fbpx <meta name="viewport" content="width=device-width, initial-scale=1.0, viewport-fit=cover" />

Santuário Astorga

Menino brasileiro pinta santos para custear tratamento e comove milhares

A história de Daniel Neves, um menino natural de Guanambi (BA), de 13 anos, que pinta e vende quadros de santos para pagar o tratamento médico de suas doenças graves, comoveu as redes sociais e gerou uma onda de solidariedade.

Aos 8 meses, Daniel foi diagnosticado com rins policísticos, fibrose hepática e problemas no baço, doenças que o fizeram estar praticamente toda a sua vida no hospital.

Quando o pequeno completou 5 anos, seus rins pararam de funcionar e, por isso, teve que fazer hemodiálise todas as semanas. Foi nessa ocasião que aprendeu a pintar.

“Para que o tempo internado passasse mais rápido, ele começou a pintar lindas telas que hoje são vendidas por um preço simbólico para pagar seu tratamento”, indicou voaa- Vaquinha do Razões, rede que promove campanhas de doações, para a qual Daniel contou sua história.

Quando o pequeno completou 5 anos, seus rins pararam de funcionar e, por isso, teve que fazer hemodiálise todas as semanas. Foi nessa ocasião que aprendeu a pintar.

“Para que o tempo internado passasse mais rápido, ele começou a pintar lindas telas que hoje são vendidas por um preço simbólico para pagar seu tratamento”, indicou voaa_vaquinhadorazoes, rede que promove campanhas de doações, para a qual Daniel contou sua história.

A mãe do menino, Cleide Neves, disse à iBahia que o menino sempre gostou de desenhar e enquanto estava no hospital Roberto Santos “várias pessoas pediam para ele fazer desenhos variados”.

Além disso, destacou que “os médicos da instituição perceberam o talento do menino” e “ofereceram algumas aulas de pintura para ele”.

Os quadros do pequeno Daniel são principalmente de santos católicos, mas também criou a imagem de Nossa Senhora dos Rins, para que a Virgem o proteja durante a operação e indique aos médicos como realizar o procedimento com sucesso.

Daniel mora atualmente em um apartamento emprestado em Salvador (BA) e a cada três meses viaja com a mãe para São Paulo (SP), para fazer os tratamentos necessários, o que gera despesas, além dos medicamentos que a família deve manter.

“O governo disponibiliza as passagens de ida e volta, mas os custos com deslocamento dentro da capital de um hospital para outro e alimentação são por conta da família”, assinalou a rede.

Infelizmente, Cleide “não consegue trabalhar pelos cuidados que o filho exige. Hoje, eles vivem apenas com um benefício da criança e uma pequena pensão que o pai paga”.

Para custear as despesas, a rede voaa_vaquinhadorazoes realizou uma campanha de doações, onde compartilharam a história do menino e em menos de 24 horas conseguiram alcançar o dobro do dinheiro necessário.

A campanha arrecadou mais de 209 mil reais que serão usados ​​para custear o tratamento de Daniel.

Cleide agradeceu a Deus e às pessoas de bom coração que ajudaram sua família a seguir em frente com o tratamento da criança.

“Muito obrigada a todos que estão nos ajudando com as suas orações, financeiramente, com o que puderam ajudar, estamos muito gratos por tudo”, indicou.

Daniel continua vendendo seus quadros, que alcançaram todo o mundo, como a Flórida (Estados Unidos), onde Mary Beth Burrows, de 80 anos, que também realiza hemodiálise, adquiriu uma das pinturas do menino.

É possível ajudar o tratamento de Daniel AQUI ou pode comprar um de seus quadros pelas redes sociais do menino.

Fonte: ACI Digital