Santuário Astorga

Notícias do Santuário

Profanam Igreja em Nova Iguaçu: “Um ato de violência que atinge toda a comunidade”

Posted on

A Igreja de São Benedito, em Nova Iguaçu (RJ), foi alvo de vândalos que a invadiram no domingo, 2 de fevereiro, festa da Apresentação do Senhor, e roubaram, “além de outras coisas, uma âmbula contendo hóstias consagradas”.

A profanação que aconteceu na comunidade de São Benedito, pertencente à paróquia da Catedral de Santo Antônio de Jacutinga, foi informado pela Diocese de Nova Iguaçu, que publicou uma nota assinada pelo Bispo local, Dom Gilson Andrade da Silva, na qual lamentam o ocorrido e convocam os fiéis para um ato de desagravo na próxima quarta-feira.

“Profanar o Santíssimo Sacramento é um ato de violência que atinge e prejudica toda a comunidade dos fiéis cristãos e não apenas à comunidade local que foi vítima do vandalismo”, assinala a nota.

Nesse sentido, recorda que “o Concílio Vaticano II lembrou-nos que ‘na santíssima Eucaristia está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, a nossa Páscoa e o pão vivo que dá aos homens a vida mediante a sua carne vivificada e vivificadora pelo Espírito Santo’ (PO, 2)”.

“Lamentamos profundamente que tais atitudes se repitam em nossos dias e queremos nos penitenciar pelo desamor com que se tratou o Sacramento do Amor”, expressa, ao informar que será realizada uma “celebração penitencial, juntamente com a celebração eucarística, como ato de desagravo a Jesus Sacramentado”, na próxima quarta-feira, 5 de fevereiro, às 18h, na Igreja de São Benedito.

“Em nossas preces elevemos a Jesus Sacramentado nossos louvores e atos de desagravos. Rezemos também por aqueles que fizeram este ato, a fim de que reconheçam seus erros e se convertam”, completa a nota.

 

fonte: ACI Digital

Hoje é celebrada Santa Eulália, menina mártir espanhola dos primeiros séculos

Posted on

Igreja celebra neste dia 12 de fevereiro Santa Eulália, uma mártir da Igreja que nasceu em Mérida (Espanha) no final do século III e que morreu aos 12 anos, depois de ser torturada por se recusar e renegar sua fé cristã.

Naquela época, um decreto emitido pelo imperador Diocleciano proibia os católicos de cultuar Jesus Cristo e exigia que adorassem ídolos pagãos. Precisamente no “Martirológio romano”, onde se encontra uma lista muito antiga dos mártires da Igreja, há uma frase que diz: “em 12 de fevereiro comemora-se Santa Eulália, mártir da Espanha, morta por proclamar sua fé em Jesus Cristo”.

A mártir se tornou prontamente uma das santas mais famosas da Espanha e hoje ostenta o título de prefeita perpétua de Mérida e padroeira desta cidade.

Os dados sobre sua vida e sua morte se encontram em um hino feito em sua honra pelo poeta Prudencio no século IV.

Neste poema, narra como Eulália decidiu protestar ante o governador Daciano contra as leis que proibiam o cristianismo. Do mesmo modo, conta os terríveis métodos de tortura empregados contra ela.

Eulália foi levada à prisão, acorrentaram-na, rasgaram com ganchos seus seios, ombros, todo seu corpo virginal.

Mas, com grande paz e alegria, dizia: “Veja Senhor, que escrevem teu nome em meu corpo. Quão agradável é ler estas letras que assinalam a vitória de Jesus Cristo, que o meu sangue proclame o teu nome!”.

Como último tormento, queimaram-na com tochas acesas. A tradição assinala que seus carrascos viram uma pomba branca sair de sua boca e voar para o céu.

