Santuário Astorga

Notícias do Santuário

paroquia

Padre é feito refém durante assalto a igreja em Manaus

Posted on

Um padre e um seminarista foram feitos de refém durante um assalto que ocorreu na madrugada desta quinta-feira (10), em uma paróquia no bairro da Betânia, na Zona Sul de Manaus. O criminoso invadiu o local e ameaçou a dupla com uma arma de fogo por 15 minutos. No assalto, um carro modelo Onix foi levado. Além de dinheiro e um celular. Ninguém foi preso.

A ação ocorreu por volta das 3h, na Paróquia Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos, no mesmo bairro. O criminoso quebrou uma janela para entrar na sala de atendimento do local, revirou gavetas e armários em busca de dinheiro ou objetos de valor. Sem encontrar nada, por meio do telhado, ele entrou na casa paroquial onde estava o padre e o seminarista.

“Todo momento ele pedia dinheiro, não queria objetos. Ele estava muito nervoso, aparentemente drogado. Como viu que eu não tinha [dinheiro], pegou meus pertences e me obrigou a levá-lo ao quarto do padre”, explicou o seminarista Rodrigo Barcelos.

O padre Thiago Barbosa relatou que estava no quarto, dormindo, quando foi acordado com uma arma na cabeça. O pároco conta que foi obrigado a deitar no chão, junto com o seminarista.

“Quando eu fui virar a cabeça, ele me obrigou a esconder a cara para eu não ver quem ele era. Em seguida ele fez o Rodrigo levantar-se e procurar uma sacola para guardar os objetos. Ele pediu para o seminarista olhar bem na cara dele e disse que ia matar-lo. Disse que eu ia ficar vivo para contar a história”, afirmou.

O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de Veículos (Derfv), a Polícia Civil deve investigar o caso para localizar o autor do crime.

Fonte: g1.globo.com

5080

“A vocação foi um presente”, afirma religiosa ao completar 100 anos de vida

Posted on

Buenos Aires, 10 Jan. 19 / 02:00 pm (ACI).- “A vocação foi um presente”, afirmou Irmã Corina Ciappina, da Congregação ‘Hermanas de Nuestra Señora de la Merced del Divino Maestro’ (Irmãs de Nossa Senhora das Mercês do Divino Mestre), ao completar 100 anos.

Com uma Missa celebrada em 5 de dezembro na sede da congregação, fundada em 1889 em Buenos Aires (Argentina), a religiosa comemorou o seu aniversário com a família e amigos e lhes confessou estar “cada vez mais feliz”.

Ela nasceu na Sicília (Itália), em 1918. Foi a segunda de quatro irmãos, seu nome de batismo era Santina e sua família se mudou para a Argentina quando terminou o segundo ano do ensino fundamental. Seu pai trabalhava em uma cervejaria e nas ferrovias da cidade de Córdoba.

Em sua juventude, Santina tinha o desejo de ser religiosa e entrou para o ‘Instituto Hijas de María Santísima del Huerto’ (Instituto Filhas de Maria Santíssima do Horto). No entanto, sua saúde começou a se debilitar e a superiora sentiu que, por causa de sua condição, essa vida não era para ela.

Naquela época, por volta do ano 1933, foi fundado em Córdoba o Colégio ‘Nuestra Señora de la Merced y el Divino Maestro’ (Nossa Senhora das Mercês e do Divino Mestre), pertencente à congregação de mesmo nome e que tem como missão a educação e formação cristã de jovens e crianças.

“Fui à Missa lá com a minha família e fiquei impressionada com a grande piedade das religiosas. Elas oravam com grande fervor. Ao ver as irmãs com um fervor tão grande eu disse: eu tenho que vir para cá”, comentou Irmã Corina aos seus familiares e amigos.

Corina ingressou na congregação aos 16 anos. “Eu confio na grande misericórdia de Deus. Agradeço a ‘Jesuszinho’ querido, que me deu uma vida longa” disse a religiosa, ao mesmo tempo em que pediu perdão a Deus pelos pecados cometidos “na minha vida religiosa e civil”.

Irmã Corina costumava sair à rua, mas fraturou o quadril em uma queda que teve aos 99 anos e por isso hoje usa cadeira de rodas. Apesar disso, a religiosa conversa com alegria e bom humor.

