Santuário Astorga

Notícias

08 14 sao-maximiliano-kolbe

14 de Agosto – São Maximiliano Maria Kolbe

Posted on

Raimundo Kolbe nasceu em 1894, na Polônia, numa família operária que o introduziu no seguimento de Cristo e, mais tarde, ajudou-o entrar para a família franciscana, onde tomou o nome de Maximiliano Maria.

Ao ser mandado para terminar sua formação em Roma, Maximiliano, inspirado pelo seu desejo de conquistar o mundo inteiro a Cristo por meio de Maria Imaculada, fundou o movimento de apostolado mariano chamado ‘Milícia da Imaculada’. Como sacerdote foi professor, mas em busca de ensinar o caminho da salvação, empenhou-se no apostolado através da imprensa e pôde, assim, evangelizar em muitos países, isto sempre na obediência às autoridades, tanto assim que deixou o fecundo trabalho no Japão para assumir a direção de um grande convento franciscano na Polônia.

Com o início da Segunda Grande Guerra Mundial, a Polônia foi tomada por nazistas e, com isto, Frei Maximiliano foi preso duas vezes, sendo que a prisão definitiva, ocorrida em 1941, levou-o para Varsóvia, e posteriormente, para o campo de concentração em Auschwitz, onde no campo de extermínio heroicamente evangelizou com a vida e morte. Aconteceu que diante da fuga de um prisioneiro, dez pagariam com a morte, sendo que um, desesperadamente, caiu em prantos:

“Minha mulher, meus filhinhos! Não os tornarei a ver!”. Movido pelo amor que vence a morte, São Maximiliano Maria Kolbe dirigiu-se ao Oficial com a decisão própria de um mártir da caridade, ou seja, substituir o pai de família e ajudar a morrer os outros nove e, foi aceita, pois se identificou: “Sou um Padre Católico”.

A 10 de Outubro de 1982, o Papa João Paulo II canonizou este seu compatriota, já beatificado por Paulo VI em 1971.

São Maximiliano Maria Kolbe, rogai por nós!

 

fonte/texto: cancaonova.com

Liturgia – 14 de Agosto

Posted on

Evangelho (Mt 18,1-5.10.12-14): Naquela hora, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: «Quem é o maior no Reino dos Céus?». Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles e disse: «Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus. E quem acolher em meu nome uma criança como esta, estará acolhendo a mim mesmo. Cuidado! Não desprezeis um só destes pequenos! Eu vos digo que os seus anjos, no céu, contemplam sem cessar a face do meu Pai que está nos céus. Que vos parece? Se alguém tiver cem ovelhas, e uma delas se extraviar, não deixará as noventa e nove nos morros, para ir à procura daquela que se perdeu? E se ele a encontrar, em verdade vos digo, terá mais alegria por esta do que pelas noventa e nove que não se extraviaram. Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequenos».

«O Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequenos»

fonte/texto: evangeli.net

irmã-dulce

Igreja celebra hoje o Anjo Bom do Brasil, Bem-aventurada Dulce dos Pobres

Posted on

Neste dia 13 de agosto é celebrado o dia da Bem-aventurada Dulce dos Pobres, a religiosa baiana que dedicou sua vida ao serviço aos pobres e doentes e ainda hoje é conhecida como Anjo Bom do Brasil.

O 13 de agosto foi escolhido como o dia oficial da festa litúrgica da Beata porque foi nesta mesma data, em 1933, na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em Sergipe, que Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, aos 19 anos de idade, recebia o hábito de freira e adotava, em homenagem à sua mãe, o nome de Irmã Dulce.

Segunda filha do dentista Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes, a pequena Maria Rita nasceu em 26 de maio de 1914, na capital baiana.  Perdeu sua mãe aos sete anos de idade.

Desde cedo, começou a manifestar seu interesse pela vida religiosa. Aos 13 anos, passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, transformando a residência da família em um centro de atendimento. A casa ficou conhecida como ‘A Portaria de São Francisco’, devido ao grande número de carentes que se aglomeravam à sua porta. Nessa época, expressou pela primeira vez o desejo de se dedicar à vida religiosa.

Entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe, em fevereiro 1933, tendo recebido o hábito agosto do mesmo ano, quando passou a ser chamada Irmã Dulce.

Sempre com muita fé, amor e serviço, o Anjo Bom iniciou na década de 1930 um trabalho assistencial nas comunidades carentes, sobretudo nos Alagados, conjunto de palafitas que se consolidara na parte interna do bairro de Itapagipe, na capital baiana.

Em 1939, Irmã Dulce invadiu cinco casas na Ilha dos Ratos, para abrigar os doentes que recolhia nas ruas de Salvador. Expulsa do lugar, peregrinou durante uma década, levando os seus doentes por vários locais da cidade. Até que em 1949, ocupou um galinheiro ao lado do convento, após a autorização da sua superiora, com os primeiros 70 doentes.