Fonte:acidigital.com.br

Coronavírus: Diocese de Macau fechará as igrejas e transmitirá missas pela internet

Posted on

A Diocese de Macau decidiu seguir as instruções do Governo local para a prevenção do novo tipo de coronavírus e emitiu um comunicado determinando o fechamento das igrejas e suspensão da celebração de missas até o próximo dia 19 de Fevereiro. Entretanto, os fiéis poderão assistir missas, incluindo a missa dominical, pela internet.

Segundo o comunicado divulgado pela Cúria Diocesana, o bispo de Macau, Dom Stephen Lee, ordenou a suspensão de todas as missas para o público nas igrejas, capelas e lares de idosos.

“As congregações masculinas e femininas, as sociedades de vida apostólica, a Prelatura Pessoal [do Opus Dei], as comunidades religiosas e os vários centros podem celebrar as suas próprias missas, mas não devem ser abertas ao público”, pode ler-se no comunicado.

Os fiéis podem assistir às missas de domingo e dos restantes dias da semana através do site da internet www.catholic.org.mo.

A Diocese de Macau aconselha os fiéis a não sairem de casa, a não ser em caso de necessidade, sendo que devem cumprir outros atos de piedade, como a lectio divina, a comunhão espiritual e o rosário.

Todos os fiéis que queiram confessar-se devem previamente contactar os sacerdotes das paróquias e as confissões ser realizadas em lugares bem ventilados. Também os serviços matrimoniais e funerários podem ser celebrados mediante acordo entre os párocos, as partes envolvidas e as suas famílias.

Numa carta dirigida aos fiéis, Dom Stephen Lee pede que “neste crítico e aflitivo momento, sejamos unidos para ultrapassá-lo e não esqueçamos a mais sublime e forte virtude da humanidade do mundo – o Amor”.

O prelado exorta as pessoas a manter-se “calmas e pacientes”, procurando participar nas medidas preventivas em total cooperação com o Governo.

“Devemos apoiar todos os Serviços Públicos e grupos voluntários, especialmente o pessoal médico que trabalha na primeira linha para combater a propagação da epidemia. Devemos expressar a nossa gratidão, apreciação e encorajamento aos profissionais médicos pelo seu espírito de sacrifício, por quaisquer meios que dispomos”, afirma Dom Lee.

Numa primeira fase, o Governo de Macau ordenou a alguns funcionários públicos que trabalhassem desde suas casas, tendo no entanto encerrado todos os serviços, os quais só abrem para o atendimento de casos urgentes. No setor privado, negócios, cassinos e alguns hotéis suspenderam a atividade por um período de quinze dias, o que poderá ter consequências negativas para a economia de Macau. As escolas estão encerradas por tempo indeterminado.

O novo tipo de coronavírus, que teve origem em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, causou até ao dia de hoje 1 013 mortes, tendo sido contagiadas 43 173 pessoas. De acordo com as autoridades, 4 043 pessoas já tiveram alta hospitalar.

Em Macau foram confirmados dez casos de contaminação, entre os quais uma residente local. O primeiro caso verificado no território, uma cidadã da China continental, já teve alta.

Fonte:acidigita.com.br

Papa Francisco reitera total sintonia com João Paulo II sobre sacerdócio e celibato

Posted on

O Papa Francisco destacou sua “total sintonia com o pensamento de São João Paulo II no que diz respeito ao sacerdócio” e assegurou que “basta ler minhas cartas da Quinta-feira Santa ou também as homilias que, como Bispo de Buenos Aires, pronunciei ao longo de vários anos”.

O Pontífice se expressou assim no livro-entrevista “São João Paulo Magno”, escrito pelo jornalista italiano Luigi Maria Epicoco, editado pela editora São Paulo e que está à venda a partir desta terça-feira, 11 de fevereiro, na Itália.

O livro é um elogio à figura de São João Paulo II, ao seu Pontificado e à sua herança magisterial. Nele, faz uma defesa absoluta do celibato, que define como “uma graça, não um limite”.