Durante sua vida religiosa, Irmã Corina serviu como professora e foi diretora da antiga escola da Imaculada na Diocese de Quilmes. Sua congregação está presente na Argentina, no Uruguai e na Espanha.

Fonte: acidigital.com

cq5dam.thumbnail.cropped.1000.563 (1)

Filipinas: milhões de fiéis na procissão do Nazareno Negro

Posted on
Uma multidão foi às ruas em Manila, para celebrar o Nazareno Negro. Trata-se de uma das maiores procissões religiosas do mundo. Neste ano teve a participação de mais de 1,5 milhão de fiéis que foram às ruas da capital das Filipinas, com a intenção de tocar ou mesmo entrever a imagem. É uma tradição que remonta a 1606

Cidade do Vaticano

Superando as recentes ameaças terroristas de extremistas muçulmanos, mais de 1 milhão de meio de fiéis participaram no dia 9 de janeiro, em Manila (Filipinas) da procissão anual do Nazareno Negro.

Ouça e compartilhe

A procissão, que se repete desde o século XVII, é conhecida como a “translação” e representa o sofrimento que Jesus experimentou quando percorreu o caminho ao Monte Calvário.

Durante o rito a imagem, puxada por cordas, é transportada em um carro sem rodas. Os fiéis tentam ficar o mais próximo possível da esfígie – que é uma réplica de uma imagem de madeira que existe há quatro séculos – subindo uns sobre os outros na esperança de tocá-la.

A procissão começou na madrugada e o percurso foi de três quilômetros até chegar à Basílica de Quiapo, onde está conservada a imagem original, exposta para a veneração durante o dia.

Tradição que remonta a 1606

Esta efígie do Cristo negro ajoelhado e carregando a cruz foi levada pelos missionários Agostinianos Recoletos que foram do México a Manila em 1606. A fama de ser milagrosa deriva do incêndio que destruiu o navio dos missionários, deixando a imagem intacta.

Antes de ser colocada na Igreja de Quiapo, esteve em outros templos católicos. Primeiro na igreja de Bagumbayan, hoje Luneta, nas proximidades de Manila; em 1608 foi transferida para a paróquia de São Nicolau Tolentino, onde ficou até 1700. O então arcebispo da capital, Dom Basilio Sancho Santas Justa, ordenou a transferência definitiva à igreja de Quiapo.

A devoção foi reconhecida pela Santa Sé em 1650, durante o pontificado de Inocêncio X que instituiu canonicamente a Confraria de Jesus Nazareno. Também Pio VII, no século 19, honrou o Nazareno Negro concedendo a indulgência plenária “aos pios devotos”.

Fonte: vaticannews.va

DwQ8nGTW0AAOjy7

JMJ 2019: Apresentam o papamóvel que Francisco usará durante sua visita ao Panamá

Posted on

O papamóvel que o Papa Francisco usará durante sua visita ao Panamá, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude 2019 (JMJ), foi apresentado no domingo, 6 de janeiro, na Cinta Costera, em um evento no qual participaram o Arcebispo Dom José Domingo Ulloa e o presidente Juan Carlos Varela.

Ver imagem no Twitter

O vice-ministro da Segurança e chefe da Diretoria Executiva de Apoio ao Comitê Organizador Local, Omar Pinzón, e dezenas de jovens também participaram do evento.

O papamóvel é uma caminhonete Ford Ranger XLT, cabine dupla, câmbio automático, com todas as especificações solicitadas pelo Vaticano para manter a segurança e comodidade do Santo Padre.

O veículo foi projetado no Panamá com a contribuição de duas empresas, a Distribuidora David, que doou o carro, e a Tri-Star Centroamérica, encarregada do projeto e confecção.

Ana Victoria Taboada e Edwin Chaverra lideraram a equipe de jovens que trabalhou no projeto e montagem deste veículo. Eles destacaram que pegaram referências de outros papamóveis, redesenhando e aprimorando cada detalhe para assim cumprir com os requisitos.

Vídeo incorporado

Tem escada rolante, cadeira giratória 360º, tapete vermelho, barras para apoio e sustentabilidade do Papa enquanto estiver de pé, e uma janela na parte traseira da cabine principal para o Pontífice ter uma melhor comunicação com o motorista.

