fbpx

Cardeal Turkson fala sobre Joe Biden, o aborto nos EUA e a Santa Eucaristia à HBO

O Cardeal ganês Peter Turkson rejeitou as alegações de que o Presidente Joe Biden deveria ter acesso negado à Sagrada Comunhão por causa de sua posição abertamente favorável ao aborto, em comentários a um noticiário americano no qual abordou tópicos como as vacinas contra a covid-19, o conflito no Afeganistão, e os abusos sexuais por parte do clero.

Turkson apareceu no programa de notícias Axios, do canal HBO, transmitido no dia 3 de outubro. O apresentador do programa, Mike Allen, citou o debate sobre se políticos pró-aborto como o presidente Joe Biden e perguntou se lhes dever ser negada a Sagrada Comunhão. Allen citou anonimamente um bispo que disse: “A Eucaristia está sendo instrumentalizada como uma arma”.

“A Eucaristia não deveria de forma alguma se tornar uma arma”, disse Turkson.

“Você tem alguma dúvida de que o Presidente Biden é um católico em boa situação?” perguntou Allen. “Ele deveria ser admitido à comunhão?”

Turkson respondeu: “Se você diz que alguém não pode receber a comunhão, você está basicamente fazendo um julgamento de que ela está em estado de pecado”.

“Parece que você não acha que isso deveria acontecer no caso do Presidente Biden”, disse o entrevistador.

“Não”, disse Turkson. “Você sabe, se você sabe, se um padre que está distribuindo a comunhão vê – inesperadamente alguém que ele saber ter cometido assassinato, ele tem que proteger a dignidade e o respeito dessa pessoa”.

“Então isto se aplica em casos extremos?”

“Sim. Isso, para casos extremos, está bem?” Turkson respondeu.

 

Turkson, que nasceu em Gana, é prefeito do Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral.

Os debates sobre a recepção da Sagrada Comunhão pelos defensores do aborto são de certa forma peculiares ao contexto político americano, onde muitos políticos se apresentam como católicos devotos, mas também apoiam o aborto legalizado. Em outros lugares do mundo, tais líderes políticos são muito menos comuns.

O cânon 915 do Código de Direito Canônico da Igreja afirma que os católicos “obstinadamente perseverantes em pecado grave manifesto não devem ser admitidos à santa comunhão”. O então cardeal Joseph Ratzinger, em um memorando de 2004 aos bispos americanos quando era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, disse que os políticos católicos que estão “consistentemente fazendo campanha e votando por leis que promovem o aborto e a eutanásia” são considerados como pessoas que cooperam formalmente no grave pecado do aborto, e de forma “manifesta”.

Em tais casos, disse Ratzinger, o pároco destes políticos deve reunir-se com ele e admoestá-los, instruindo-os que não podem receber a comunhão. Se os políticos persistirem em sua defesa do aborto, o ministro da Comunhão “deve se recusar a distribuí-la”, disse.

Os bispos americanos votaram em junho para redigir uma declaração formal sobre o significado da Eucaristia na Igreja. Eles citaram a falta de compreensão entre os católicos sobre os ensinamentos da Igreja e sobre o valor de receber a Sagrada Comunhão, e algumas discussões levantaram a questão dos proeminentes direitos pró-aborto dos políticos católicos.

Em junho, o Deputado americano Ted Lieu (D-Calif.), desafiou em sua conta de Twitter os bispos americanos negar-lhe a Sagrada Comunhão devido ao seu apoio à contracepção, ao aborto legal e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. O Partido Democrata se tornou fortemente pró-aborto nas últimas décadas e as tensões aumentaram à medida que a Suprema Corte, dominada pelos republicanos, parece estar pronta para mudar os precedentes que permitem o aborto legal em todo o país.

Os outros comentários de Turkson discutiram a falta de ação nos esforços de desenvolvimento global.

