fbpx

Guerra e dor (galeria de fotos)

“Toda guerra deixa nosso mundo pior de como o encontrou. A guerra é um fracasso da política e da humanidade, uma rendição vergonhosa, uma derrota diante das forças do mal”. (Papa Francisco)
Uma vista aérea mostra um edifício residencial destruído por bombardeios, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, no assentamento de Borodyanka, na região de Kiev, Ucrânia, em 3 de março de 2022. Foto tirada com um drone. REUTERS/Maksim Levin//File Photo
Uma vista aérea mostra um edifício residencial destruído por bombardeios, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, no assentamento de Borodyanka, na região de Kiev, Ucrânia, em 3 de março de 2022. Foto tirada com um drone. REUTERS/Maksim Levin//File Photo
Uma vala comum é vista atrás de uma igreja na cidade de Bucha, a noroeste da capital ucraniana, Kiev, em 3 de abril de 2022. - A Ucrânia e nações ocidentais acusaram neste domingo as tropas russas de crimes de guerra após a descoberta de valas comuns e civis "executados" perto de Kiev, provocando votos de ação no Tribunal Penal Internacional. O prefeito da cidade, Anatoly Fedoruk, disse à AFP que 280 outros corpos foram enterrados em valas comuns. Um oficial de resgate disse que 57 pessoas foram encontradas em uma vala cavada às pressas atrás de uma igreja. (Foto de Sergei SUPINSKY/AFP)
Uma vala comum é vista atrás de uma igreja na cidade de Bucha, a noroeste da capital ucraniana, Kiev, em 3 de abril de 2022. – A Ucrânia e nações ocidentais acusaram neste domingo as tropas russas de crimes de guerra após a descoberta de valas comuns e civis “executados” perto de Kiev, provocando votos de ação no Tribunal Penal Internacional. O prefeito da cidade, Anatoly Fedoruk, disse à AFP que 280 outros corpos foram enterrados em valas comuns. Um oficial de resgate disse que 57 pessoas foram encontradas em uma vala cavada às pressas atrás de uma igreja. (Foto de Sergei
SUPINSKY/AFP)
As pessoas reagem quando se reúnem perto de uma vala comum na cidade de Bucha, a noroeste da capital ucraniana Kiev, em 3 de abril de 2022. - O presidente Volodymyr Zelensky acusou a Rússia de cometer genocídio e tentar eliminar a "nação inteira" da Ucrânia, um dia após a descoberta de valas comuns e civis aparentemente executados perto de Kiev. (Foto de Sergei SUPINSKY/AFP)
As pessoas reagem quando se reúnem perto de uma vala comum na cidade de Bucha, a noroeste da capital ucraniana Kiev, em 3 de abril de 2022. – O presidente Volodymyr Zelensky acusou a Rússia de cometer genocídio e tentar eliminar a “nação inteira” da Ucrânia, um dia após a descoberta de valas comuns e civis aparentemente executados perto de Kiev. (Foto de Sergei SUPINSKY/AFP)
Uma visão mostra um prédio destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, em 3 de abril de 2022 REUTERS/Stringer
Uma visão mostra um prédio destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, em 3 de abril de 2022 REUTERS/Stringer
Uma vista mostra um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 3 de abril de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Uma vista mostra um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 3 de abril de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Uma moradora local lê um livro perto de um prédio danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, em 3 de abril de 2022 REUTERS/Stringer
Uma moradora local lê um livro perto de um prédio danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, em 3 de abril de 2022 REUTERS/Stringer
General view of the destroyed buildings in the city of Chernihiv, Ukraine, 03 April 2022 (issued 04 April 2022). Russian troops entered Ukraine on 24 February resulting in fighting and destruction in the country, and triggering a series of severe economic sanctions on Russia by Western countries. EPA/NATALIIA DUBROVSKA
General view of the destroyed buildings in the city of Chernihiv, Ukraine, 03 April 2022 (issued 04 April 2022). Russian troops entered Ukraine on 24 February resulting in fighting and destruction in the country, and triggering a series of severe economic sanctions on Russia by Western countries. EPA/NATALIIA DUBROVSKA
A man walks with bags of food gave for the Ukranian army in Bucha, northwest of Kyiv, on April 2, 2022, where town’s mayor said 280 people had been buried in a mass grave and that the town is littered with corpses. – Ukraine has regained control of “the whole Kyiv region” after invading Russian forces retreated from some key towns near the Ukrainian capital, deputy defence minister said today. (Photo by RONALDO SCHEMIDT / AFP)
A man walks with bags of food gave for the Ukranian army in Bucha, northwest of Kyiv, on April 2, 2022, where town's mayor said 280 people had been buried in a mass grave and that the town is littered with corpses. - Ukraine has regained control of "the whole Kyiv region" after invading Russian forces retreated from some key towns near the Ukrainian capital, deputy defence minister said today. (Photo by RONALDO SCHEMIDT / AFP)
Pessoas sentadas em um ônibus enquanto um comboio de evacuação de ônibus e carros chega a um centro de deslocados em Zaporizhzhia, nas primeiras horas de 4 de abril de 2022, durante a invasão militar da Rússia lançada na Ucrânia. (Foto por Emre Caylak / AFP)
Pessoas sentadas em um ônibus enquanto um comboio de evacuação de ônibus e carros chega a um centro de deslocados em Zaporizhzhia, nas primeiras horas de 4 de abril de 2022, durante a invasão militar da Rússia lançada na Ucrânia. (Foto por Emre Caylak / AFP)
Uma mulher chora antes do trem deixar a cidade oriental de Kramatorsk, na região de Donbas, em 3 de abril de 2022. – Jornalistas da AFP viram mulheres, crianças e idosos embarcando em um trem na estação para fugir da cidade oriental de Kramatorsk, na região de Donbas enquanto Moscou refoca sua ofensiva no sul e leste da Ucrânia. “O boato é que algo terrível está por vir”, disse Svetlana, uma voluntária que organiza a multidão na plataforma da estação. A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022. (Foto de FADEL SENNA/AFP)
Uma mulher chora antes do trem deixar a cidade oriental de Kramatorsk, na região de Donbas, em 3 de abril de 2022. - Jornalistas da AFP viram mulheres, crianças e idosos embarcando em um trem na estação para fugir da cidade oriental de Kramatorsk, na região de Donbas enquanto Moscou refoca sua ofensiva no sul e leste da Ucrânia. "O boato é que algo terrível está por vir", disse Svetlana, uma voluntária que organiza a multidão na plataforma da estação. A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022. (Foto de FADEL SENNA/AFP)