Durante a apresentação, o Bispo Ulloa disse que a JMJ “é uma festa para todos, então nenhum panamenho pode se sentir excluído”. Ele também agradeceu a contribuição das empresas encarregadas da montagem do papamóvel panamenho.

Ver imagem no Twitter

Vídeo incorporado

Por sua parte, o presidente Varela disse que a JMJ é um “evento histórico para todos os panamenhos” e convidou a “desfrutá-la”. Disse que o país está pronto para receber milhares de peregrinos de 160 países e anunciou que na quinta-feira, 17 de janeiro, inaugurará a Linha 2 do Metrô, que funcionará durante o evento mundial.

Também foi relatado que para facilitar o deslocamento e as movimentações logísticas durante a estadia do Santo Padre no Panamá, a Igreja na Colômbia emprestou o papamóvel usado durante a viagem apostólica de Francisco a este país.

Indicaram que o veículo foi oferecido como apoio ao deslocamento do Pontífice.

Fonte: acidigital.com

Padre-Adan-Bravo_Romyta-Suarez_070119

Apunhalam sacerdote idoso para roubar oferta de sua paróquia

Posted on

Um sacerdote de 78 anos ficou gravemente ferido após ser apunhalado por um grupo de marginais que tentou roubar a oferta de domingo recolhida em sua paróquia na cidade de Trinidad (Bolívia).

O crime ocorreu por volta das 23h35 de domingo, 6 de janeiro, na paróquia da Santa Cruz, Vicariato Apostólico de Beni.

A vítima é Pe. Adan Bravo, mais conhecido como Padre Tory. Ele é sacerdote há 50 anos e é o primeiro presbítero diocesano do Vicariato de Beni. Além de ser responsável pela paróquia da Santa Cruz, é responsável pelo Santuário de Loreto, do mesmo departamento.

“Eles queriam pegar a oferta recolhida no domingo. Entraram três pessoas e uma apunhalou o sacerdote com uma faca de serra na barriga”, relatou Reynaldo Leigue Ortiz, sacristão da paróquia, ao jornal nacional El Deber.

Acredita-se que os marginais tenham entrado na igreja depois de quebrar o vidro da porta principal, conseguindo assim abrir a maçaneta por dentro.

De acordo com o relatório policial, a primeira pessoa a entrar na igreja foi Luis Javier Cuéllar Coimbra, de 21 anos, e após 10 minutos de sua entrada na igreja começou a se escutar gritos de socorro.

Como indicado, o sacerdote foi apunhalado porque resistiu ao roubo e os impediu de levar o dinheiro.

“Os vizinhos se aproximaram das janelas da paróquia e ouviram barulho de movimento nas cadeiras. Pe. Adan Bravo Mendoza conseguiu acender a luz e o viram sangrando na região do abdômen. E também conseguiram ver o sujeito que cometeu o delito, Javier Cuéllar, que saiu tranquilamente da igreja pela porta principal”, diz o relatório, de acordo com informações fornecidas ao Grupo ACI por Romyta Suáarez, jornalista do Vicariato Apostólico de Beni.

Acrescenta que os vizinhos pediram ajuda e o sujeito fugiu, mas “a dois quarteirões de distância, na altura da avenida Bolívar, foi detido por populares”.

Ver imagem no Twitter

Pe. Bravo foi levado imediatamente ao Hospital Obrero, onde foi operado para evitar que se desenvolvesse uma infecção interna por causa da perfuração que atingiu o intestino grosso.

A intervenção teve sucesso e informaram que a sacerdote permanece no hospital em boas condições e em repouso, acompanhado por familiares e amigos.

Fonte: acidigital.com

ImagemPeregrinadeFatimanoPanama_FotoSantuariodeFatima

JMJ Panamá 2019: Imagem peregrina de Fátima visitará uma prisão e um hospital oncológico

Posted on

De 21 a 29 de janeiro, a imagem peregrina número 1 do Santuário de Fátima, Portugal, estará presente no Panamá, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, onde, além do encontro com os jovens de diversos países e com o Papa Francisco, visitará também uma prisão e um hospital oncológico.

Segundo o itinerário da peregrinação da imagem da Virgem de Fátima, publicado pelo Santuário mariano de Portugal, a chegada ao Panamá está prevista para o dia 21 de janeiro, às 19h05 (hora local), ao Aeroporto Internacional de Tocumen.