Esta iniciativa deu início à criação das Obras Sociais Irmã Dulce, instituição considerada hoje um dos maiores complexos de saúde pública do país, com cerca de quatro milhões de atendimentos ambulatoriais por ano.

“Quando nenhum hospital quiser aceitar algum paciente, nós aceitaremos. Esta é a última porta e por isso eu não posso fechá-la”, disse Irmã Dulce.

Em 1988, foi indicada pelo então presidente da República, José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia, da Suécia, para o Prêmio Nobel da Paz.

A religiosa também teve dois grandes momentos de sua vida ao lado de São João Paulo II. Em 7 de julho de 1980, encontrou-se com o então Papa que visitava pela primeira vez o Brasil. Na ocasião, ouviu dele o incentivo para prosseguir com a sua obra.

Os dois voltaram a se encontrar em 20 de outubro de 1991, na segunda visita do Sumo Pontífice ao Brasil. João Paulo II fez questão de quebrar o rigor da sua agenda e foi ao Convento Santo Antônio visitar a religiosa baiana, cuja saúde já se encontrava bastante debilitada em função de problemas respiratórios.

Cinco meses depois, no dia 13 de março de 1992, o Anjo Bom da Bahia faleceu, aos 77 anos.

Em janeiro de 2000, teve início o processo de canonização de Irmã Dulce. Em 2010, a Congregação para a Causa dos Santos reconheceu a autenticidade de um milagre atribuído à religiosa. Trata-se do caso de Claudia Cristina dos Santos, ocorrido em Itabaiana, em Sergipe.

Após dar à luz seu filho, Gabriel, a mulher sofreu uma forte hemorragia, durante 18 horas, tendo sido submetida a três cirurgias. Diante da gravidade do quadro, os familiares chamaram Padre José Almí para ministrar a unção dos enfermos. O sacerdote decidiu fazer uma corrente de oração pedindo a intercessão de Irmã Dulce e deu a Cláudia uma pequena relíquia da Bem-Aventurada. A hemorragia cessou subitamente.

Irmã Dulce foi beatificada no dia 22 de maio de 2011. Para ser canonizada, é necessária a comprovação de mais um milagre atribuído à freira baiana, que tenha ocorrido após 11 de dezembro de 2010, data da promulgação do decreto papal sobre o primeiro milagre.

Fonte: www.acidigital.com

BelenManriqueEtiopia2018

Jovem bem-sucedida deixa tudo para evangelizar na Etiópia: Agora sou feliz de verdade

Posted on

Tinha tudo: sucesso profissional, dinheiro, amigos e uma boa família, mas mesmo assim não era totalmente feliz. É a experiência de Belén Manrique, uma jovem espanhola de 33 anos missionária na Etiópia, que deixou tudo para evangelizar neste país.

“Eu sempre digo que a missão não é nada entediante. É mil vezes melhor do que podemos imaginar. É uma vida cheia de surpresas, se você se coloca nas mãos do Senhor”, disse no começo da sua entrevista ao Grupo ACI durante uma visita a Roma.

“Vivo em Adis Abeba, capital da Etiópia, e a minha missão é testemunhar o amor de Deus onde Ele me pede, construir a igreja porque ali é muito pobre. A comunidade cristã é muito fraca, por isso é muito importante ajudar as pessoas a conhecerem Jesus Cristo”, explica.

Em relação à sua vocação, conta que “não estava satisfeita com a vida que levava, o plano que Deus tinha para mim era outro, e quando descobri que ele queria que eu levasse o amor de Deus às pessoas que não o conhecem, não hesitei, não foi difícil deixar o trabalho de jornalista, nem deixar Madri”.

Na Etiópia, o seu primeiro destino foi o deserto da Somália, “onde a maioria dos habitantes são muçulmanos”. “Percebi que era necessário que a Igreja chegasse lá para levar o Evangelho às pessoas que não o conhecem e necessitam dele, como todos nós necessitamos”.

A jovem jornalista pertence ao Caminho Neocatecumenal. “Graças a este crescimento na fé, eu me encontrei com Jesus Cristo e percebi que é o único que traz felicidade ao homem. Foi onde eu encontrei a missão que o Senhor tinha pensado para mim”.

“A Etiópia é 50% muçulmana e 50% cristã, mas os cristãos ortodoxos são maioria. A Igreja Católica não chega nem a 1% da população”, explica Belén sobre a realidade religiosa do país.

“Estamos construindo uma missio ad gentes nos arredores de Adis Abeba, em um bairro onde a Igreja Católica não está presente. Além dos ortodoxos há muitos protestantes”.

Além disso, sublinha que “não se trata de ganhar seguidores, mas de ser testemunhas e fazer com que Jesus Cristo seja conhecido”.