Um militar usa seu celular para filmar um tanque russo e veículos blindados destruídos, em meio à invasão da Rússia na Ucrânia em Bucha, na região de Kiev, Ucrânia 2 de abril de 2022. REUTERS/Zohra Bensemra
Um militar usa seu celular para filmar um tanque russo e veículos blindados destruídos, em meio à invasão da Rússia na Ucrânia em Bucha, na região de Kiev, Ucrânia 2 de abril de 2022. REUTERS/Zohra Bensemra
Um relógio está no chão entre as brasas perto de uma casa incendiada, em meio à invasão russa da Ucrânia, na vila de Kozarovychi, na região de Kiev, Ucrânia 2 de abril de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Um relógio está no chão entre as brasas perto de uma casa incendiada, em meio à invasão russa da Ucrânia, na vila de Kozarovychi, na região de Kiev, Ucrânia 2 de abril de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Soldados ucranianos passam por uma ponte destruída na entrada de Irpin, perto de Kiev, em 1º de abril de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia. (Foto de RONALDO SCHEMIDT/AFP)
Soldados ucranianos passam por uma ponte destruída na entrada de Irpin, perto de Kiev, em 1º de abril de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia. (Foto de RONALDO SCHEMIDT/AFP)
Uma imagem da cidade alta de Mariupol, 2 de abril de 2022. AZOV.ORG
Uma ponte destruída é retratada na entrada de Irpin, perto de Kiev, em 1º de abril de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia. (Foto de RONALDO SCHEMIDT/AFP)
Uma ponte destruída é retratada na entrada de Irpin, perto de Kiev, em 1º de abril de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia. (Foto de RONALDO SCHEMIDT/AFP)
Uma imagem da cidade alta de Mariupol, 2 de abril de 2022. AZOV.ORG
Um menino é visto do lado de fora de um prédio de apartamentos danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 31 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Um menino é visto do lado de fora de um prédio de apartamentos danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 31 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Um homem coleta fotos de uma escola atingida por foguetes russos na vila de Zelenyi Hai, no sul da Ucrânia, entre Kherson e Mykolaiv, a menos de 5 km da linha de frente em 1º de abril de 2022, enquanto a OTAN diz que não está vendo uma retirada dos russos forças na Ucrânia e espera “ações ofensivas adicionais”, adverte o chefe da aliança. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Um homem coleta fotos de uma escola atingida por foguetes russos na vila de Zelenyi Hai, no sul da Ucrânia, entre Kherson e Mykolaiv, a menos de 5 km da linha de frente em 1º de abril de 2022, enquanto a OTAN diz que não está vendo uma retirada dos russos forças na Ucrânia e espera "ações ofensivas adicionais", adverte o chefe da aliança. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Escola atingida por foguetes russos nopovoado de Zeleny Hai. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Escola atingida por foguetes russos nopovoado de Zeleny Hai. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Um posto de gasolina em chamas após ataques russos na cidade de Kharkiv, em 30 de março de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia. (Foto: FADEL SENNA/AFP)
Um posto de gasolina em chamas após ataques russos na cidade de Kharkiv, em 30 de março de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia. (Foto: FADEL SENNA/AFP)
Um soldado ucraniano na frente de casa atingida por foguetes russos na vila de Zelenyi Hai, no sul da Ucrânia, entre Kherson e Mykolaiv, a menos de 5 km da linha de frente em 1º de abril de 2022, enquanto a Otan diz que não está vendo uma retirada das forças russas em Ucrânia e espera “ações ofensivas adicionais”, adverte o chefe da aliança. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Um soldado ucraniano na frente de casa atingida por foguetes russos na vila de Zelenyi Hai, no sul da Ucrânia, entre Kherson e Mykolaiv, a menos de 5 km da linha de frente em 1º de abril de 2022, enquanto a Otan diz que não está vendo uma retirada das forças russas em Ucrânia e espera "ações ofensivas adicionais", adverte o chefe da aliança. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Um homem caminha para a casa de seu filho em ruas vazias, em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia, em Irpin, Ucrânia, 31 de março de 2022. REUTERS/Zohra Bensemra
Um homem caminha para a casa de seu filho em ruas vazias, em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia, em Irpin, Ucrânia, 31 de março de 2022. REUTERS/Zohra Bensemra
Homem caminha junto a vagões destruídos na cidade de Trostianets (Photo by Fadel Senna)
Homem caminha junto a vagões destruídos na cidade de Trostianets (Photo by Fadel Senna)
Mulheres ao lado de casas destruídas durante a invasão russa, na vila de Boromlia, no distrito de Trostyanetes, que foi recapturada pelo exército ucraniano, na região de Sumy, Ucrânia, em 30 de março de 2022. Trostyanetes foi recapturada pelo exército ucraniano depois que a cidade estava sob controle das forças russas por mais de um mês após a invasão em 24 de fevereiro. Os moradores locais afirmam que os soldados russos não estavam deixando enterrar os mortos, forçando muitos a deixar suas casas para se mudar para essas casas, e estavam saqueando a cidade. Os moradores diziam que alguns moradores da cidade foram mortos por soldados russos. Quando o exército russo estava se retirando de Trostyanets, eles roubaram muitos carros da população local, bem como diferentes dispositivos eletrônicos.
Mulheres ao lado de casas destruídas durante a invasão russa, na vila de Boromlia, no distrito de Trostyanetes, que foi recapturada pelo exército ucraniano, na região de Sumy, Ucrânia, em 30 de março de 2022. Trostyanetes foi recapturada pelo exército ucraniano depois que a cidade estava sob controle das forças russas por mais de um mês após a invasão em 24 de fevereiro. Os moradores locais afirmam que os soldados russos não estavam deixando enterrar os mortos, forçando muitos a deixar suas casas para se mudar para essas casas, e estavam saqueando a cidade. Os moradores diziam que alguns moradores da cidade foram mortos por soldados russos. Quando o exército russo estava se retirando de Trostyanets, eles roubaram muitos carros da população local, bem como diferentes dispositivos eletrônicos.