Neste local, está agendada uma cerimônia de acolhida. Por volta das 21h, a imagem peregrina será entronizada na Igreja de Lourdes, em Carrasquilla. Em seguida, terá início uma vigília de adoração que será encerrada com uma Missa, às 6h30 do dia seguinte.

Ainda no dia 22 de janeiro, a imagem estará presente na Missa da abertura da JMJ, presidida pelo Arcebispo do Panamá, Dom José Domingo Ulloa, no Parque da Juventude. Em seguida, os jovens poderão participar nos momentos de oração agendados: adoração eucarística; hora de reparação ao Sagrado Coração de Maria e Jesus; rosário meditado.

Nesta mesma noite, está prevista uma procissão que começará na Tenda do Encontro e seguirá até Capela Maria Auxiliadora. Duas horas depois, a Virgem Peregrina regressará à Tenda do Encontro, onde está prevista uma vigília de oração com adoração ao Santíssimo Sacramento dinamizada pelas Irmãs de Madre Teresa de Calcutá e pela Polícia Nacional, rosário e Missa.

Em 23 de janeiro, a imagem peregrina será levada ao Centro Penitenciário para uma visita às reclusas. Durante a tarde, estão previstos vários momentos de oração na Tenda do Encontro, no Parque da Juventude. Já à noite, está marcada uma procissão até à Igreja de Guadalupe e, após este ato, oração na Tenda do Encontro.

Na manhã de 24 de janeiro, a imagem peregrina seguirá para o Estádio Maracaná, em Chorrillo, onde estarão jovens a participar nas catequeses agendadas. E na noite deste mesmo dia, a Virgem irá em procissão à Igreja de San Francisco de la Caleta.

O 25 de janeiro será de oração de forma mais intensa na Tenda do Encontro, no Parque da Juventude. Para isso, estão previstos vários momentos celebrativos ao longo de todo o dia.

Em 26 de janeiro, a imagem peregrina será levada para a Sede dos Atos Centrais – Sede São João Paulo II, no Metro Park, para que os bispos e cardeais possam rezar junto de Nossa Senhora.

Segundo o programa oficial, está previsto que, às 18h, o Santo Padre participe da vigília de oração e encontro com os jovens, seguida de procissão.

Após a Missa de encerramento da JMJ Panamá 2019, no dia 27 de janeiro, a imagem peregrina fará uma visita, à tarde, à Igreja do Santuário Nacional do Coração de Maria, onde será entronizada.

No dia 28 de janeiro, está programada a visita da imagem peregrina de Fátima ao Hospital Oncológico Nacional. Ainda nesse dia, será entronizada na Igreja de Fátima, em Chorrillo.

Segundo a programação, o último momento celebrativo desta peregrinação está marcado para 29 de janeiro, às 16h, no Aeropuerto Internacional de Tocumen, onde o Reitor do Santuário de Fátima, Pe. Carlos Cabecinhas, irá presidir uma Missa de despedida.

A imagem peregrina de Fátima

A imagem nº 1 da Virgem Peregrina do Rosário de Fátima foi feita segundo indicações da Irmã Lúcia, oferecida pelo Bispo de Leiria e coroada solenemente pelo Arcebispo de Évora, em 13 de maio de 1947.

Depois de mais de meio século de peregrinação, em que a Imagem visitou 64 países dos vários continentes, alguns deles por diversas vezes, a Reitoria do Santuário de Fátima entendeu que ela não deveria sair mais, a não ser por alguma circunstância extraordinária.

Em 8 de dezembro de 2003, solenidade da Imaculada Conceição, a imagem foi entronizada na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, tendo sido colocada numa coluna junto do altar-mor.

Esta imagem voltou a sair no dia 12 de maio de 2014, primeiramente para uma visita às comunidades religiosas contemplativas existentes em Portugal, que decorreu até ao dia 2 de fevereiro de 2015, e depois a todas as dioceses portuguesas, de 13 de maio de 2015 a 13 de maio de 2016. Esteve ainda no Patriarcado de Lisboa para a iniciativa Terço Vivo, em 2003. E, em 2017, no Santuário de San Giovanni Rotondo, na Itália.

