos, tendem, mediante a ação comum, para o incremento de uma vida mais perfeita ou para a promoção do culto público ou da doutrina cristã, ou para outras obras de piedade ou de caridade, animação na ordem temporal mediante o espírito cristão.

Todos os grupos tem algo em comum, que é o fato de ter como base um grupo de amigos que partilham a mesma fé, de estarem atentos aos problemas sociais, respondendo de uma forma ágil e voluntária e serem uma parte ativa da vida para paróquia onde estão inseridos.

Decolores

Todos os domingos ás 20h – Capela Santa Terezinha

Ilana Costa Ferreira (44) 99838-7827

Fabrício Silva (44)99994-7650

 Heitor Sciena (44) 9993–5298

JSJ

Todos os Sábados as 20:30h no Salão da Comunidade São Lourenço

Lorena Cardoso Lenzi (44) 9 9921-6128

Giovana Carolina Achete (44) 9 9900-6744

Érica Larissa de Lima Emerenciano (44) 9 9810-5998

Gustavo Barroso Brustolin (44) 9 9950-7928

Victor Magiero Araújo (44) 9 9999-3822

Anjos das Ruas

Coordenador: Murilo Sanches  I  Fone: 44 9900 1613

Renascer

Todos os sábados às 20h30min – Capela N S Fatima

Luísa Podanósqui (44) 99955-9745

Silvia Leticia Robles (44) 99884-8580

Provai e Vede

Coordenador: Michel  I  Fone: 44 9866 0619

Meraki

Coordenador: Vandecarlos  I  Fone: 44 3234 6708 / 9814 2491

Embalada Jovem

Coordenador: Eduardo Craveiro  I  Fone: 44 9756 5134

MOVIMENTOS

Os movimentos são reuniões de fiéis que tem objetivos e práticas comuns, em atender a necessidades específicas e desenvolver ações que respondam a essas mesmas necessidades. Estes movimentos são organizações externas à igreja, mas atuam dentro da Paróquia. São ligados à vida pessoal dos participantes e de forma espiritual seguem um carisma próprio que envolve mais ou menos as mesmas pessoas que vivenciaram um encontro, um retiro ou uma catequese.

Os movimentos têm uma organização própria; são aprovados pela Igreja, trabalham em comunhão com ela, mas não dependem diretamente do Bispo.

Vicentinos

Pedro Moraes (44) 98407-7453

Equipe de Nossa Senhora

Clarice e Mário 998413324

Cristma

Francisco (44) 99987-3307

Cursilhos

Aguinaldo Aparecido Papa (44) 99859-0707

Osnei Terezinha de Souza Papa (44) 99859-0708

GFASC

Nelson Hatsuo Sonohara  (44) 99944-8593

Marina Tiemi K. Sonohara (44) 99944-8533

Movimento Familiar Cristão

Adriana 99848-4263

Alessandro 99758-2398

Apostolado da Oração

Scaratti Helena 99908-2837

Congregação Mariana

Coordenador: Claudete  I  Fone: 44 9926 6762

Infância Missionária

Andrieli de Souza Carvalho 44 99827-8050

Renovação Carismática

Marly Regina Urbe Junqueira 99724-6795

Terço do Homens

Luiz Carlos Morgado 99900-3810

Leandro Trindade 99944-3101

Edmilton Bombardi 99951-9366

Grupos de Vivência

Maria Ignes Soriani Sala 999918892  ou 3234-2857

Oficina de Oração:

Katia Sala (99805-7214)

Célia Pereira (99963-1187)

Coroinhas

Paulo Henrique 99902-1586

Terço das Mulheres

Elizângela

Ivone

Capelinhas de Nossa Senhora de Fátima

Tereza Turini  99986-7503

PASTORAIS

Pastoral o latim pastoralis (de pasto,pastor). O termo tem diversas acepções,como substantivo e como adjetivo: Indica a disciplina teológica que estuda a ação da Igreja para tornar mais eficaz a mensagem de Cristo nas diversas situações (Pastoral dos Jovens, Pastoraldos Doentes, Pastoral Familiar…);as pastorais dependem diretamente do Bispo Diocesano; também se chama teologiaprática.

Em forma mais simples pastoral é o serviço, ação, trabalho desenvolvido pela Igreja. Uma ação organizada e dirigida pela Diocese e Paróquia para “atender” determinada situação em uma realidade específica.  Nossa Igreja tem como dever evangelizar e repassar os ensinamentos deixados por Jesus.  E para isso necessitase de um projeto de evangelização que é distribuído a vários grupos em diferentes setores. Esses setores são chamados “pastorais”. E as pessoas que trabalham nessas pastorais são chamadas “agentes pastorais”.  Todos os membros das pastorais são voluntários. E não é preciso ser católico para participar, já que as pastorais são ecumênicas.

Pastoral da Criança

Coordenador: Maria de Lourdes R. Ferreira  I  Fone: 44 3234 2933

Pastoral do Batismo

Elson (44) 9 9941-7180

Pastoral do Canto Liturgico

Aparecida de Souza 99821-3937

Pastoral da Esperança

Cleusa Carraro Miranda 999861809

Pastoral da Saúde

Vago

Pastoral do Adolescente

Coordenador: Palmira  I  Fone: 44 3234 7811 / 9972 8588

Pastoral da Acolhida

Marina Papa 99918-5862

Pastoral de Fé e Política

Coordenador: Jorge Ap. da Silva  I  Fone: 44 3234 1462 / 9916 2225

Pastoral da Catequese

Cristina Regina dos Santos Gobbi 44 998340402

Pastoral da Catequese de adulto

 Maria Cleide Moura Molinari 99881-9910

Pastoral do Crisma

Maria Palmira Chaves Menoli 99972-8588

Pastoral da Legitimação Matrimonial

Nei Craveiro 99900-7927

Pastoral da Liturgia

Eliana Campioni (44) 99761-3974

Pastoral do Dízimo

Vanda Bertão

Pastoral dos Ministros

Vera Pelisson (44) 99915-2252

Pastoral Familiar

Vago

Marianos

Vago

S.A.V.  Astorga

Jorge e Elenice 99916-2225