fbpx

Cardeal Parolin: lamento a perda da fé e da razão na Europa

O Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, expressou em entrevista sua preocupação com a perda de fé e razão na Europa; Ele também falou sobre sua relação com o Papa Francisco, seu papel na diplomacia pontifícia e outras questões.

“Lamento muito a perda de fé em nossa Europa, em nossa cultura, em nossos países, e por essas mudanças antropológicas que estão levando à perda da identidade da pessoa humana. Antes da perda de fé, eu diria que é uma perda de razão”, disse o cardeal Parolin, em referência à lei de eutanásia aprovada na Espanha há algumas semanas.

“Por quê? O Papa diz tantas vezes. Fiquei muito chocado. Diz, por exemplo: a questão do aborto não é uma questão religiosa. É certamente também para nós cristãos desde o início, desde os primeiros documentos da Igreja há uma rejeição total do aborto, mas é um argumento da razão. Provavelmente hoje, como disse Bento XVI, o problema fundamental é a razão, não a fé”, acrescentou em entrevista publicada na segunda-feira, 5 de abril, no COPE.

Sobre como essa situação pode ser revertida, ele disse que a fé deve ser transmitida novamente através de depoimentos.

“Temos que testemunhar nossa esperança, temos que testemunhar nossa caridade. Mas a linha é essa. Hoje nada pode ser imposto, mas oferecido a partir de uma testemunha coerente e convencida da vida cristã”, disse ele.

O Purpurado acredita que a situação atual pode ser comparada “com os primeiros séculos da Igreja, quando os apóstolos e os primeiros discípulos chegaram em uma sociedade que não tinha valores cristãos, mas através do testemunho das primeiras comunidades eles conseguiram mudar a mentalidade e introduzir os valores do evangelho na sociedade da época”.

“Acho que esse é o caminho que temos que fazer hoje ainda”, disse ele.

A proximidade do Papa Francisco

 

Durante a entrevista, o Cardeal Parolin também destacou a proximidade do Papa Francisco. “Quando você se aproxima” do Pontífice, percebe que é um homem simples, sem protocolos”, disse ele.

“O contato é imediato. Cuida muito bem da relação e da proximidade com as pessoas. Seu desejo é tornar a Igreja mais crível na proclamação do evangelho”, disse ele.

Ele também disse que ambos acreditam em uma Igreja que é comunhão e não uma espécie de assembleia democrática.

“Cristo orou pela unidade da Igreja, mas agora há razões para preocupar-nos. Eu pensei que o problema era provavelmente que o Papa colocasse muita ênfase na reforma da Igreja e há muita confusão sobre esta questão. A estrutura da Igreja é o depósito da fé, dos sacramentos e do ministério apostólico, e isso não pode ser mudado, mas há toda uma vida da Igreja que pode ser renovada, mas sempre de acordo com o espírito do Evangelho”, explicou.

Sua vida como Secretário de Estado do Vaticano

O Purpurado, que serviu por oito anos como Secretário de Estado da Santa Sé, observa que “aceitou com prazer” o cargo, e indicou que a diplomacia eclesiástica também é uma forma de exercer o sacerdócio.

“Ainda me sinto chamado para ser padre, um ministro do Senhor que trabalha na Igreja para almas. Existem diferentes maneiras de exercer o sacerdócio, e uma delas é a diplomacia eclesiástica que a Igreja ainda considera hoje como uma forma de exercer sua missão, então nunca encontrei uma contradição entre ser padre e diplomata”, disse na entrevista.

O Cardeal Parolin explicou que sua principal missão é “fortalecer os laços entre a Santa Sé e as igrejas locais”.

“Estamos a serviço da comunhão e também da defesa da liberdade da Igreja e da liberdade religiosa. Essa é a minha maneira de considerar a diplomacia”, disse ele.

Fonte:ACI.digital

ONDE ENCONTRAR

PRAÇA PADRE JOÃO JANSEN - S/Nº
CEP: 86730-000 - ASTORGA - PARANÁ

HORÁRIO DE ATENDIMENTO DA SECRETARIA

SEGUNDA À SEXTA-FEIRA, DAS 8H ÀS 19H, SÁBADO DAS 8H ÀS 18H.

(44) 3234 - 1350
SANTUÁRIOASTORGA@DIOCESEDEAPUCARANA. COM.BR