Pessoas limpam escombros ao lado de uma casa destruída durante a invasão russa, na aldeia de Boromlia, no distrito de Trostyanets, que foi recapturada pelo exército ucraniano, na região de Sumy, Ucrânia, 30 de março de 2022. Trostyanets foi recapturada pelo exército ucraniano depois que a cidade estava sob controle o controle das forças russas por mais de um mês após a invasão em 24 de fevereiro. Os moradores locais afirmam que os soldados russos não estavam deixando enterrar os mortos, forçando muitos a deixar suas casas para se mudar para essas casas, e estavam saqueando a cidade. Os moradores diziam que alguns moradores da cidade foram mortos por soldados russos. Quando o exército russo estava se retirando de Trostyanets, eles roubaram muitos carros da população local, bem como diferentes dispositivos eletrônicos. EPA/PILIPEIA ROMANA
Pessoas limpam escombros ao lado de uma casa destruída durante a invasão russa, na aldeia de Boromlia, no distrito de Trostyanets, que foi recapturada pelo exército ucraniano, na região de Sumy, Ucrânia, 30 de março de 2022. Trostyanets foi recapturada pelo exército ucraniano depois que a cidade estava sob controle o controle das forças russas por mais de um mês após a invasão em 24 de fevereiro. Os moradores locais afirmam que os soldados russos não estavam deixando enterrar os mortos, forçando muitos a deixar suas casas para se mudar para essas casas, e estavam saqueando a cidade. Os moradores diziam que alguns moradores da cidade foram mortos por soldados russos. Quando o exército russo estava se retirando de Trostyanets, eles roubaram muitos carros da população local, bem como diferentes dispositivos eletrônicos. EPA/PILIPEIA ROMANA
Um homem passa por veículos militares russos destruídos ao lado da estação ferroviária onde as forças russas estavam estacionadas, na cidade recapturada pelo exército ucraniano Trostyanets, na região de Sumy, Ucrânia, 29 de março de 2022 (emitido em 30 de março de 2022). Trostyanets foi recapturado pelo exército ucraniano depois que a cidade esteve sob as forças russas desde os primeiros dias de guerra por mais de um mês. EPA/PILIPEIA ROMANA
Um homem passa por veículos militares russos destruídos ao lado da estação ferroviária onde as forças russas estavam estacionadas, na cidade recapturada pelo exército ucraniano Trostyanets, na região de Sumy, Ucrânia, 29 de março de 2022 (emitido em 30 de março de 2022). Trostyanets foi recapturado pelo exército ucraniano depois que a cidade esteve sob as forças russas desde os primeiros dias de guerra por mais de um mês.  EPA/PILIPEIA ROMANA
Um socorrista ucraniano passa por veículos militares russos destruídos enquanto procura por itens explosivos ao lado da estação ferroviária onde as forças russas estavam estacionadas, na cidade recapturada pelo exército ucraniano Trostyanets, na região de Sumy, Ucrânia, 29 de março de 2022 (emitido 30 março de 2022). Trostyanets foi recapturado pelo exército ucraniano depois que a cidade esteve sob as forças russas desde os primeiros dias da guerra por mais de um mês. EPA/PILIPEIA ROMANA
Um socorrista ucraniano passa por veículos militares russos destruídos enquanto procura por itens explosivos ao lado da estação ferroviária onde as forças russas estavam estacionadas, na cidade recapturada pelo exército ucraniano Trostyanets, na região de Sumy, Ucrânia, 29 de março de 2022 (emitido 30 março de 2022). Trostyanets foi recapturado pelo exército ucraniano depois que a cidade esteve sob as forças russas desde os primeiros dias da guerra por mais de um mês. EPA/PILIPEIA ROMANA
Ucraniano senta-se em um banco perto de um prédio residencial danificado após bombardear um prédio residencial onde mora em Kharkiv, Ucrânia, 29 de março de 2022. A cidade de Kharkiv, a segunda maior da Ucrânia, testemunhou repetidos ataques aéreos das forças russas. EPA/VASILIY ZHLOBSKY
Ucraniano senta-se em um banco perto de um prédio residencial danificado após bombardear um prédio residencial onde mora em Kharkiv, Ucrânia, 29 de março de 2022. A cidade de Kharkiv, a segunda maior da Ucrânia, testemunhou repetidos ataques aéreos das forças russas. EPA/VASILIY ZHLOBSKY
Uma fotografia mostra edifícios destruídos em Kharkiv em 29 de março de 2022, destruídos por bombardeios de tropas russas, no 34º dia da invasão russa da Ucrânia. – A Ucrânia está pedindo um “acordo internacional” para garantir sua segurança, que seria assinado por vários países garantidores, disse em 29 de março de 2022 o negociador-chefe ucraniano após várias horas de conversas russo-ucranianas em Istambul. (Foto de Sergey BOBOK/AFP)
Uma fotografia mostra edifícios destruídos em Kharkiv em 29 de março de 2022, destruídos por bombardeios de tropas russas, no 34º dia da invasão russa da Ucrânia. - A Ucrânia está pedindo um "acordo internacional" para garantir sua segurança, que seria assinado por vários países garantidores, disse em 29 de março de 2022 o negociador-chefe ucraniano após várias horas de conversas russo-ucranianas em Istambul. (Foto de Sergey BOBOK/AFP)
Uma idosa caminha em frente ao seu prédio residencial em Kharkiv em 29 de março de 2022, parcialmente destruído por um bombardeio de tropas russas, no 34º dia da invasão russa da Ucrânia. – A Ucrânia está pedindo um “acordo internacional” para garantir sua segurança, que seria assinado por vários países garantidores, disse em 29 de março de 2022 o negociador-chefe ucraniano após várias horas de conversas russo-ucranianas em Istambul. (Foto de Sergey BOBOK/AFP)
Uma idosa caminha em frente ao seu prédio residencial em Kharkiv em 29 de março de 2022, parcialmente destruído por um bombardeio de tropas russas, no 34º dia da invasão russa da Ucrânia. - A Ucrânia está pedindo um "acordo internacional" para garantir sua segurança, que seria assinado por vários países garantidores, disse em 29 de março de 2022 o negociador-chefe ucraniano após várias horas de conversas russo-ucranianas em Istambul. (Foto de Sergey BOBOK/AFP)
Pessoas e equipes de resgate se reúnem perto de uma parte destruída de um prédio administrativo do governo ucraniano após um bombardeio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 29 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Pessoas e equipes de resgate se reúnem perto de uma parte destruída de um prédio administrativo do governo ucraniano após um bombardeio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 29 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Esta fotografia tirada em 29 de março de 2022 mostra o prédio do governo destruído após ser atingido por foguetes russos em Mykolaiv. – Um ataque russo atingiu o prédio do governo regional na cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, um porto importante sob forte ataque por semanas, disse o governador regional em 29 de março de 2022. O governador Vitaly Kim disse que a maioria das pessoas dentro do prédio não foi ferida mas vários civis e soldados estavam desaparecidos. (Foto de BULENT KILIC/AFP)
Esta fotografia tirada em 29 de março de 2022 mostra o prédio do governo destruído após ser atingido por foguetes russos em Mykolaiv. - Um ataque russo atingiu o prédio do governo regional na cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, um porto importante sob forte ataque por semanas, disse o governador regional em 29 de março de 2022. O governador Vitaly Kim disse que a maioria das pessoas dentro do prédio não foi ferida mas vários civis e soldados estavam desaparecidos. (Foto de BULENT KILIC/AFP)
