fbpx

Padre está entre 45 sequestradas por radicais islâmicos na Nigéria

Terroristas muçulmanos sequestraram o padre Leo Raphael Ozigi, da igreja de Santa Maria na cidade de Sarkin Pawa, Nigéria, e 44 habitantes da cidade depois da missa da manhã de domingo 27 de março.

O padre Emeka Amanchukwu, chanceler diocesano, confirmou à ACI Africa, agência do grupo ACI para a África, que Ozigi havia sido sequestrado.

Amanchukwu disse em uma carta ao Secretariado Católico da Nigéria que “o infeliz incidente ocorreu quando o padre estava retornando ao seu local de residência na paróquia Cristo Rei, Gwada, após a celebração da Santa Missa em sua paróquia, Paróquia de Santa Maria, Sarkin Pawa.”

Gwada fica a cerca de 56 km a sudoeste de Sarkin Pawa. Ambas as cidades ficam no Estado nigeriano central do Níger.

“Por favor, ajude-nos a informar nossos bispos e padres sobre o incidente feio e nosso pedido de orações e a celebração da Santa Missa pela libertação segura do reverendo Padre Raphael Leo pelos sequestradores”, disse Amanchukwu.

 

“Ao mesmo tempo”, continuou ele, “ajude-nos com orações para a libertação segura de nossos numerosos irmãos e irmãs que foram feitos reféns pelos bandidos furiosos que atacam comunidades e aldeias no estado do Níger”.

Uma reportagem de 28 de março do Sahara Reporters, agência de jornalismo cidadão sobre a África baseada em Nova York, disse que 44 aldeões também foram sequestrados durante o ataque de dois dias. As pessoas raptadas eram supostamente aldeães que tinham voltado às suas comunidades no sábado depois de viverem em campos de deslocados internos.

“Confiamos o padre Leo e os outros raptados às intercessões maternas e proteção de Maria Mãe de Misericórdia”, disse Amanchukwu. “Que o Espírito Santo garanta a libertação de nosso irmão, padre Raphael Leo, das mãos dos bandidos. Por Jesus Cristo nosso Senhor. Um homem.”

A Nigéria é a nação mais populosa da África, dividida praticamente ao meio entre cristãos e muçulmanos. No norte do país, os cristãos têm sido, há décadas, vítimas de assassinatos, sequestros e destruição de propriedades por grupos radicais islâmicos.

Parte do problema, dizem os cristãos, é que o governo controlado pelos muçulmanos reage lentamente, inadequadamente ou simplesmente não reage à perseguição de cristãos.

A Nigéria vive uma situação pior desde 2009, quando começou a insurgência do Boko Haram, grupo radical muçulmano que tem o objetivo de transformar o país em um Estado islâmico.

Por mais de dez anos, o Boko Haram, um dos maiores grupos islâmicos da África, organizou ataques terroristas contra grupos religiosos e políticos, bem como contra civis.

A essa situação se juntou a atuação dos fulani, um grupo étnico muçulmano que foi responsável pela maioria dos assassinatos na Nigéria no ano passado, tendo matado cerca de 1,9 mil cristãos nos primeiros 200 dias de 2021.

Em toda a Nigéria, pelo menos 60 mil cristãos foram mortos nas últimas duas décadas. Um levantamento recente estima que 3,5 mil cristãos no total foram mortos nos primeiros 200 dias de 2021, ou 17 por dia.

Fonte:ACI.digital

MAPA DO SITE

ONDE ENCONTRAR

PRAÇA PADRE JOÃO JANSEN - S/Nº
CEP: 86730-000 - ASTORGA - PARANÁ

HORÁRIO DE ATENDIMENTO DA SECRETARIA

SEGUNDA À SEXTA-FEIRA, DAS 8H ÀS 19H, SÁBADO DAS 8H ÀS 18H.

(44) 3234 - 1350
SANTUÁRIOASTORGA@DIOCESEDEAPUCARANA. COM.BR