O Arcebispo do Panamá, Dom José Domingo Ulloa, confiou a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2019 Panamá à Virgem de Fátima, em pleno ano do Centenário das Aparições, quando o país recebeu a visita da imagem peregrina nº2.

A Jornada Mundial da Juventude acontecerá de 22 a 27 de janeiro, na Cidade do Panamá, e decorre pela primeira vez na América Central. Tem como tema “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Fonte: acidigital.com

Vaticano divulga mensagem do Papa para Dia Mundial do Enfermo 2019

Posted on

“Recebestes de graça, dai de graça”. Este trecho do Evangelho de Mateus é o tema da mensagem do Papa Francisco para o 27º Dia Mundial do Enfermo, que será celebrado em 11 de fevereiro de 2019. O texto foi apresentado nesta terça-feira, 8, pela sala de imprensa da Santa Sé.

Com esse tema, Francisco explica que o caminho mais credível de evangelização são gestos de dom gratuito, como os do Bom Samaritano. O dom, segundo ele, deve ser colocado como paradigma capaz de desafiar o individualismo e fragmentação social dos dias atuais, numa atitude contra a cultura do descarte e da indiferença.

“No dom, há o reflexo do amor de Deus, que culmina na encarnação do Filho Jesus e na efusão do Espírito Santo”, afirma o Papa na mensagem. Ele lembra que todo homem é pobre, necessitado e indigente, de forma que, em cada fase da vida, nunca será possível ver-se livre da necessidade e da ajuda alheia. “O reconhecimento leal desta verdade convida-nos a permanecer humildes e a praticar com coragem a solidariedade, como virtude indispensável à existência”.

Santa Teresa de Calcutá

O 27º Dia Mundial do Doente será celebrado de modo solene em Calcutá, na Índia, em 11 de fevereiro de 2019. A partir disso, Francisco recorda em sua mensagem a figura de Santa Madre Teresa de Calcutá, modelo de caridade que tornou visível o amor de Deus pelos pobres e os doentes. Ela foi canonizada em setembro de 2016, pelo Papa Francisco, no contexto do Jubileu da Misericórdia.

“A Santa Madre Teresa ajuda-nos a compreender que o único critério de ação deve ser o amor gratuito para com todos, sem distinção de língua, cultura, etnia ou religião. O seu exemplo continua a guiar-nos na abertura de horizontes de alegria e esperança para a humanidade necessitada de compreensão e ternura, especialmente para as pessoas que sofrem”.

Voluntariado

Outras pessoas lembradas pelo Papa em sua mensagem são os voluntários, a quem Francisco expressa seu agradecimento e encorajamento.

“O voluntário é um amigo desinteressado, a quem se pode confidenciar pensamentos e emoções; através da escuta, ele cria as condições para que o doente deixe de ser objeto passivo de cuidados para se tornar sujeito ativo e protagonista duma relação de reciprocidade, capaz de recuperar a esperança, mais disposto a aceitar as terapias. O voluntariado comunica valores, comportamentos e estilos de vida que, no centro, têm o fermento da doação. Deste modo realiza-se também a humanização dos tratamentos”.

Francisco conclui a mensagem confiando todos a Maria. “Que Ela nos ajude a partilhar os dons recebidos com o espírito do diálogo e mútuo acolhimento, a viver como irmãos e irmãs cada um atento às necessidades dos outros, a saber dar com coração generoso, a aprender a alegria do serviço desinteressado”.

Fonte/texto:noticiascatolicas

cq5dam.thumbnail.cropped.1000.563 (1)

Papa diz que devemos insistir na oração, Deus atende sempre

Posted on
Rezar é desde agora a vitória sobre a solidão e o desespero. É como ver cada fragmento da criação que fervilha no torpor de uma história que às vezes não entendemos o por quê. Mas está em movimento, no caminho, e no final de cada estrada há um Pai que espera por tudo e todos com os braços bem abertos”. Deus sempre responde à nossa oração, disse o Papa em sua catequese.

“Podemos estar certos de que Deus responderá. Talvez tenhamos que insistir por toda a vida, mas Ele responderá.”

Dando sequência à sua série de catequeses sobre o Pai Nosso, o Papa falou na Audiência Geral desta quarta-feira sobre a oração perseverante, inspirando-se na passagem de São Lucas 11, 9-13: “Batei e vos será aberto”.