Parte destruída de um prédio da administração do governo ucraniano é vista após um bombardeio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 29 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Parte destruída de um prédio da administração do governo ucraniano é vista após um bombardeio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 29 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Um membro do serviço de tropas pró-Rússia caminha perto de um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 28 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Um membro do serviço de tropas pró-Rússia caminha perto de um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 28 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Pessoas ficam dentro de uma estação de metrô usada como abrigo antiaéreo, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kharkiv, nordeste da Ucrânia, 28 de março de 2022. Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia com 1,5 milhão de pessoas, que fica a cerca de 40 quilômetros do fronteira russa, foi fortemente bombardeado pelas forças russas nas últimas semanas, com muitos civis mortos na cidade. EPA/PILIPEIA ROMANA
Pessoas ficam dentro de uma estação de metrô usada como abrigo antiaéreo, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kharkiv, nordeste da Ucrânia, 28 de março de 2022. Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia com 1,5 milhão de pessoas, que fica a cerca de 40 quilômetros do fronteira russa, foi fortemente bombardeado pelas forças russas nas últimas semanas, com muitos civis mortos na cidade. EPA/PILIPEIA ROMANA
A moradora Valentina Demura, 70, chora ao lado do prédio onde seu apartamento, destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia, está localizado na cidade portuária sitiada de Mariupol, na Ucrânia, em 27 de março de 2022. Valentina trabalhou por muitos anos na Azovstal Iron e Obras de Aço. Depois que seu apartamento foi destruído, ela mora com vizinhos em seu apartamento, e eles se abrigam juntos no porão. REUTERS/Alexander
Ermochenko
A moradora Valentina Demura, 70, chora ao lado do prédio onde seu apartamento, destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia, está localizado na cidade portuária sitiada de Mariupol, na Ucrânia, em 27 de março de 2022. Valentina trabalhou por muitos anos na Azovstal Iron e Obras de Aço. Depois que seu apartamento foi destruído, ela mora com vizinhos em seu apartamento, e eles se abrigam juntos no porão. REUTERS/Alexander Ermochenko
O interior de uma casa destruída pelas forças russas na aldeia de Bachtanka, perto de Mykolaiv, uma cidade chave na estrada para Odessa, o maior porto da Ucrânia, em 27 de março de 2022. – Após algumas semanas terríveis em que o exército russo tentou em vão explodir esta cidade estratégica, a ameaça nos últimos dias parece ter diminuído um pouco. No fim de semana, as sirenes do ataque aéreo não incomodavam mais os moradores de Mykolaiv, que se aventuravam cada vez mais nas ruas. A maioria mal se apressa quando os ouve. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
O interior de uma casa destruída pelas forças russas na aldeia de Bachtanka, perto de Mykolaiv, uma cidade chave na estrada para Odessa, o maior porto da Ucrânia, em 27 de março de 2022. - Após algumas semanas terríveis em que o exército russo tentou em vão explodir esta cidade estratégica, a ameaça nos últimos dias parece ter diminuído um pouco. No fim de semana, as sirenes do ataque aéreo não incomodavam mais os moradores de Mykolaiv, que se aventuravam cada vez mais nas ruas. A maioria mal se apressa quando os ouve. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Uma mulher segura uma jaqueta enquanto examina as ruínas de um prédio onde morava antes de ser destruído por bombardeios russos em Mykolaiv, uma cidade importante na estrada para Odessa, o maior porto da Ucrânia, em 27 de março de 2022. – Depois de algumas semanas terríveis em que o exército russo tentou em vão explodir esta cidade estratégica, a ameaça nos últimos dias parece ter diminuído um pouco. No fim de semana, as sirenes do ataque aéreo não incomodavam mais os moradores de Mykolaiv, que se aventuravam cada vez mais nas ruas. A maioria mal se apressa quando os ouve. (Foto de Oleksandr GIMANOV/AFP)
Uma mulher segura uma jaqueta enquanto examina as ruínas de um prédio onde morava antes de ser destruído por bombardeios russos em Mykolaiv, uma cidade importante na estrada para Odessa, o maior porto da Ucrânia, em 27 de março de 2022. - Depois de algumas semanas terríveis em que o exército russo tentou em vão explodir esta cidade estratégica, a ameaça nos últimos dias parece ter diminuído um pouco. No fim de semana, as sirenes do ataque aéreo não incomodavam mais os moradores de Mykolaiv, que se aventuravam cada vez mais nas ruas. A maioria mal se apressa quando os ouve. (Foto de Oleksandr GIMANOV/AFP)
People walk past a damaged building in the Ukrainian city of Mykolaiv on March 27, 2022. – For three weeks, 13-year-old Sofia has been stuck in bed in the basement of a hospital in the southern Ukrainian city of Mykolaiv undergoing three operations that have still not removed all the shrapnel from her skull. (Photo by Oleksandr GIMANOV / AFP)
People walk past a damaged building in the Ukrainian city of Mykolaiv on March 27, 2022. - For three weeks, 13-year-old Sofia has been stuck in bed in the basement of a hospital in the southern Ukrainian city of Mykolaiv undergoing three operations that have still not removed all the shrapnel from her skull. (Photo by Oleksandr GIMANOV / AFP)
Parte de um projétil é vista na rua durante o conflito Ucrânia-Rússia no porto sitiado de Mariupol, na Ucrânia, em 27 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Parte de um projétil é vista na rua durante o conflito Ucrânia-Rússia no porto sitiado de Mariupol, na Ucrânia, em 27 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Um casal caminha em frente a casas destruídas por bombardeios em Kharkiv em 25 de março de 2022, durante a invasão militar da Rússia lançada na Ucrânia. – Ataques russos contra uma instalação médica em Kharkiv. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Um casal caminha em frente a casas destruídas por bombardeios em Kharkiv em 25 de março de 2022, durante a invasão militar da Rússia lançada na Ucrânia. - Ataques russos contra uma instalação médica em Kharkiv. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Os socorristas trabalham em um local de armazenamento de combustível atingido por mísseis de cruzeiro, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Lviv, Ucrânia nesta imagem estática tirada de um vídeo divulgado em 27 de março de 2022. Apostila via REUTERS
Os socorristas trabalham em um local de armazenamento de combustível atingido por mísseis de cruzeiro, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Lviv, Ucrânia nesta imagem estática tirada de um vídeo divulgado em 27 de março de 2022. Apostila via REUTERS
Os socorristas trabalham em um local de armazenamento de combustível atingido por mísseis de cruzeiro, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Lviv, Ucrânia nesta imagem estática tirada de um vídeo divulgado em 27 de março de 2022. Apostila via REUTERS
Os socorristas trabalham em um local de armazenamento de combustível atingido por mísseis de cruzeiro, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Lviv, Ucrânia nesta imagem estática tirada de um vídeo divulgado em 27 de março de 2022. Apostila via REUTERS
Moradores locais Lyubov Otranitsa, 76, e Svetlana Mechetnaya, 60, que buscam refúgio no porão de um prédio de apartamentos danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia, sentam-se em um banco em um pátio na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 25 de março de 2022. REUTERS/Alexander Ermochenko
Moradores locais Lyubov Otranitsa, 76, e Svetlana Mechetnaya, 60, que buscam refúgio no porão de um prédio de apartamentos danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia, sentam-se em um banco em um pátio na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 25 de março de 2022. REUTERS/Alexander Ermochenko