“Quando digo na Etiópia que não estou casada e que de alguma maneira estou ‘comprometida’ com Jesus Cristo, e que deixei meu trabalho e a minha família pela missão, eles riem e não acreditam, não conseguem entender isso. Também se surpreendem de ver uma menina jovem, sem hábito religioso que diga estas coisas”.

“Recentemente, um menino me perguntou: ‘É possível ser católico sem ser religiosa ou sacerdote?’. A maioria dos católicos que chegaram à Etiópia são religiosas e sacerdotes e eles têm esse pensamento”.

Também há muitos os etíopes que deixam sua terra em busca de um futuro melhor. Belén detalha que “há dois tipos de imigrantes: os que fogem da guerra ou da falta de paz em seu país e outros que querem chegar, por exemplo à Europa, seduzidos pelo que veem na televisão, pela imagem que eles criam para si do que é este mundo que aparentemente é algo maravilhoso, perfeito, de luxos. Eles têm uma vida precária, muito dura, na qual trabalham muito”.

“Cada vez mais abandonam o mundo rural para viver na capital, buscando assim melhorar. Todos os dias há alguém que me pede que o leve ao meu país e eu digo que quem não vai regressar ao seu país sou eu. Conto que eu vivia nesse mundo idílico ao qual eles querem ir e renunciei a ele. Explico que as riquezas não dão felicidade, que eu tinha tudo isso que eles desejam e não me dava a felicidade. Sou muito mais feliz, porque quem dá a felicidade é Deus e o amor ao próximo”.

Fonte: www.acidigital.com

familia-pixabay050818

Começa hoje no Brasil a Semana Nacional da Família

Posted on

Neste domingo do Dia dos Pais, tem início no Brasil a Semana Nacional da Família, que neste ano tem como tema “O Evangelho da Família, alegria para o mundo” e busca valorizar a instituição familiar.

A Semana Nacional da Família é promovida pela Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) e Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Trata-se de um evento anual, que já faz parte do calendário das diversas dioceses e paroquias do país.

Esta iniciativa teve início em 1992, como resposta ao desejo de se fazer alguma coisa em defesa e promoção da família, cujos valores vêm sendo agredidos sistematicamente na sociedade. Escolheu-se, para isso, a semana seguinte ao dia dos pais, no mês de agosto, por ser o mês vocacional.

Em recente artigo sobre a Semana Nacional da Família, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, sublinhou que “observamos os muitos ataques que se faz contra a instituição familiar (e temos visto muitos) e nós cristãos temos que lutar contra e, ao mesmo tempo apresentar a beleza da proposta de deus para o homem e a mulher”.

Segundo o Purpurado, “ao viver a Semana Nacional da Família, após a comemoração do Dia dos Pais, somos chamados a trabalhar juntos”, a fim de “propor ao mundo a verdadeira face cristã da família”.

“Que nesta semana especial possa ser ainda mais aprofundado ‘O Evangelho da família’ que é alegria para o mundo e isso porque é sacramento; porque é vida nova doada por Cristo segundo o projeto de Deus, porque tem posição privilegiada na missão da Igreja uma vez que testemunha o amor de Cristo e da Igreja no meio da sociedade e, por fim, é uma instituição da qual todos os católicos são responsáveis em acompanhar e sustentar”, assinalou.

Por sua vez, o Arcebispo de Passo Fundo (RS), Dom Rodolfo Luís Weber, destacou que “a Semana da Família proclama o valor inviolável das famílias e sua nobre missão de gerar, educar, proteger, confortar e cuidar da vida desde a concepção até a morte natural”.

Conforme explicou, a família é “lugar especial para exercitar o amor, como ensina a primeira carta aos Coríntios 13,4-8: ‘O amor é paciente, o amor é prestativo; não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho. Nada faz de inconveniente, não procura seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará’”.

Para incentivar os fiéis a viverem esta semana, foi preparado o subsídio “Hora da Família”, que apresenta reflexão sobre temas familiares, roteiros de orações e cantos para motivar a celebração, incentivando a participação da comunidade para o encontro. Também traz estudos sobre os valores e ensinamentos cristãos ligados à vida e a família.

O material é inspirado na exortação apostólica do Papa Francisco Amoris Laetitia, documento em que “há um rio de sabedoria e humanidade ainda ausentes no nosso dia a dia familiar, aquilo que a Exortação do Papa Francisco chamou de Alegria do Amor”, como explicou o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB e Bispo de Osasco (SP), Dom João Bosco Barbosa de Sousa.

Fonte: www.acidigital.com

cq5dam.thumbnail.cropped.750.422

Papa exorta jovens a serem protagonistas no bem, “não basta não fazer o mal”

Posted on

90 mil segundo a Gendarmaria Vaticana, era o número de fiéis presentes na Praça São Pedro e Via da Conciliação na manhã deste domingo, na Missa conclusiva da iniciativa “Por mil estradas rumo a Roma”, em preparação ao Sínodo de outubro sobre os jovens.