Ouça e compartilhe!

Dirigindo-se aos 7 mil peregrinos presentes na Sala Paulo VI, Francisco começa recordando  que o evangelista descreve “a figura de Cristo em uma atmosfera densa de oração. Nele estão contidos os três hinos que marcam ao longo do dia a oração da Igreja: o Benedictus, o Magnificat e o Nunc dimittis”.

“ Jesus é sobretudo um orante ”

“Na catequese sobre o Pai Nosso vemos Jesus como orante. Jesus reza”, enfatiza o Pontífice. Cada passo na sua vida “é como que movido pelo sopro do Espírito que o guia em todas as suas ações”. E o Papa recorda a Transfiguração, o batismo no Jordão, a intercessão por Pedro. Nas decisões mais importantes – observa –  Jesus “retira-se frequentemente para a solidão, para rezar. Até a morte do Messias está mergulhada em um clima de oração, tanto que as horas da Paixão parecem marcadas por uma calma surpreendente.”

Jesus consola as mulheres, reza pelos que o crucificam, promete o Paraíso ao bom ladrão, expira dizendo: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”:

“ A oração de Jesus parece abranda as emoções mais violentas, os desejos de vingança, reconcilia o homem com seu mais amargo inimigo: a morte ”

Dirigir-se a Deus como Pai

É no Evangelho de Lucas – chama a atenção o Papa – que um de seus discípulos pede que o próprio Jesus os ensine a rezar (…). Também nós podemos dizer isto ao Senhor: ensina-me a rezar, para que também eu possa rezar”.

E deste pedido dos discípulos – explica – “nasce um ensinamento bastante extenso, através do qual Jesus explica aos seus com que palavras e com que sentimentos devem dirigir-se a Deus”. E “a primeira parte deste ensinamento é justamente a oração ao Pai (…). O cristão dirige-se a Deus chamando-o antes de tudo de ‘Pai'”. Nós podemos estar em oração “somente com esta palavra, Pai, e sentir que temos um Pai, não um patrão, nem um padrinho, mas um pai”.

Mas neste ensinamento que Jesus dá aos seus discípulos – prossegue Francisco – é interessante insistir em algumas instruções que coroam o texto da oração. Para dar confiança à oração, Jesus explica algumas coisas: “Elas insistem nas atitudes do crente que reza”.

E ilustra isso com “a parábola do amigo inoportuno que vai perturbar toda uma família que dorme, porque de forma inesperada uma pessoa chegou de uma viagem e não tem pão para oferecer a ela. Jesus explica que se ele não se levantar para dar o pão porque é seu amigo, ao menos se levantará por causa da importunação.  “Com isto, Jesus quer ensinar a rezar, a insistir na oração”.  E ilustra também com “o exemplo de um pai que tem um filho faminto: “Qual pai entre vós – pergunta Jesus – se o filho lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra em vez de peixe?”.

A oração sempre transforma a realidade

Com estas parábolas – diz o Papa – Jesus faz entender que Deus responde sempre, que nenhuma oração fica sem ser ouvida, “que Ele é Pai e não esquece seus filhos que sofrem”:

Certamente, essas afirmações nos colocam em crise, porque muitas das nossas orações parecem não ter resultado algum. Quantas vezes pedimos e não obtemos –  todos temos experiência disto – batemos e encontramos uma porta fechada? Jesus recomenda a nós, nesses momentos, para insistir e a não nos darmos por vencidos. A oração sempre transforma a realidade, a oração sempre transforma, sempre, transforma a realidade: se não mudam as coisas à nossa volta, pelo menos muda a nós, muda o nosso coração. Jesus prometeu o dom do Espírito Santo a todo homem e mulher que reza”.

Perseverar na oração, Deus responde sempre

“Podemos estar certos – diz o Francisco –  de que Deus responderá. A única incerteza – ressalta – é devida aos tempos, mas não duvidamos que Ele responderá”:

“Talvez tenhamos que insistir por toda a vida, mas Ele responderá. Ele o prometeu: Ele não é como um pai que dá uma serpente em vez de um peixe. Não há nada de mais certo: o desejo de felicidade que todos nós trazemos no coração, um dia se cumprirá. Jesus diz: “Não fará Deus justiça aos seus eleitos, que clamam dia e noite a ele?” Sim, fará justiça, nos escutará.  Que dia de glória e ressurreição será!”