Moradores locais caminham perto de um poste de eletricidade caído e um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 25 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Moradores locais caminham perto de um poste de eletricidade caído e um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 25 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Men carry wooden pallets in the courtyard of an apartment building destroyed in the course of Ukraine-Russia conflict in the besieged southern port city of Mariupol, Ukraine March 25, 2022. REUTERS/Alexander Ermochenko
Men carry wooden pallets in the courtyard of an apartment building destroyed in the course of Ukraine-Russia conflict in the besieged southern port city of Mariupol, Ukraine March 25, 2022. REUTERS/Alexander Ermochenko
Moradores locais sentam-se em um banco perto de um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 25 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Moradores locais sentam-se em um banco perto de um prédio de apartamentos destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 25 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Esta visão geral tirada em 24 de março de 2022 mostra fogo e fumaça iluminando o céu, a leste de Kharkiv. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Esta visão geral tirada em 24 de março de 2022 mostra fogo e fumaça iluminando o céu, a leste de Kharkiv. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Um ucraniano fica em frente a um prédio queimado após um fogo de artilharia no 30º dia da invasão da Ucrânia por forças russas na cidade de Kharkiv, no nordeste, em 25 de março de 2022. – Ataques russos contra uma instalação médica em Kharkiv em 25 de março , 2022, matou pelo menos quatro civis e feriu vários outros, disseram autoridades ucranianas. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Um ucraniano fica em frente a um prédio queimado após um fogo de artilharia no 30º dia da invasão da Ucrânia por forças russas na cidade de Kharkiv, no nordeste, em 25 de março de 2022. - Ataques russos contra uma instalação médica em Kharkiv em 25 de março , 2022, matou pelo menos quatro civis e feriu vários outros, disseram autoridades ucranianas. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Bombeiros ucranianos trabalham para extinguir um incêndio após um fogo de artilharia no 30º dia da invasão da Ucrânia pelas forças russas na cidade de Kharkiv, no nordeste, em 25 de março de 2022. – Ataques russos contra um centro médico em Kharkiv em 25 de março de 2022, matou pelo menos quatro civis e feriu vários outros, disseram autoridades ucranianas. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Bombeiros ucranianos trabalham para extinguir um incêndio após um fogo de artilharia no 30º dia da invasão da Ucrânia pelas forças russas na cidade de Kharkiv, no nordeste, em 25 de março de 2022. - Ataques russos contra um centro médico em Kharkiv em 25 de março de 2022, matou pelo menos quatro civis e feriu vários outros, disseram autoridades ucranianas. (Foto: Aris Messinis/AFP)
Um morador apaga um incêndio depois que um atentado destruiu uma casa de família em um distrito ao norte de Kharkiv, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, Ucrânia, 24 de março de 2022. REUTERS/Thomas Peter
Um morador apaga um incêndio depois que um atentado destruiu uma casa de família em um distrito ao norte de Kharkiv, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, Ucrânia, 24 de março de 2022. REUTERS/Thomas Peter
Uma mulher beija uma cruz no túmulo de sua mãe morta por bombardeio durante o conflito Ucrânia-Rússia, no porto sul sitiado de Mariupol, Ucrânia 23 de março de 2022 REUTERS / Alexander Ermochenk
Uma mulher beija uma cruz no túmulo de sua mãe morta por bombardeio durante o conflito Ucrânia-Rússia, no porto sul sitiado de Mariupol, Ucrânia 23 de março de 2022 REUTERS / Alexander Ermochenko
Túmulos de moradores mortos por bombardeios durante o conflito Ucrânia-Rússia são vistos em um pátio, no porto sul sitiado de Mariupol, na Ucrânia, em 23 de março de 2022. REUTERS / Alexander Ermochenko
Túmulos de moradores mortos por bombardeios durante o conflito Ucrânia-Rússia são vistos em um pátio, no porto sul sitiado de Mariupol, na Ucrânia, em 23 de março de 2022. REUTERS / Alexander Ermochenko
Crianças brincam em frente a um prédio danificado em combates durante o conflito Ucrânia-Rússia, no porto sul sitiado de Mariupol, Ucrânia 23 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Crianças brincam em frente a um prédio danificado em combates durante o conflito Ucrânia-Rússia, no porto sul sitiado de Mariupol, Ucrânia 23 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
A local resident pushes a cart with bottles of water during Ukraine-Russia conflict, in the besieged southern port of Mariupol, Ukraine March 23, 2022. REUTERS/Alexander Ermochenko
 A local resident pushes a cart with bottles of water during Ukraine-Russia conflict, in the besieged southern port of Mariupol, Ukraine March 23, 2022. REUTERS/Alexander Ermochenko
Militares ucranianos carregam um fragmento de um foguete em um caminhão do lado de fora de um prédio em Kiev em 24 de março de 2022, depois que ele foi destruído por bombardeios russos. (Foto de Sergei SUPINSKY/AFP)
Militares ucranianos carregam um fragmento de um foguete em um caminhão do lado de fora de um prédio em Kiev em 24 de março de 2022, depois que ele foi destruído por bombardeios russos. (Foto de Sergei SUPINSKY/AFP)
Uma casa residencial danificada por bombardeios, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, é vista na vila de Rakivshchyna, na região de Zhytomyr Ucrânia, nesta foto divulgada em 24 de março de 2022. Serviço de imprensa do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia/Folheto via REUTERS
Uma casa residencial danificada por bombardeios, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, é vista na vila de Rakivshchyna, na região de Zhytomyr Ucrânia, nesta foto divulgada em 24 de março de 2022. Serviço de imprensa do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia/Folheto via REUTERS
Prédios residenciais são vistos através da fumaça de incêndios após bombardeios nos arredores da capital, em Kiev, Ucrânia, 23 de março de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Prédios residenciais são vistos através da fumaça de incêndios após bombardeios nos arredores da capital, em Kiev, Ucrânia, 23 de março de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Militares carregam o caixão durante o funeral de Sandor Kish, de 30 anos, que morreu na cidade de Ochakiv em 24 de fevereiro, primeiro dia da invasão russa da Ucrânia, em Uzhhorod, Ucrânia, 22 de março de 2022. REUTERS/Serhii Hudak
Militares carregam o caixão durante o funeral de Sandor Kish, de 30 anos, que morreu na cidade de Ochakiv em 24 de fevereiro, primeiro dia da invasão russa da Ucrânia, em Uzhhorod, Ucrânia, 22 de março de 2022. REUTERS/Serhii Hudak
Foto fornecida pelo Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia onde equipes de resgate realizam operações de busca e desmantelamento de destroços em Kharkiv. (Foto do Serviço de Emergência do Estado Ucraniano / AFP)
Foto fornecida pelo Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia onde equipes de resgate realizam operações de busca e desmantelamento de destroços em Kharkiv. (Foto do Serviço de Emergência do Estado Ucraniano / AFP)
Prédio residencial em Mariupol atingido por bombardeio russo. REUTERS/Alexander Ermochenko
Prédio residencial em Mariupol atingido por bombardeio russo. REUTERS/Alexander Ermochenko
Refugiados caminham ao longo de uma estrada fugindo da guerra em Maiupol. REUTERS/Alexander Ermochenko
Refugiados caminham ao longo de uma estrada fugindo da guerra em Maiupol. REUTERS/Alexander Ermochenko
Ucranianos que fogem da invasão russa de sua terra natal esperam por um agente da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA antes de passar por um posto de controle para entrar nos Estados Unidos depois que as autoridades concederam permissão para permanecer no país até 2023, no Porto de Entrada de San Ysidro do Fronteira EUA-México em Tijuana, México, 22 de março de 2022. REUTERS/Jorge Duenes