A celebração foi presidida pelo cardeal Gualtiero Bassetti, presidente da Conferência Episcopal Italiana e concelebrada por 120 bispos das diversas dioceses de proveniência dos 70 mil jovens, que já no início de agosto botaram o pé na estrada partindo de diversas localidades italianas – dos Alpes às Pirâmides, como disse o cardeal Bassetti ao agradecer ao Santo Padre – para viver estes dois dias de espiritualidade e partilha em Roma.

O Papa Francisco já os havia encontrado no Circo Máximo no final da tarde de sábado. E neste domingo, rezou o Angelus com eles após a Missa, abençoando a Cruz de São Damião e uma imagem de Nossa Senhora de Loreto, símbolos da JMJ que serão doados à diocese que organiza a JMJ 2019, uma prática que teve início já em 1987, em Buenos Aires.

Desde cedo os jovens formavam longas filas para passar pelos controles de segurança. Ao final a Missa aumentaram as expectativas pela chegada do Papa Francisco que entrou na Praça São Pedro com o papamóvel às 11h24, ultrapassando os seus limites para chegar à Via da Conciliação. Jovens jogavam bonés, lenços, camisetas que, quando Francisco conseguia segurá-los, os atirava de volta retribuindo o gesto com um sorriso.

Fazia 31°C na Praça São Pedro, mas a sensação térmica era bem maior. Os bombeiros do Vaticano refrescavam a multidão com jatos de água, a exemplo do que já havia ocorrido no encontro internacional dos coroinhas.  Embalados pelo calor e por canções religiosas italianas, o clima na Praça era contemporaneamente de festa e comoção.

 

O Angelus

“É bom não fazer o mal, mas é mal não fazer o bem”. Uma frase que os jovens foram convidados a repetir diversas vezes durante a alocução do Santo Padre, que inspirou-se no convite de São Paulo a não entristecermos o Espírito Santo com que fomos marcados por Deus no dia de nosso Batismo.

“Mas eu me pergunto: como se entristece o Espírito Santo? Todos nós o recebemos no Batismo e na Crisma, portanto, para não entristecer o Espírito Santo, é necessário viver de uma maneira coerente com as promessas do Batismo, renovadas na Crisma. De maneira coerente, não com hipocrisia: não esqueçam disso! O cristão não pode ser hipócrita: ele deve viver de maneira coerente. As promessas do Batismo têm dois aspectos: renúncia ao mal e adesão ao bem”.

Renunciar ao mal – explicou o Papa – significa dizer “não” às tentações, ao pecado, a satanás, mas mais concretamente,  “significa dizer “não” a uma cultura da morte, que se manifesta na fuga do real para uma falsa felicidade que se expressa nas mentiras, na fraude, na injustiça, no desprezo do outro. Para tudo isso, “não””:

“A vida nova que nos é dada no Batismo, e que tem como fonte o Espírito, rejeita um comportamento dominado por sentimentos de divisão e discórdia. Por isso que o apóstolo Paulo exorta a remover do seu coração “toda aspereza, desdém, ira, gritaria e insultos com todo tipo de maldade”. Isto é o que Paulo diz. Esses seis elementos ou vícios – desdém, ira, gritaria, maledicência e todo tipo de maldade – que perturbam a alegria do Espírito, envenenam o coração e levam a praguejar contra Deus e o próximo”.

 

Não basta não fazer o mal, é preciso fazer o bem

O Papa insiste que para ser bom cristão, não basta não fazer o mal, mas “é preciso aderir ao bem e fazer o bem”:

“Muitas vezes acontece de ouvir alguns que dizem: “Eu não faço mal a ninguém”. E acredita-se ser um santo. Não. Ok, mas você faz o bem? Quantas pessoas não fazem o mal, mas nem mesmo o bem, e sua vida acaba na indiferença, na apatia, na tibiez. Essa atitude é contrária ao Evangelho, e também é contrária ao caráter de vocês jovens, que por natureza são dinâmicos, apaixonados e corajosos”.

Francisco então, convida os jovens a repetirem juntos que “é bom não fazer o mal, mas é mal não fazer o bem”, uma frase que São Alberto Hurtado SJ costumava dizer.

 

Protagonistas no bem

Os jovens por fim, são exortados pelo Papa a serem “protagonistas no bem”:

“Não se sintam bem quando vocês não fazem o mal, não: não é suficiente; cada um é culpado pelo bem que poderia ter feito e não fez. Não basta não odiar, é preciso perdoar; não basta não ter rancor, devemos orar pelos inimigos; não basta não ser causa de divisão, é preciso levar a paz onde ela não existe; não basta não falar mal dos outros, é preciso interromper quando ouvimos falando mal de alguém. Parar as fofocas: isso é fazer o bem. Se não nos opomos ao mal, nós o alimentamos calando. É necessário intervir onde o mal se espalha; porque o mal se espalha onde não há cristãos ousados que se opõem com o bem, “caminhando na caridade”, segundo a advertência de São Paulo”.