“ Rezar é desde agora a vitória sobre a solidão e o desespero ”

“É como ver cada fragmento da criação que fervilha no torpor de uma história que às vezes não entendemos  o por quê. Mas está em movimento, no caminho, e no final de cada estrada, da coração, de um tempo que estamos rezando, ao fim da vida, há um Pai que espera por tudo e todos com os braços bem abertos. Olhemos para este Pai”.

LucianoCapelli-MissioItalia-04012019

Este bispo literalmente voa para servir aos seus fiéis

Posted on

Dom Luciano Capelli, Bispo de Gizo, nas Ilhas Salomão, situadas na Oceania, é conhecido como o “Bispo Voador”.

Este bispo salesiano visita as populações carentes de sua Diocese graças a um ultraleve no qual leva comida e remédios.

Dom Capelli foi missionário nas Filipinas por 35 anos. Ele chegou à Diocese de Gizo em outubro de 2007, depois de um terremoto que destruiu muitas igrejas e casas.

O ultraleve de Dom Capelli. Foto: Facebook Diocese de Gizo

“Minha primeira tarefa foi incentivar as pessoas a reconstruir a Catedral, as 7 paróquias e as 12 escolas”, explicou em uma entrevista ao portal Missioni Don Bosco.

A Diocese de Gizo é composta por cerca de 40 ilhas com uma população total de 120 mil habitantes, dos quais 15% são católicos, ou seja, cerca de 15 mil.

Graças ao apoio financeiro da Conferência Episcopal Italiana (CEI), ele pôde fazer um curso de piloto e a Diocese ganhou um ultraleve.

Imagem: Facebook Diocese de Gizo

Com a aeronave, que ele mesmo pilota desde 2011, visita hospitais, escolas e comunidades onde entrega remédios e produtos essenciais.

Em uma entrevista concedida à agência Askanews, Dom Capelli explicou que ele é bispo desde 2007, “portanto, há mais de 10 anos, mas faz somente 6 que comecei a voar”. O Bispo conta que pilota seu ultraleve “com grande satisfação, porque me ajuda a preencher o vazio que há entre as pessoas”.

O Prelado assegurou que o principal problema na Diocese é o isolamento e explicou que isso é resolvido “com uma presença”.

Foto: Facebook Diocese de Gizo

“A presença só é possível quando há um meio que te leve”. Graças à pequena aeronave, ele pode visitar cada lugar de missão de três a cinco vezes por ano, enquanto sem este meio, deveria usar uma barca perigosa e muito mais cara, indicou.

Em outubro de 2018, Dom Capelli assumiu um novo desafio em seu serviço episcopal. Decidiu enviar um dos seus dois sacerdotes diocesanos para se formar na Itália.

Em declarações à Missio Itália, o Prelado disse que “é um grande sacrifício, privar-nos de 50% do clero! Mas confio que o Senhor fará florescer novas vocações e novos chegarão para uma evangelização eficaz e corajosa”.

Foto: Facebook Diocese de Gizo

“Nestes anos, estamos trabalhando duro com os jovens e as novas gerações para treinar catequistas e líderes nas comunidades. Eu não tenho medo!”.

No entanto, disse, a ausência de um de seus sacerdotes “será sentida, mas isso também nos ajudará a cultivar nossas comunidades; e essa abertura generosa nos encorajará a sermos ainda mais ousados “.

Fonte: acidigital.com

cq5dam.thumbnail.cropped.750.422

Papa Amazônia: efeitos dramáticos do aquecimento global

Posted on
No intenso discurso do Papa ao Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé, Francisco falou também sobre o próximo Sínodo dos Bispos dedicado à Amazônia em programa para outubro deste ano. O cardeal Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, recorda que “os povos indígenas são o coração da Igreja”

Cidade do Vaticano

“A Terra é de todos e as consequências da sua exploração recaem sobre toda a população mundial, com efeitos mais dramáticos em algumas regiões. Entre essas, a Amazônia”. Nesta passagem do discurso ao Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé, Papa Francisco exprime sua grande preocupação pelos efeitos do aquecimento global nas populações indígenas. Recordando a próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos no Vaticano, no mês de outubro, sublinha que “apesar de tratar principalmente dos caminhos da evangelização para o povo de Deus, não deixará também de enfrentar as problemáticas ambientais em estreita relação com as consequências sociais”.