Na entrevista, em várias ocasiões, é comentado e citado o livro de São João Paulo II “Dom e Mistério”, escrito por ocasião dos 50 anos de sua ordenação sacerdotal. O Papa Francisco reafirma sua afinidade com a visão do sacerdote que João Paulo II mostra nesta obra.

Sobre se o sacerdócio hoje deveria ser diferente de como foi concebido no passado, Francisco afirma que, “em relação a ontem, algumas formas de ser sacerdote mudaram, mas o essencial permanece igual”.

Em relação ao celibato, no livro, assinala que está “convencido de que o celibato é um dom, uma graça e, caminhando no caminho de Paulo VI e depois de João Paulo II e Bento XVI, sinto fortemente o dever de pensar no celibato como uma graça decisiva que caracteriza a Igreja Católica Latina. Repito: é uma graça, não um limite”.

Do mesmo modo, sublinha que “o sacerdote é chamado, principalmente, a mostrar esse amor misericordioso” de Deus, porque, “onde há um coração misericordioso, há um sinal claro da ação de Deus”.

“Precisamente, São João Paulo II morreu na primeira véspera da Festa da Divina Misericórdia, uma festa querida por ele, por causa daquele vínculo profundo que sentiu desde que era sacerdote em Cracóvia, com a espiritualidade de Santa Faustina Kowalska”.

Elogio a São João Paulo II

No livro, Francisco elogia a figura de São João Paulo II, “um homem de Deus, um homem de oração. Bastava vê-lo rezar para perceber como se submergia completamente no mistério de Deus”.

Recorda suas impressões quando ouviu João Paulo II falar pela primeira vez depois de sua eleição como Papa: “Tive uma sensação muito boa. Essa impressão foi reforçada imediatamente depois, quando me disseram que era um capelão universitário, um professor de filosofia, montanhista, esquiador, atleta, um homem que rezava muito. Gostei muito. Eu senti uma grande simpatia por ele”.

“Acho que não podemos esquecer os sofrimentos deste grande Papa”. Em sua opinião, a sensibilidade de São João Paulo II pela misericórdia, além de estar sustentada na espiritualidade de Santa Faustina Kowalska, estava fortemente influenciada “pelas perseguições comunistas e nazistas, das quais foi espectador. Ele sofreu muito!”.

Em sua opinião, São João Paulo II foi fundamental para a queda dos regimes comunistas e, em particular, para a queda do Muro de Berlim: “Naquele momento histórico, João Paulo II foi um intérprete das aspirações do povo pela liberdade e uniu todas aquelas boas forças que resultaram em uma mudança decisiva”.

Francisco também destacou a grande proximidade de João Paulo II ao povo: “Era um pastor que amava as pessoas e as pessoas lhe devolviam um imenso amor”.

Além disso, enfatizou seu sentido de liberdade, que exerceu inclusive em sua doença: “João Paulo II foi um homem livre, até o fim, e também na imensa fraqueza que viveu”. “O testemunho dele foi extraordinário, até a cruz. Foi o que o Senhor lhe pedia naquele momento concreto”.

Teologia da libertação

Por outro lado, na conversa com o jornalista italiano, o Papa Francisco destacou como a ação de João Paulo II foi essencial para impedir que o marxismo, através da teologia da libertação, causasse estragos na Igreja.

“Muitos países (na América Latina) tiveram dificuldade para compreender como a teologia da libertação, que usava uma análise marxista, representava o risco de seguir um caminho ideológico que, em certo sentido, poderia trair a mensagem genuína do Evangelho”.

Pelo contrário, “João Paulo II vinha de um país que tinha sofrido o marxismo e tinha uma grande capacidade para intuir esse risco”.

Assim, “compreende-se como algumas de suas indicações não foram movidas pelo fechamento a determinadas iniciativas, mas pela vontade de querer preservar na genuinidade do Evangelho, as intuições e desejos lícitos que partiam de baixo, de situações de injustiça social, mas que deveriam ser lidas mais à luz do Evangelho do que à luz da análise marxista”.