Recordando que o muito que caminharam nestes dias os deixou em boa forma, Francisco exortou os jovens a caminharem na caridade, caminharem no amor:

“E caminhemos juntos rumo ao próximo Sínodo dos Bispos. Que a Virgem Maria nos sustente com sua intercessão materna, para que cada um de nós, a cada dia, com os fatos, possa dizer “não” ao mal e “sim” ao bem”.

Fonte: www.vaticannews.va

uiop

Papa: grandes sonhos precisam de Deus para não se tornarem miragens

Posted on

“Por mil estradas rumo a Roma”: Desde o início da tarde deste sábado, 11,  mesmo com o forte calor, milhares de jovens italianos começaram a chegar ao Circo Máximo, em Roma, para a Vigília e o encontro com o Papa Francisco, que deixou o Vaticano às 18 horas. Mas as atividades tiveram início já às 16h30, com as boas-vindas e a animação com Christian Music (The Sun). O Papa passou de papamóvel entre a multidão e depois, no palco, respondeu às perguntas de alguns jovens. (O texto não contém as improvisações do Santo Padre):

A Primeira pergunta, foi feita por dois jovens: Letizia, 23 anos e Lucamatteu, 21. Eles expressam dois aspectos da mesma busca: a construção da própria identidade e dos próprios sonhos:

Letizia:

Caro Papa Francisco, sou Letizia, tenho 23 anos e estou estudando na universidade. Eu gostaria de dizer ao senhor uma palavra sobre nossos sonhos e como vemos o futuro. Quando eu tive que realizar a importante escolha do que fazer no final do V superior, eu estava com medo de confiar no que eu realmente sonhava em querer me tornar, porque isso teria significado descobrir-se completamente aos olhos dos outros e de mim mesma.

Decidi confiar na opinião de alguns adultos que eu admirava pela profissão e pelas escolhas. Dirigi-me para o professor que mais estimava, o prof. de Artes, aquele que ensinava as coisas para mim mais apaixonantes. Eu disse a ele que queria seguir seu caminho, ser como ele. E eu escutei uma resposta que agora já não era mais como uma vez, que os tempos mudaram, que havia uma crise, que eu não encontraria trabalho e que deveria escolher um campo de estudos que respondesse melhor às exigência do mercado. “Escolha economia”, ele me disse. Eu senti uma grande decepção; senti-me traída no sonho que lhe havia confiado, quando, em vez disso, eu procurava um encorajamento justamente daquela figura que eu queria imitar. No final, escolhi o meu caminho, escolhi seguir a minha paixão e estudo Arte.

Em vez disso, um dia, em um oratório onde sou educadora, uma das minhas alunas  me disse para ter confiança em mim, para estimar as minhas escolhas. Ela me disse que eu representava quase um modelo para ela e que ela gostaria de fazer o que eu fazia.

Foi alí, naquele momento, que decidi conscientemente que assumiria todo o compromisso de ser educadora: não teria sido aquele adulto traidor e desapontador, mas teria dado tempo e energia, com todos os encargos que isso poderia acarretar, porque uma pessoa confiou em mim.

Luccamatteo:

Santo Padre, quando olhamos para o nosso futuro, estamos acostumados a imaginá-lo tingido de cores cinzentas, escuras e ameaçadoras. Para lhe dizer a verdade, para, parece que vejo um diapositivo branco, onde não há nada …

Às vezes eu tentei desenhá-lo, meu futuro. Mas no final vejo algo que não me satisfaz. Eu tento explicar a mim mesmo: acho que somos nós que o desenhamos, mas muitas vezes acontece que partimos de um grande projeto, uma espécie de grande afresco ao qual, apesar de nós mesmos, tiramos pouco a pouco alguns detalhes. O resultado é que os projetos e os sonhos, por medo dos outros e de seu julgamento, acabam sendo menores do que eram no início. E acima de tudo, acabam criando algo que nem sempre gosto …

Papa Francisco:

Os sonhos são importantes. Eles mantêm o nosso olhar amplo, ajudam-nos a abraçar o horizonte, a cultivar a esperança em todas as ações diárias. E os sonhos dos jovens são os mais importantes de todos, são as estrelas mais luminosas, aquelas que indicam um caminho diferente para a humanidade. Assim, queridos jovens, vocês têm em seu coração estas estrelas brilhantes que são seus sonhos: elas são sua responsabilidade e seu tesouro. Façam que que sejam também o seu futuro!