Ucranianos que fogem da invasão russa de sua terra natal esperam por um agente da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA antes de passar por um posto de controle para entrar nos Estados Unidos depois que as autoridades concederam permissão para permanecer no país até 2023, no Porto de Entrada de San Ysidro do Fronteira EUA-México em Tijuana, México, 22 de março de 2022. REUTERS/Jorge Duenes
Manifestantes atacados com granadas de efeito moral lançadas por tropas russas enquanto protestam contra a invasão russa, ao longo da Avenida Ushakova em Kherson, Ucrânia 21 de março de 2022 nesta imagem estática de um vídeo obtido pela REUTERS
Manifestantes atacados com granadas de efeito moral lançadas por tropas russas enquanto protestam contra a invasão russa, ao longo da Avenida Ushakova em Kherson, Ucrânia 21 de março de 2022 nesta imagem estática de um vídeo obtido pela REUTERS
Ucraniana com seu filho em meio aos destroços de uma escola destruída por bombardeios russos em Zhytomyr, Ucrânia. EPA/Roman Pilipey
Ucraniana com seu filho em meio aos destroços de uma escola destruída por bombardeios russos em Zhytomyr, Ucrânia. EPA/Roman Pilipey
Hospital danificado por bombardeios russos em Sievierodonetsk, região de Luhansk, Ucrânia, nesta foto divulgada em 22 de março de 2022. Serviço de imprensa do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia / Divulgação via REUTERS
Hospital danificado por bombardeios russos em Sievierodonetsk, região de Luhansk, Ucrânia, nesta foto divulgada em 22 de março de 2022. Serviço de imprensa do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia / Divulgação via REUTERS
Doutor Anatolii Pavlov tira fotos de um hospital psiquiátrico danificado após ser atingido por um ataque militar, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 22 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Doutor Anatolii Pavlov tira fotos de um hospital psiquiátrico danificado após ser atingido por um ataque militar, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 22 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Ucraniano retira escombros em um hospital psiquiátrico danificado após ser atingido por um ataque militar, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 22 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Ucraniano retira escombros em um hospital psiquiátrico danificado após ser atingido por um ataque militar, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Mykolaiv, Ucrânia, 22 de março de 2022. REUTERS/Nacho Doce
Bombeiros reviram escombros de hospital psiquiátrico atingido por um projétil russo, de acordo com o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia, em meio à invasão russa da Ucrânia, na vila de Oskil, distrito de Izyum, região de Kharkiv, Ucrânia. Serviço Estadual de Emergência da Ucrânia/Folheto via REUTERS
Bombeiros reviram escombros de hospital psiquiátrico atingido por um projétil russo, de acordo com o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia, em meio à invasão russa da Ucrânia, na vila de Oskil, distrito de Izyum, região de Kharkiv, Ucrânia. Serviço Estadual de Emergência da Ucrânia/Folheto via REUTERS
Abraçadas, cranianas choram depois de cruzar a fronteira ucraniana-romena em Siret, norte da Romênia. (Foto de Armend NIMANI/AFP)
Abraçadas, cranianas choram depois de cruzar a fronteira ucraniana-romena em Siret, norte da Romênia. (Foto de Armend NIMANI/AFP)
Um militar ucraniano caminha entre derbis dentro do shopping Retroville após um ataque russo no noroeste da capital Kiev em 21 de março de 2022. (Foto de ARIS MESSINIS / AFP)
Um militar ucraniano caminha entre derbis dentro do shopping Retroville após um ataque russo no noroeste da capital Kiev em 21 de março de 2022. (Foto de ARIS MESSINIS / AFP)
O local de um shopping destruído é visto após ser atingido por um ataque militar no distrito de Podilskyi, em Kiev, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, em 21 de março de 2022. REUTERS/Vladyslav Musiienko
O local de um shopping destruído é visto após ser atingido por um ataque militar no distrito de Podilskyi, em Kiev, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, em 21 de março de 2022. REUTERS/Vladyslav Musiienko
Um homem está olhando para o shopping em chamas e destruído Retroville após um ataque russo no noroeste da capital Kiev em 21 de março de 2022. – Pelo menos seis pessoas foram mortas no bombardeio noturno de um shopping center na capital ucraniana Kiev, disse um jornalista da AFP, com equipes de resgate vasculhando os destroços em busca de outras vítimas. O prédio de 10 andares foi atingido por uma forte explosão que pulverizou veículos em seu estacionamento e deixou uma cratera de vários metros de largura. (Foto: ARIS MESSINIS/AFP)
Um homem está olhando para o shopping em chamas e destruído Retroville após um ataque russo no noroeste da capital Kiev em 21 de março de 2022. - Pelo menos seis pessoas foram mortas no bombardeio noturno de um shopping center na capital ucraniana Kiev, disse um jornalista da AFP, com equipes de resgate vasculhando os destroços em busca de outras vítimas. O prédio de 10 andares foi atingido por uma forte explosão que pulverizou veículos em seu estacionamento e deixou uma cratera de vários metros de largura. (Foto: ARIS MESSINIS/AFP)
Um homem olha para a janela danificada da casa de Galina e Nikolya Shibka danificada durante o bombardeio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, na vila de Kalynivka, nos arredores de Kiev, Ucrânia 19 de março de 2022 REUTERS/Marko Djurica
Um homem olha para a janela danificada da casa de Galina e Nikolya Shibka danificada durante o bombardeio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, na vila de Kalynivka, nos arredores de Kiev, Ucrânia 19 de março de 2022 REUTERS/Marko Djurica
Um homem fica dentro de seu apartamento depois que um bairro residencial foi danificado por um bombardeio, enquanto a invasão da Ucrânia pela Rússia continua, em Kiev, Ucrânia, 18 de março de 2022. REUTERS/Marko Djurica
Um homem fica dentro de seu apartamento depois que um bairro residencial foi danificado por um bombardeio, enquanto a invasão da Ucrânia pela Rússia continua, em Kiev, Ucrânia, 18 de março de 2022. REUTERS/Marko Djurica
A dor pela destruição causada por bombardeios russos em bairro residencial em Kiev, Ucrânia. REUTERS/Marko Djurica
A dor pela destruição causada por bombardeios russos em bairro residencial em Kiev, Ucrânia. REUTERS/Marko Djurica
Uma visão geral de 109 carrinhos de bebê vazios colocados no centro de Lviv durante a campanha “Price of War” organizada por ativistas e autoridades locais para destacar o grande número de crianças mortas na invasão da Ucrânia pela Rússia, em Lviv, 18 de março de 2022. REUTERS/Roman Baluk
Uma visão geral de 109 carrinhos de bebê vazios colocados no centro de Lviv durante a campanha "Price of War" organizada por ativistas e autoridades locais para destacar o grande número de crianças mortas na invasão da Ucrânia pela Rússia, em Lviv, 18 de março de 2022. REUTERS/Roman Baluk
Vista de uma pré-escola infantil destruída em um bairro residencial de Kiev após ser atingida por bombardeios, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, em 18 de março de 2022. REUTERS/Vladyslav Musiienko
Vista de uma pré-escola infantil destruída em um bairro residencial de Kiev após ser atingida por bombardeios, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, em 18 de março de 2022. REUTERS/Vladyslav Musiienko
CONTEÚDO SENSIVEL: Uma mulher ferida caminha durante a evacuação de um prédio danificado por bombardeios, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, nesta foto divulgada em 18 de março de 2022
CONTEÚDO SENSIVEL: Uma mulher ferida caminha durante a evacuação de um prédio danificado por bombardeios, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, nesta foto divulgada em 18 de março de 2022.