Sacerdócio feminino

O Papa Francisco também se mostrou em plena sintonia com o magistério de São João Paulo II no que diz respeito ao sacerdócio feminino.

“A questão do sacerdócio feminino é levantada com frequência para mim e eu digo que não apenas concordo com João Paulo II, mas que a questão não está em discussão porque o pronunciamento de João Paulo II foi definitivo”.

Lamentou que “lemos a questão feminina e a questão do sacerdócio em termos funcionais, esquecendo, por outro lado, os termos de importância. Maria tem um papel e uma dignidade superiores à dos apóstolos”.

Ideologia de gênero

Para o Papa Francisco, segundo afirma neste livro-entrevista, uma das modalidades com as quais o mal se mostra no mundo de hoje é a ideologia de gênero. “Dizendo isso, não estou me referindo àqueles que têm uma orientação homossexual”, destacou.

“Faço uma referência mais ampla que afeta uma raiz cultural perigosa que deseja destruir a partir da raiz o projeto criador que Deus quis para cada um de nós: a diversidade, a distinção. Querer fazer tudo homogêneo, neutro. É um ataque à diferença, à criatividade de Deus, ao homem e à mulher”.

Nesse sentido, definiu a ideologia de gênero como “um projeto ideológico que não leva em consideração a realidade, a verdadeira diversidade de pessoas, a unicidade de cada um, a diferença de cada um”.

Fonte:acidigital.com.br

Construirão 400 grutas dedicadas à Virgem Maria na Argentina

Posted on

Buenos Aires, 06 Fev. 20 / 02:00 pm (ACI).- No contexto do Ano Mariano Nacional que a Argentina vive, a Diocese de Catamarca construirá 400 grutas em homenagem a Nossa Senhora do Valle, padroeira desta província.

A iniciativa surgiu da paróquia de Nossa Senhora do Rosário, em Hualfín, departamento de Belén, como forma de destacar os 400 anos do encontro da imagem mariana em Catamarca.

Depois de apresentar a ideia ao Bispo de Catamarca, Dom Luis Urbanc, e aos conselhos pastorais das comunidades paroquiais, aprovou-se a construção das grutas no território paroquial, setor oeste de Catamarca.

Dessa forma, cada comunidade será responsável por levantar 13 grutas.

A primeira gruta foi abençoada em 30 de janeiro em Laguna Blanca. O pároco de Nossa Senhora do Rosário, Pe. Rogelio Suárez, disse que a construção é “muito simples e o material usado é a pedra, porque deve se assemelhar o máximo possível à Gruta de Choya”, lugar onde começou a devoção.

Pe. Suárez acrescentou que participam da construção “docentes, pessoas do município, os avós, as crianças, os jovens, um casal, uma família, quem quiser; todos se envolvem e desta maneira estamos nos preparando para celebrar os 400 anos da Mãe do Valle no meio do povo”.

Entre 8 de dezembro de 2019 e 8 de dezembro de 2020, a Igreja na Argentina vive o Ano Mariano Nacional e, como a Diocese de Catamarca celebra este ano quatro séculos do encontro da imagem da Virgem do Valle em Catamarca , uma das principais atividades é o IV Congresso Mariano Nacional, entre 26 e 28 de abril de 2020.

Também será realizado em setembro de 2020 o Congresso Teológico-Pastoral.

 

fonte: ACI digital

Hoje é celebrada Nossa Senhora de Lourdes

Posted on

Neste dia 11 de fevereiro, a Igreja celebra a Festa de Nossa Senhora de Lourdes, que em uma de suas aparições disse à Santa Bernadette. “Não prometo fazer-te feliz neste mundo, mas sim no próximo”.