É claro, os sonhos precisam crescer, são purificados, colocados à prova e também compartilhados. Mas vocês nunca se perguntaram de onde vêm os sonhos de vocês? Eles nasceram assistindo televisão? Ouvindo um amigo? Sonhando com os olhos abertos? Eles são grandes sonhos ou sonhos pequenos,  miseráveis, que se contentam com o mínimo possível?

A Bíblia nos diz que os grandes sonhos são aqueles capazes de serem fecundos, de semear paz e fraternidade, eis que estes são sonhos grandes, porque pensam em todos com o NÓS. Os grandes sonhos incluem, envolvem, são extrovertidos, compartilham, geram nova vida. E os grandes sonhos, para permanecer como tal, têm necessidade de uma fonte inesgotável de esperança, de um Infinito que sopra dentro e os expanda. Grandes sonhos precisam de Deus para não se tornarem miragens ou delírio de onipotência.

Você sabem? Os sonhos dos jovens assustam um pouco os adultos. Talvez porque eles tenham parado de sonhar e de arriscar, talvez porque os sonhos de vocês minam suas escolhas de vida. Mas vocês, não deixem que roubem seus sonhos. Procurem bons professores capazes de ajudá-los a compreendê-los e torná-los concretos em gradualidade e na serenidade. Sejam por sua vez bons mestres, mestres de esperança e de confiança para as novas gerações que estão no encalço de vocês. O que vocês receberam gratuitamente, coloquem de volta para circular, restituam isso enriquecido com a paixão e inteligência de vocês. A vida não é uma loteria em que apenas os sortudos podem realizar seus sonhos. A vida é um desafio em que se vence realmente quando se vence juntos, se não se esmaga o outro, se ninguém é excluído.

O santo Papa João XXIII dizia: “Eu nunca conheci um pessimista que tenha concluído algo de bom” (entrevista de Sergio Zavoli a Monsenhor Capovilla, em Jesus, 6, 2000). Aqui está. Mantenham um olhar positivo e abençoado nestes tempos e nos futuros. Não tenham medo, as dificuldades sempre existiram para todas as geração e cada geração tem a tarefa de superá-las e torná-las oportunidades de bem.

A segunda pergunta é proposta por Martina, 24 anos, e diz respeito ao discernimento na vida e a ideia de compromisso e responsabilidade em relação ao mundo que os jovens estão fazendo neste tempo

Santo Padre, eu sou Martina, tenho 24 anos. Algum tempo atrás, um professor me fez refletir sobre como a nossa geração não é capaz nem mesmo de escolher um programa na TV, muito menos se envolver em um relacionamento para toda a vida …

Na verdade, acho difícil dizer que estas namorando. Pelo contrário, prefiro dizer “fiquei”: é mais simples! Envolve menos responsabilidades, pelo menos aos olhos dos outros!

No fundo, porém, sinto fortemente que quero comprometer-me em projetar e construir desde agora uma vida juntos.

Então, eu me pergunto: por que o desejo de tecer relações autênticas, o sonho de formar uma família, são considerados menos importantes do que os outros e devem ser subordinados a seguir uma realização profissional? Eu percebo que os adultos esperam isso de mim: que antes tenha uma profissão, depois você começa a ser uma “pessoa”.

Temos necessidade de adultos para nos recordem como é lindo sonhar a dois! Precisamos de adultos que sejam pacientes no estar perto de nós e assim nos ensinem a paciência de estar ao lado; que nos escutem em profundidade e nos ensinem a ouvir, em vez de sempre ter razão!

Temos necessidade de pontos de referência, apaixonados e solidários.

Você não acha que as figuras de adultos verdadeiramente estimulantes são raras no horizonte? Por que os adultos estão perdendo seu senso de sociedade, de ajuda mútua, de compromisso com o mundo e nas relações? Por que isso às vezes acontece também aos padres e educadores?

Eu acredito que sempre vale a pena ser mães, pais, amigos, irmãos … por toda a vida! E eu não quero deixar de acreditar nisto!

Papa Francisco

Escolher, ser capaz de decidir por si mesmo parece ser a mais alta expressão de liberdade. E de certo modo o é. Mas a ideia de escolha que respiramos hoje é uma ideia de liberdade sem vínculos, sem compromissos e sempre com alguma via de fuga: “Eu escolho, no entanto …”. Há sempre um “porém”, que às vezes se torna maior que a escolha e a sufoca. É assim que a liberdade desmorona e não mantém mais suas promessas de vida e felicidade. E então concluímos que também a liberdade é um engano e que a felicidade não existe.