Pessoas se reúnem perto de um bloco de apartamentos, que foi destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 17 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Pessoas se reúnem perto de um bloco de apartamentos, que foi destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 17 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Pessoas se reúnem perto de um bloco de apartamentos, que foi destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 17 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Pessoas se reúnem perto de um bloco de apartamentos, que foi destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 17 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Pessoas caminham perto de um prédio, que foi destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 17 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Pessoas caminham perto de um prédio, que foi destruído durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária sitiada de Mariupol, Ucrânia, em 17 de março de 2022 REUTERS/Alexander Ermochenko
Um homem caminha em uma escola danificada por bombardeios, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia 16 de março de 2022 REUTERS/Oleksandr Lapshyn
Um homem caminha em uma escola danificada por bombardeios, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia 16 de março de 2022 REUTERS/Oleksandr Lapshyn
Um bombeiro trabalha no local de um incêndio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia 16 de março de 2022 REUTERS/Oleksandr Lapshyn
Um bombeiro trabalha no local de um incêndio, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia 16 de março de 2022 REUTERS/Oleksandr Lapshyn
Equipes de resgate removem destroços de um prédio residencial danificado por um ataque aéreo, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia, 15 de março de 2022. REUTERS/Vitalii Hnidyi
Equipes de resgate removem destroços de um prédio residencial danificado por um ataque aéreo, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia, 15 de março de 2022. REUTERS/Vitalii Hnidyi
Nesta foto tirada e divulgada pelo Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia em 16 de março de 2022, um psicólogo de emergências ucraniano ajuda uma idosa evacuada de um prédio residencial danificado por bombardeios em Kiev.
Nesta foto tirada e divulgada pelo Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia em 16 de março de 2022, um psicólogo de emergências ucraniano ajuda uma idosa evacuada de um prédio residencial danificado por bombardeios em Kiev.
Pessoas limpam os escombros de um prédio danificado por bombardeios em Kiev, Ucrânia, 15 de março de 2022. Em 24 de fevereiro, tropas russas entraram no território ucraniano no que o presidente russo declarou uma ‘operação militar especial’, resultando em combates e destruição no país, um enorme fluxo de refugiados e múltiplas sanções contra a Rússia. EPA/MIGUEL A. LOPES
Pessoas limpam os escombros de um prédio danificado por bombardeios em Kiev, Ucrânia, 15 de março de 2022. Em 24 de fevereiro, tropas russas entraram no território ucraniano no que o presidente russo declarou uma 'operação militar especial', resultando em combates e destruição no país, um enorme fluxo de refugiados e múltiplas sanções contra a Rússia. EPA/MIGUEL A. LOPES
Ataques em áreas residenciais em Kiev mataram pelo menos duas pessoas na manhã de 15 de março, disseram serviços de emergência, enquanto as tropas russas intensificavam seus ataques à capital ucraniana. (Foto de várias fontes / AFP)
Ataques em áreas residenciais em Kiev mataram pelo menos duas pessoas na manhã de 15 de março, disseram serviços de emergência, enquanto as tropas russas intensificavam seus ataques à capital ucraniana. (Foto de várias fontes / AFP)
Um bombeiro apaga o fogo em um prédio residencial que foi atingido por um bombardeio de artilharia, em Kiev, Ucrânia, 15 de março de 2022. Tropas russas entraram na Ucrânia em 24 de fevereiro, levando o presidente do país a declarar lei marcial e desencadeando uma série de anúncios de países ocidentais para impor severas sanções econômicas à Rússia. EPA/PILIPEIA ROMANA
Um bombeiro apaga o fogo em um prédio residencial que foi atingido por um bombardeio de artilharia, em Kiev, Ucrânia, 15 de março de 2022. Tropas russas entraram na Ucrânia em 24 de fevereiro, levando o presidente do país a declarar lei marcial e desencadeando uma série de anúncios de países ocidentais para impor severas sanções econômicas à Rússia. EPA/PILIPEIA ROMANA
Vista interior de um apartamento danificado em um prédio residencial bombardeado em Kiev. Klitschko. ( EPA/SERGEY DOLZHENKO)
Vista interior de um apartamento danificado em um prédio residencial bombardeado em Kiev. Klitschko. ( EPA/SERGEY DOLZHENKO)
Pessoas e médicos ajudam um morador ferido de uma casa destruída por bombardeios enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia 14 de março de 2022 REUTERS/Gleb Garanich
Pessoas e médicos ajudam um morador ferido de uma casa destruída por bombardeios enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia 14 de março de 2022 REUTERS/Gleb Garanich
Irina Moprezova, 54, diante da casa destruída por ataque aéreo russo (Photo by Dimitar Dilkoff/AFP)
Irina Moprezova, 54, diante da casa destruída por ataque aéreo russo (Photo by Dimitar Dilkoff/AFP)
Um ataque aéreo russo a um edifício residencial em Kiev matou um e feriu vários outros, informaram os serviços de emergência ucranianos em 14 de março. (Foto do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia / AFP)
Um ataque aéreo russo a um edifício residencial em Kiev matou um e feriu vários outros, informaram os serviços de emergência ucranianos em 14 de março. (Foto do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia / AFP)
Bombeiros tentam apagar o fogo em casa bombardeada em Liev (Aris Messinis/AFP)
Bombeiros tentam apagar o fogo em casa bombardeada em Liev (Aris Messinis/AFP)
Equipes de resgate trabalham ao lado de um prédio residencial danificado por bombardeios, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, nesta foto divulgada em 14 de março de 2022. (Serviço de imprensa do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia/Via Reuters)
Equipes de resgate trabalham ao lado de um prédio residencial danificado por bombardeios, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, nesta foto divulgada em 14 de março de 2022. (Serviço de imprensa do Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia/Via Reuters)