Era 11 de fevereiro de 1858, Bernadette, sua irmã e outra menina foram para o campo para encontrar madeira seca, perto de uma gruta. Para chegar lá, tinham que passar por um riacho. Bernadette não se atrevia a entrar porque a água estava muito fria. Ela começou a tirar os sapatos quando de repente ouviu um forte barulho vindo da gruta.

Aproximou-se para ver o que estava acontecendo e ali naquele lugar apareceu a Virgem envolta em uma luz resplandecente, com um traje branco de um tecido desconhecido, uma cinta azul na cintura, um grande véu branco e duas rosas douradas brilhantes que lhe cobriam a parte superior dos pés.

Em suas mãos, a Virgem tinha um grande rosário branco e dourado. Então, juntas, começaram a rezá-lo. No domingo, 14 de fevereiro, Bernadette rezava na gruta a primeira dezena do rosário e Maria apareceu. A menina jogou água benta para garantir que não era uma obra do inimigo. A Virgem sorriu, fez o sinal da cruz com o rosário e rezaram juntas.

Na quinta-feira, 18, a Virgem pediu a Bernadette que regressasse quinze dias seguidos à gruta. Diante da aceitação e promessa da pequena, Maria prometeu fazê-la feliz no outro mundo. Os rumores das aparições começaram a se espalhar.

Em 19 de fevereiro, Bernadette foi com uma vela abençoada e acesa. Assim, nasceu o hábito de ir com velas para acendê-las diante da gruta. Em 20 de fevereiro, a Senhora ensinou uma oração pessoal a Bernadette.

No domingo, 21, a menina viu que a Virgem estava triste, perguntou o que se passava e Nossa Senhora lhe respondeu: “Orai pelos pecadores”. Por esta altura, as autoridades ameaçaram levar Bernadette para a cadeia e todos zombavam dela.

No dia 22, a Virgem não apareceu, mas a menina não perdeu a esperança de voltar a vê-la. No dia 23, dez mil pessoas foram ver o que acontecia. A Virgem apareceu a Bernadette e pediu que dissesse aos sacerdotes que elevassem ali um santuário, onde se deveria ir em procissão.

A menina foi e comentou com o sacerdote, quem, em troca pediu o nome da Senhora e que florescesse uma roseira silvestre onde ela aparecia.

No dia 24, a pequena contou tudo à Virgem, que somente sorriu. Logo, Maria mandou que rezasse pelos pecadores e exclamou: “Penitência! Penitência! Penitência! Reze pela conversão dos pecadores! Beija a terra pela conversão dos pecadores!”. Bernadette fez isso e pediu aos espectadores que fizessem o mesmo.

Em 25 de fevereiro, a Virgem ordenou-lhe beber, lavar os pés na fonte e comer grama. Bernadette, sob a direção de Maria, cavou no fundo da fruta e começou a jorrar água.

No dia 26, o primeiro milagre ocorre. O pobre trabalhador Bourriete, que havia mutilado seu olho esquerdo, rezou e esfregou o olho com a água da fonte. Então, ele começou a gritar de alegria e recuperou a vista. Em 27 de fevereiro, a Virgem permaneceu em silêncio, Bernadette bebeu a água da fonte e fez gestos recorrentes de penitência.

Em 28, Bernadette foi à gruta, mas depois seguiu para os juízes e foi ameaçada de ir para a cadeia. À noite, Catarina Latapie molhou seu braço deslocado e o braço e a mão recuperaram a sua agilidade, produzindo um segundo milagre.

Na terça-feira, 2 de março, Bernadette foi novamente ao pároco para lhe recordar o pedido da Virgem.

Em 3 de março, a pequena perguntou de novo seu nome e a Virgem sorriu. Naquele dia, uma mãe em desespero levou seu filho que estava quase morto. Colocou-o 15 minutos na água fria e quando chegou em casa notou melhoras na respiração da criança.

No dia seguinte, o menino estava cheio de vida e completamente saudável. Os médicos certificaram o milagre e o chamaram de primeira ordem.