A liberdade de cada um é um grande presente, que não admite meias medidas. Mas como todo dom é para ser acolhido, e nós o recebemos na medida em que abrimos a mente, o coração, a vida … Com os “mas, boh, talvez, eu não sei …”, simplesmente o recusamos, e isso prova não termos entendido do que se trata e o quanto é importante. Claro, dizer “sim” pode provocar medo, causar ansiedade, encher sua cabeça com pensamentos negativos.

Vocês sabiam que mesmo nos tempos de Jesus havia ansiedade? Não é uma invenção tão recente. Aos seus discípulos, ele diz claramente: “Não busquem ansiosamente” (cf. Lc 12,29), tenham fé! Tenham confiança! Distingam o que é importante do que não é: sejam sábios. E acrescenta: ” “Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração” (Lc 12:34).

Então devemos nos perguntar: onde está meu tesouro? Onde está a coisa que considero mais preciosa? Não muitas quinquilharias, mas a única pérola preciosa. Onde? Eis que essa é a fonte da minha alegria, é o lugar onde meu coração encontra casa, pelo qual vale a pena dizer “sim” e gastar sua vida. Deve ser realmente algo de imenso para valer assim tanto!

Então, amigos, entendam que a escolha do casamento, de formar uma família, ou a escolha de dedicar-se a Deus e aos irmãos na consagração é uma questão de ter encontrado este tesouro, o mais precioso. E agir de acordo. Porque é o Senhor que escondeu esse tesouro em sua vida para abençoá-la e torná-la frutífera. A escolha pelo tesouro significa escolher o caminho da gratidão e do reconhecimento, o caminho das bem-aventuranças.

Terceira pergunta é proposta por Dario, 27 anos, e diz respeito ao tema da fé e da busca de sentido.

Santo Padre, meu nome é Dario, tenho 27 anos e sou enfermeiro em cuidados paliativos.

Na vida são raros os momentos em que me confronto com a fé e nestas vezes entendi que as dúvidas superam as certezas, as perguntas que faço têm respostas pouco concretas e que eu não posso tocar com a mão, às vezes penso até mesmo que as respostas não são plausíveis.

Percebo que deveríamos empregar mais tempo nisto: é tão difícil em meio às muitas coisas que fazemos todos os dias … E não é fácil encontrar um guia que tenha tempo para o debate e a busca.

E depois existem as grandes perguntas: como é possível que um Deus grande e bom (assim me disseram dele) permite as injustiças no mundo? Por que os pobres e os marginalizados têm que sofrer tanto? Meu trabalho me coloca diariamente diante da morte e ver jovens mães ou pais de família abandonarem seus próprios filhos me faz perguntar: por que permitir isso?

A Igreja, mensageira da Palavra de Deus na terra, parece cada vez mais distante e fechada em seus rituais. Para os jovens, as “imposições” de cima já não são suficientes, precisamos de provas e de um testemunho sincero da Igreja que nos acompanhe e nos escute pelas dúvidas que a nossa geração coloca todos os dias. As glórias inúteis e os frequentes escândalos tornam a  Igreja pouco credível aos nossos olhos.

Santo Padre, com que olhos podemos reler tudo isso?

Papa Francisco

Na oração do Pai Nosso, há um pedido: “Não nos induza à tentação”. Esta tradução italiana foi alterada recentemente, porque poderia parecer ambígua. Pode Deus Pai “nos induzir” à tentação? Ele pode enganar seus filhos? Claro que não. De fato, uma tradução mais apropriada é: «Não nos abandone à tentação». Nos impeça de fazer o mal, liberte-nos dos maus pensamentos … Às vezes as palavras, mesmo que falem de Deus, traem sua mensagem de amor. Às vezes somos nós que traímos o Evangelho.

Devemos nos escandalizar? Claro que podemos. Mas para que serve nos escandalizar-nos? Para se distanciar? Para se sentir melhor? Para decidir sair? Como se o rosto de uma Igreja autêntica não dependesse de cada um de nós, de cada batizado. O testemunho de fé e caridade entre os irmãos deve ser recíproco, circular, não haver alguém que testemunha e os outros fiquem assistindo, caso contrário, julgaremos a Igreja pelas notícias que passam na mídia e nos esquecemos quantas pequenas e escondidas obras de bem realizam os cristãos em nome do Senhor.

A Igreja não é só o Papa, bispos, os sacerdotes, mas todos os batizados, e cada um é convidado a torná-la mais rica de amor, mais capaz de comunhão, menos apegada às coisas terrenas. Se vocês, jovens, não participam da vida da Igreja, se não aceitam a mensagem do Evangelho, a Igreja fica mais pobre, perde a vitalidade! A beleza e a autenticidade da Igreja depende também de vocês. Os instrumentos para ouvir e compreender as boas palavras do Evangelho não faltam. Certamente cabe a vocês encontrar tempo, envolver-se nessa sabedoria repleta de doçura e de luz, mas também a mais subversiva que existe. Não se acredita se não acreditando, assim como não se ama se não amando.