“Nós falamos mais do que fazemos. Falamos muito, e fazemos muito pouco”, disse ele no programa Axios. “Algum presidente, algum chefe de estado, diz: ‘Quando eu for eleito, todos os parlamentares do meu país usarão um carro elétrico’. Isso não acontece”.

A Igreja tenta levar as pessoas à ação através de “apelo e encorajamento”, disse ele, acrescentando: “Vamos tentar levar o grito dos pobres e o grito da Terra até lá”.

Sobre a questão da distribuição de vacinas, Turkson observou que Biden está tentando cumprir as promessas de vacinar um grande número de americanos. Reuniões globais como as conferências do G7 e G20 testemunharam “muitas promessas” sobre quantas doses de vacinas seriam disponibilizadas para a África e outros países.

Enquanto ele concordou que os países ricos podem e precisam fazer mais, ele disse: “Eu basicamente gostaria de encorajar chefes-de-estado e líderes na África a explorar também terapias tradicionais para isso”.

“Se os chefes de estado locais promoverem a medicação natural local, nossa dependência não será 100% das vacinas”, acrescentando que “é preciso diversificar nossas terapias”.

Quando o anfitrião perguntou a Turkson se ele duvidava que tomar a vacina, para a maioria das pessoas, era “sensato e útil”, Turkson respondeu: “Certamente, não”.

Allen mencinou a doutrina católica sobre a ordenação das mulheres como uma questão de direitos. Turkson disse a Allen que ele nunca teve uma “luta pessoal” com o ensinamento católico sobre este ponto.

“Isso é uma questão de direitos? Nem mesmo os homens que são ordenados consideram isso como um direito”.

Sobre a questão do abuso sexual, o cardeal disse que todos os jovens que entram no seminário e nos conventos são “produtos de uma sociedade”.

“Não estou culpando a sociedade pelo crime”, disse ele, acrescentando que não é necessário esquecer “os fatores que influenciam a vida das pessoas que chegam a se tornar sacerdotes”.

“Eles vêm de certas origens, e não sabemos o que os contaminou a partir dessas origens”, disse o cardeal. Alguns podem ser vítimas de abusos.

Ele defendeu esforços para assegurar que o caráter dos possíveis candidatos ao sacerdócio seja plenamente desenvolvido e conhecido antes de serem ordenados e demostrem tendências abusivas “para o constrangimento da Igreja e de todos”.

Turkson, que é negro, discutiu o racismo. Ele disse: “Certamente a Igreja pode fazer mais”. Houve um tempo em que as instituições da Igreja possuíam escravos porque era coisa da época, por assim dizer”.

“O passado é passado”, disse ele, e endossou “a reparação que pode ser feita deve ser feita”. Também deve haver um apelo para a resolução “de não repetir erros passados”.

A entrevista mencionou também comentários sobre o conflito no Afeganistão, nos quais ele havia dito que nem todas as eventualidades foram levadas em conta. Ele disse que os Estados Unidos entraram no país como “vingança” e uma “postura de guerra” para aprisionar o “culpado”.

“Se os EUA tivessem ido primeiro sem sequer uma postura militante, mas para conversar, estaríamos vivendo agora com uma situação completamente diferente”, disse Turkson.

“Eu reconheço a complexidade da situação. Mas isto deve servir de lição para a diplomacia internacional”, disse ele, encorajando mais esforços para dialogar e buscar a reconciliação.

Fonte:ACI.digital

ONDE ENCONTRAR

PRAÇA PADRE JOÃO JANSEN - S/Nº
CEP: 86730-000 - ASTORGA - PARANÁ

HORÁRIO DE ATENDIMENTO DA SECRETARIA

SEGUNDA À SEXTA-FEIRA, DAS 8H ÀS 19H, SÁBADO DAS 8H ÀS 18H.

(44) 3234 - 1350
SANTUÁRIOASTORGA@DIOCESEDEAPUCARANA. COM.BR