Em 4 de março, no final dos quinze dias, a aparição permaneceu silenciosa. No dia 25 do mesmo mês, a Virgem apareceu a Bernadette, ergueu os olhos ao céu, juntou em sinal de oração as mãos que estavam abertas e estendidas em direção ao chão e disse a Bernadette: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

A menina saiu correndo para dizer ao pároco, que se comoveu diante da revelação do nome já que quatro anos antes tinha sido proclamado o dogma da Imaculada Conceição.

Em 7 de abril, Bernadette na gruta e em êxtase colocou a mão sobre a chama da vela que tinha trazido e não se queimou. Depois da aparição, sua mão estava ilesa e foi comprovado por um médico que testemunhou o ocorrido.

Em 16 de julho, ocorreu a última aparição. Bernadette sentiu o chamado misterioso e ao chegar à gruta se deu conta de que estava cercada e não era possível passar. Dirigiu-se, então, ao outro lado, em frente da gruta, e viu a Mãe de Deus. “Me pareceu que estava diante da gruta, na mesma distância que das outras vezes, não via mais do que a Virgem. Jamais a tinha visto tão bela!”, disse Santa Bernadette.

Alguns consideram que a aparição de Nossa Senhora de Lourdes é um agradecimento do céu pelo dogma da Imaculada Conceição e é exaltação das virtudes de pobreza e humildade como tinha a pequena Bernadette.

Além disso, afirmam que é um chamado para aceitar a cruz para ser feliz na outra vida, a importância da oração, do Santo Rosário e da penitência com uma misericórdia infinita pelos pecadores e enfermos.

A água da gruta foi analisada por químicos, que assinalaram que é uma água virgem, pura, natural, sem propriedade térmica e na qual nenhuma bactéria sobrevive. Para os cristãos, este é um símbolo da Imaculada Conceição.

Fonte:acidigital.com.br

Há 7 anos Bento XVI anunciou a renúncia ao pontificado

Posted on

Em uma surpreendente e histórica decisão, o então Papa Bento XVI anunciou há 7 anos, no dia 11 de fevereiro de 2013, sua renúncia ao pontificado.

Naquela ocasião, disse que, devido à idade avançada (completaria 86 anos) já não tinha forças para exercer adequadamente o ministério petrino. O então Santo Padre informou que a partir do dia 28 de fevereiro de 2013, às 20h (hora local), a Sé de Pedro ficaria vacante.

O então Pontífice anunciou sua renúncia durante o Consistório público para as canonizações dos 800 mártires de Otranto, Madre Laura, a primeira Santa colombiana, e Madre Lupita do México. Antes de manifestar sua resolução, disse aos presentes que tomaria uma “decisão importantíssima para a vida da Igreja”.

O Cardeal Angelo Sodano, Decano do Colégio Cardinalício e Secretário de Estado Vaticano durante o pontificado de João Paulo II, expressou depois do anúncio: “Estamos incrédulos ante suas palavras… Em nome de todos os cardeais, estamos próximos ao senhor neste momento como o estivemos nestes oito luminosos anos de seu pontificado”.

No dia 28 de fevereiro de 2013, às 20h (hora local), a Sé de Pedro ficou vacante até que no dia 13 de março daquele ano foi eleito no Conclave como novo Pontífice o Cardeal Jorge Mario Bergoglio, que assumiu o nome de Francisco.

A seguir, reproduzimos na íntegra o comunicado de renúncia do Papa Bento XVI em 11 de fevereiro de 2013:

Caríssimos Irmãos,

“Convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja.

Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino.

Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando.

Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado.

Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20:00, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.

Caríssimos irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora, confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus”.