Qual é o segredo? A oração É o diálogo com o Pai que dá alento à mente e ao coração. É na oração que as perguntas e súplicas de vocês encontrarão as palavras certas para subir ao céu. Então, mesmo diante do mal, da dor e da morte, vocês terão a força no Espírito Santo para acolher o mistério da vida e não perder a esperança”.

Após a terceira pergunta, uma jovem que perdeu a mobilidade de suas pernas foi levada ao palco. Com a ajuda de outra mulher (invisível aos olhos do público), ela executou uma pequena dança, dando a impressão de estar sentada. No final, ela foi ajudada a se levantar e sentar em uma cadeira de rodas. Um microfone foi levado a ela, que deixou uma breve mensagem de esperança. O Papa  a saudou, sem acrescentar comentários e a Vigília de Oração então teve início.

Fonte: www.vaticannews.va

08 13 Santos Ponciano e Hipólito

13 de Agosto – Santos Ponciano e Hipólito

Posted on

Ponciano foi zeloso Papa da Igreja de Cristo, eleito em 230, enquanto Hipólito, um fecundo escritor e orador.

Aconteceu que, naquele tempo, rompeu um cisma na Igreja, onde Hipólito defendia um tal rigorismo que os adúlteros, fornicadores e apóstatas não mereceriam perdão, mesmo diante de arrependimento. Ponciano, o Papa da Misericórdia, não concordava com este duro princípio e nem outras reflexíveis cheias de boa fé, porém que não revelavam o coração do Pai, o qual escolheu a Igreja como instrumento deste amor que perdoa e salva.

Ponciano, que confirmava a fé nos cristãos, diante do clima de perseguição criado pelo imperador Maximiano, foi denunciado e, por isso, preferiu prudentemente renunciar ao serviço de Papa, visando o bem da Igreja e acolheu o exílio. Na ilha da Sardenha encontrou exilado também o sacerdote Hipólito e, em meio aos trabalhos forçados, se reconciliaram, sendo que Hipólito renunciou aos seus erros, antes de colherem em 235 o “passaporte” do Céu, ou seja o martírio.

Santos Ponciano e Hipólito, rogai por nós!

 

fonte/texto: cancaonova.com

Liturgia – 13 de Agosto

Posted on

Evangelho (Mt 17,22-27): Quando estava reunido com os discípulos na Galiléia, Jesus lhes disse: «O Filho do Homem vai ser entregue às mãos dos homens, e eles o matarão, mas no terceiro dia ressuscitará». E os discípulos ficaram extremamente tristes.

Quando chegaram a Cafarnaum, os que cobravam o imposto do templo aproximaram-se de Pedro e perguntaram: «O vosso mestre não paga o imposto do templo?». Pedro respondeu: «Paga, sim!». Ao entrar em casa, Jesus adiantou-se e perguntou: «Simão, que te parece: os reis da terra cobram impostos ou tributos de quem, do próprio povo ou dos estranhos?». Ele respondeu: «Dos estranhos!» — «Logo os filhos estão isentos», retrucou Jesus, «mas, para não escandalizar essa gente, vai até o lago, lança o anzol e abre a boca do primeiro peixe que pescares. Ali encontrarás uma moeda valendo duas vezes o imposto; pega-a e entrega a eles por mim e por ti».

«Quando estava reunido com os discípulos na Galiléia»

fonte/texto: evangeli.net

08 12 São João Berchmans

12 de Agosto – São João Berchmans

Posted on

Hoje, lembramos o jovem que viveu, durante apenas vinte e dois anos, numa total entrega e amor ao Cristo. São João Berchmans nasceu na Bélgica, em 1599, de família pobre, porém, rica na vida e nas virtudes cristãs.

Tocado pelo testemunho de paciência heróica da mãe diante da fatal enfermidade e, motivado pelo pai viúvo, o qual abraçou o Sacerdócio Católico, ele começou a estudar em um Colégio dos Jesuítas até entrar na Companhia. Ao ser encaminhado para os estudos de Filosofia e Teologia de Malines para Roma, João mostrou com a vida seu amor a Mãe de Deus lutando contra o pecado: “Antes, mil vezes morrer, do que cometer o mais leve pecado ou transgredir uma regra da Ordem”.

São João Berchmans que fez de sua vida comum sua maior penitência, pegou uma grave enfermidade a qual aceitou com alegria; por isso deitou-se no chão, em sinal de humildade e recebeu os últimos Sacramentos. Testemunha-se que – com o crucifixo, o livro da Regra e o terço apertados sobre o peito – disse: “São estes os meus três tesouros, em cuja companhia quero morrer”, desta maneira é que despedido de todos, foi para a Eternidade repetindo: “Jesus! Maria!”.

São João Berchmans, rogai por nós!

 

fonte/texto: cancaonova.com