Um residente examina um depósito de bonde destruído em Kharkiv em 12 de março de 2022. (Foto de Sergey BOBOK / AFP)

Um residente examina um depósito de bonde destruído em Kharkiv em 12 de março de 2022. (Foto de Sergey BOBOK / AFP)

Um residente examina um depósito de bonde destruído em Kharkiv em 12 de março de 2022. (Foto de Sergey BOBOK / AFP

 

Pessoas evacuam enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Irpin, Ucrânia, 12 de março de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Pessoas evacuam enquanto a invasão russa da Ucrânia continua, em Irpin, Ucrânia, 12 de março de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Um membro das forças ucranianas ajuda uma mulher a atravessar o rio Irpin ao lado de uma ponte destruída, em meio à invasão russa da Ucrânia, fora de Kiev, Ucrânia 11 de março de 2022. REUTERS/Serhii Nuzhnenko
Um membro das forças ucranianas ajuda uma mulher a atravessar o rio Irpin ao lado de uma ponte destruída, em meio à invasão russa da Ucrânia, fora de Kiev, Ucrânia 11 de março de 2022. REUTERS/Serhii Nuzhnenko
Um carrinho de bebê é visto ao lado de uma ponte destruída, em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia, fora de Kiev, Ucrânia 11 de março de 2022 REUTERS/Serhii Nuzhnenko
Um carrinho de bebê é visto ao lado de uma ponte destruída, em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia, fora de Kiev, Ucrânia 11 de março de 2022 REUTERS/Serhii Nuzhnenko
Um armazém que armazena produtos congelados é visto em chamas após o bombardeio, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, na vila de Kvitneve, na região de Kiev, na Ucrânia, nesta foto divulgada em 12 de março de 2022.. Press service of the State Emergency Service of Ukraine/Handout via REUTERS
Um armazém que armazena produtos congelados é visto em chamas após o bombardeio, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, na vila de Kvitneve, na região de Kiev, na Ucrânia, nesta foto divulgada em 12 de março de 2022.. Press service of the State Emergency Service of Ukraine/Handout via REUTERS
Ucranianos em um trem de evacuação de Kiev para Lviv, na estação central de trem de Kiev, em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia, em Kiev, Ucrânia 11 de março de 2022 REUTERS/Gleb Garanich
Ucranianos em um trem de evacuação de Kiev para Lviv, na estação central de trem de Kiev, em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia, em Kiev, Ucrânia 11 de março de 2022 REUTERS/Gleb Garanich
Mulheres com filhos pequenos fugindo da invasão russa da Ucrânia se instalam na estação de trem da cidade ucraniana ocidental de Lviv em 11 de março de 2022. (Foto de Yuriy Dyachyshyn / AFP)
Mulheres com filhos pequenos fugindo da invasão russa da Ucrânia se instalam na estação de trem da cidade ucraniana ocidental de Lviv em 11 de março de 2022. (Foto de Yuriy Dyachyshyn / AFP)
Trem com refugiados vindos da Ucrânia através da Moldávia chegou a Bucareste (EPA/ROBERT GHEMENT)
Trem com refugiados vindos da Ucrânia através da Moldávia chegou a Bucareste (EPA/ROBERT GHEMENT)
Antes de partir para Kiev, soldado despede-se da namorada na estação de Lviv (Photo by Aleksey Filippov / AFP)
Antes de partir para Kiev, soldado despede-se da namorada na estação de Lviv (Photo by Aleksey Filippov / AFP)
Militares carregam um caixão durante os funerais de Dmytro Kotenko, Vasyl Vyshyvany e Kyrylo Moroz, militares ucranianos mortos durante a invasão russa da Ucrânia, no cemitério Lychakiv, na cidade ucraniana ocidental de Lviv, em 9 de março de 2022. (Foto de Yuriy Dyachyshyn / AFP)
Militares carregam um caixão durante os funerais de Dmytro Kotenko, Vasyl Vyshyvany e Kyrylo Moroz, militares ucranianos mortos durante a invasão russa da Ucrânia, no cemitério Lychakiv, na cidade ucraniana ocidental de Lviv, em 9 de março de 2022. (Foto de Yuriy Dyachyshyn / AFP)
Criança em meio a uma multidão na estação ferroviária central da principal cidade portuária de Odessa, que permanece sob controle ucraniano e até agora foi poupada de combates. (Foto por BULENT KILIC/AFP)]
Criança em meio a uma multidão na estação ferroviária central da principal cidade portuária de Odessa, que permanece sob controle ucraniano e até agora foi poupada de combates. (Foto por BULENT KILIC/AFP)]
Pessoas esperam ser evacuadas na estação ferroviária central da principal cidade portuária de Odessa, que permanece sob controle ucraniano e até agora foi poupada de combates. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Pessoas esperam ser evacuadas na estação ferroviária central da principal cidade portuária de Odessa, que permanece sob controle ucraniano e até agora foi poupada de combates. (Foto por BULENT KILIC/AFP)
Hospital infantil em Mariupol após ataque russo
Hospital infantil em Mariupol após ataque russo
Uma criança com seu cachorro espera seu transporte em uma tenda da OIM depois de cruzar a fronteira ucraniana-polonesa em Medyka, sudeste da Polônia, em 9 de março de 2022. (Photo by Louisa GOULIAMAKI / AFP)
Uma criança com seu cachorro espera seu transporte em uma tenda da OIM depois de cruzar a fronteira ucraniana-polonesa em Medyka, sudeste da Polônia, em 9 de março de 2022.  (Photo by Louisa GOULIAMAKI / AFP)
Um membro das Forças de Defesa Territoriais da Ucrânia observa as destruições após um bombardeio na segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv. (Photo by Sergey BOBOK / AFP)
Um membro das Forças de Defesa Territoriais da Ucrânia observa as destruições após um bombardeio na segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv. (Photo by Sergey BOBOK / AFP)
Militares carregam cruzes e caixões durante os funerais de Dmytro Kotenko, Vasyl Vyshyvany e Kyrylo Moroz, militares ucranianos mortos durante a invasão russa da Ucrânia, na cidade ucraniana ocidental de Lviv, em 9 de março de 2022. (Foto de Yuriy Dyachyshyn / AFP)
Militares carregam cruzes e caixões durante os funerais de Dmytro Kotenko, Vasyl Vyshyvany e Kyrylo Moroz, militares ucranianos mortos durante a invasão russa da Ucrânia, na cidade ucraniana ocidental de Lviv, em 9 de março de 2022. (Foto de Yuriy Dyachyshyn / AFP)
Fonte:vaticannews

MAPA DO SITE

ONDE ENCONTRAR

PRAÇA PADRE JOÃO JANSEN - S/Nº
CEP: 86730-000 - ASTORGA - PARANÁ

HORÁRIO DE ATENDIMENTO DA SECRETARIA

SEGUNDA À SEXTA-FEIRA, DAS 8H ÀS 19H, SÁBADO DAS 8H ÀS 18H.

(44) 3234 - 1350
SANTUÁRIOASTORGA@DIOCESEDEAPUCARANA. COM.BR