Fonte:acidigital.com.br

A vida é sacra, não ceder a formas de eutanásia: mensagem do Papa para o Dia do Enfermo

Posted on
“Lembremo-nos de que a vida é sacra e pertence a Deus, sendo por conseguinte inviolável e indisponível. A vida há de ser acolhida, tutelada, respeitada e servida desde o seu início até à morte”, escreve o Papa.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Vinde a Mim”: as palavras de Cristo dirigidas à humanidade aflita e sofredora inspiraram a Mensagem do Papa Francisco para Dia Mundial do Enfermo, que chega à sua 28º edição.

Celebrado, como todos os anos, no dia 11 de fevereiro, dia de Nossa Senhora de Lourdes, o tema para 2020 foi extraído do Evangelho de Mateus 11, 28: “Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei de aliviar-vos”.

“No XXVIII Dia Mundial do Enfermo, Jesus dirige este convite aos doentes e oprimidos, aos pobres cientes de dependerem inteiramente de Deus para a cura de que necessitam sob o peso da provação que os atingiu. A quem vive na angústia devido à sua situação de fragilidade, sofrimento e fraqueza, Jesus Cristo não impõe leis, mas, na sua misericórdia oferece-Se a Si mesmo, isto é, a sua pessoa que dá alívio.”

Ouça a reportagem

Ao tratamento, acrescentar o amor

Jesus tem esses sentimentos, prossegue o Pontífice, porque Ele mesmo viveu em primeira pessoa o sofrimento humano e só quem passa por esta experiência poderá ser de conforto aos demais.

De fato, constata o Papa, nota-se por vezes falta de humanidade na relação com os doentes. Ao tratamento, deve-se somar a solicitude, ou seja, o amor, sem esquecer com o enfermo há uma família que também ela pede conforto e proximidade.

É de Cristo que vem a luz para superar este momento de provação. Nele, os doentes encontrarão força para ultrapassar as inquietações e interrogativos que surgem nesta «noite» do corpo e do espírito. É verdade que Cristo não nos deixou receitas, mas, com a sua paixão, morte e ressurreição, liberta-nos da opressão do mal.

Nesta condição, reforça Francisco, a Igreja quer ser, cada vez mais e melhor, a «estalagem» do Bom Samaritano que é Cristo, isto é, a casa onde os enfermos podem encontrar a sua graça, que se expressa na familiaridade, no acolhimento, no alívio.

Não ceder a formas de eutanásia

A este ponto, o Papa fez uma menção aos profissionais da saúde, que colocam suas competências em prol do enfermo. E recorda que o substantivo “pessoa” deve vir antes do adjetivo “enfermo”.

Assim, a ação de médicos e enfermeiros têm que ter em vista “constantemente a dignidade e a vida da pessoa, sem qualquer cedência a atos de natureza eutanásica, de suicídio assistido ou supressão da vida, nem mesmo se for irreversível o estado da doença”.

Quando os profissionais da saúde se deparam com os limites e o possível fracasso da medicina, são chamados a se abrir à dimensão transcendente, “que pode oferecer o sentido pleno da profissão”. E lamentou que em contextos de guerras e conflitos, os profissionais e as estruturas de saúde podem ser atacados como forma de represália política.

“Lembremo-nos de que a vida é sacra e pertence a Deus, sendo por conseguinte inviolável e indisponível. A vida há de ser acolhida, tutelada, respeitada e servida desde o seu início até à morte”, escreve o Papa. Trata-se de uma exigência não só que vem da fé em Deus, mas da própria razão.

E Francisco pede que a objeção de consciência se torne uma opção necessária para que os profissionais da saúde permaneçam coerentes com esta abertura à vida. Quando não se pode curar, pode-se sempre cuidar com gestos e procedimentos que proporcionem amparo e alívio ao doente.

Acesso negado à saúde

Por fim, o Papa reserva seu pensamento a tantos irmãos no mundo que não têm acesso aos cuidados médicos porque vivem na pobreza.

“Por isso, dirijo-me às instituições sanitárias e aos governos de todos os países do mundo, pedindo-lhes que não sobreponham o aspecto econômico ao da justiça social.”