Ouça e compartilhe

Card. Filoni: os indígenas no coração da Igreja

Justamente por causa dos conflitos agrários, ainda se continua a morrer no Brasil. Em Colniza, no Mato Grosso, no último sábado (05/01) uma pessoa morreu e nove ficaram feridas em um confronto entre colonos que reclamam o direito à terra na qual sempre viveram, e os seguranças das mesmas terras. O bispo de Juína, Dom Neri José Tondello falou de uma tragédia anunciada e espera uma solução em breve. Há muito tempo os direitos da população local são o centro dos interesses da Igreja que, justamente por isso, é muitas vezes atacada sendo considerada inimiga. Um conceito evidenciado pelo cardeal Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, que nos fala sobre o Sínodo pan-amazônico.

Cardeal Filoni: Devemos antes de tudo privilegiar a atenção sobre o homem, com uma antropologia positiva para os povos da Amazônia, tanto os grandes quanto os pequenos. Porque se falta esta concepção, o ambiente sofre: a dignidade dos povos indígenas e o ambiente são interligados entre si. Por isso a Igreja precisa ter uma atitude positiva de afeto, de amor e de atenção para com os esses povos. Gostaria de fazer um pequeno exemplo do que me aconteceu ao fazer uma visita a um vicariato apostólico dois anos atrás na Amazônia colombiana. O chefe de uma tribo que tinha vindo ao encontro depois de várias horas de barco, fez-me uma pergunta: “Por que o senhor vem de Roma até aqui, neste lugar perdido dentro da Amazônia?” . Respondi-lhe:

“ Veja bem, o fato de que os povos da Amazônia estejam geograficamente longes de Roma não significa que não estejam no coração da Igreja. Vocês são o coração e estão no coração da Igreja ”

Este cacique olhou-me com muita satisfação, com interesse. A tomada de consciência de si, o fato de não serem marginalizados mesmo estando longe – por exemplo – de Roma, é muito importante para esses povos, e nós devemos colocar esta questão em primeiro lugar no nosso Sínodo, ou seja, uma antropologia positiva de valor e de valorização destas populações que já contam com uma rica experiência espiritual, ética e ambiental. Acredito que dando atenção e se dedicando às pessoas já faremos um grande passo avante também para o ambiente.

Como se pode colaborar na construção de um mundo que, uma vez por todas, respeite a vida e contraste a mentalidade de colonização para poder construir juntos plataformas de solidariedade e interculturalidade?

Cardeal Filoni: Creio que o grande passo que nós podemos dar é nos aproximarmos e viver ao lado desses povos, no meio deles – como fazem muitos missionários e missionárias, e isso já é um aspecto muito, mas muito importante: não é um caso que a Igreja seja muitas vezes considerada inimiga destas grandes realidades que têm um tipo de interesse colonial na Amazônia, ou de exploração. Ficar ao lado dos povos nativos causa neles uma consciência: de que são povos com dignidade. Isso não é tudo: cria nestes povos o sentido de que têm o direito nativo de viver, de ficar e de ser consultados sobre todas as coisas que lhes pertencem. A nossa Congregação há dezenas de vicariatos apostólicos na região – bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas, leigos que trabalham ali – este já é um nosso compromisso concreto e podemos melhorar, naturalmente, com a colaboração de todos. Sabemos que há dificuldades e as conhecemos, mas isso não nos deve desencorajar. Acredito que neste ponto estamos em sintonia com a visão do Papa, de uma grande atenção a esta região e principalmente a estes povos.

No Sínodo da Amazônia teremos uma boa representação de indígenas?

Cardeal Filoni: Certamente teremos um grande número de participantes, grupos que poderão falar diretamente com o mundo. Esta coincidência do Sínodo com o mês missionário extraordinário nos permite refletir também sobre o melhor modo de anunciar e levar o Evangelho para estes povos. A dignidade do homem está ligada ao mistério de Cristo e nós acreditamos que o anúncio do Evangelho também poderá ajudar estas pessoas e o próprio meio-ambiente a um resgate espiritual, moral e também material.

Fonte: vaticannews.va