Fonte:vaticannes.va

Hoje a Igreja celebra Santa Escolástica, virgem e irmã gêmea de São Bento

Posted on

Santa Escolástica foi uma religiosa italiana, irmã gêmea de São Bento de Núrsia, que também se consagrou a Deus desde jovem.

Os beneditinos asseguram que, enquanto eu irmão residia em Monte Cassino (Itália), ela se estabeleceu em Plombariola, fundando e governando um convento da mesma regra.

Entretanto, outras fontes dizem que também é provável que tenha vivido em uma ermida com uma ou duas mulheres religiosas na base de Monte Cassino, onde há uma antiga igreja que leva o seu nome.

Santa Escolástica nasceu por volta do ano 480, no município italiano de Núrsia, no seio de uma família nobre.

A história mais comum sobre a santa é que costumava rezar e compartilhar sobre a vida espiritual com seu irmão uma vez por ano, quando ia visitá-lo. Mas, como não era permitido entrar no mosteiro, ele saía ao seu encontro.

Sobre sua última visita, São Gregório faz uma notável descrição, na qual a santa, pressentindo que não voltaria a ver seu irmão, pediu-lhe que não partisse naquela noite, mas no dia seguinte, mas São Bento se sentiu incapaz de romper as regras de seu mosteiro.

Então, Santa Escolástica apelou a Deus com uma oração fervorosa, para que intervisse em sua ajuda e, imediatamente, se deu uma forte tempestade que impediu que seu irmão regressasse ao mosteiro.

Os dois santos passaram a noite falando sobre coisas santas e assuntos espirituais. Três dias depois, a santa morreu e seu irmão, que estava envolvido em oração, teve a visão da alma de sua irmã ascendendo ao céu em forma de pomba.

Santa Escolástica é a fundadora do ramo do monarquismo beneditino para mulheres.

É padroeira das monjas, das crianças que sofrem convulsões e de cidades como Le Mans, na França, ou Alcolea de Calatrava, na Espanha. Também é invocada frente às tempestades e chuvas. Sua festa é celebrada em 10 de fevereiro.

Fonte:acidigital.com.br

Hoje é a festa de São José Sánchez del Río, o menino cristero que morreu mártir

Posted on

São José Sánchez del Río foi um menino que se alistou nas filas dos cristeros e que morreu mártir na perseguição religiosa que o México sofreu na segunda década do século XX.

Nasceu em 28 de março de 1913, em Sahuayo, Michoacán (México).

Em 1926, quando foi decretada a suspensão do culto público em seu país pelo governo de Plutarco Elías Calles, José tinha apenas 13 anos e 5 meses.

Naquele tempo, como resposta à legislação anticlerical que estava orientada a restringir a liberdade religiosa, leigos, presbíteros e religiosos católicos decidiram se levantar com armas em defesa da fé e lhes foi dado o nome de Cristeros.

Estima-se que 250 mil pessoas as perderam a vida na guerra em ambos os lados.

“Joselito”, como é conhecido o pequeno, pediu permissão a seus pais para se alistar como soldado do general Prudencio Mendoza e defender a causa de Cristo e de sua Igreja.

Sua mãe tentou dissuadi-lo, mas ele lhe disse: “Mamãe, nunca foi tão fácil ganhar o céu como agora e não quero perder a oportunidade”.

São José Sánchez del Río foi torturado e assassinado no dia 10 de fevereiro de 1928, aos 14 aos, por oficiais do governo de Calles, porque se negou a renunciar sua fé.

Cortaram-lhe a sola dos pés e foi conduzido descalço até o seu túmulo. Enquanto caminhava, José rezava e gritava “Viva Cristo Rei e a Virgem de Guadalupe!”.

Diante de seu túmulo, foi pendurado em uma árvore e esfaqueado. Um dos carrascos o desceu e perguntou que mensagem deixava aos seus pais. O menino respondeu: “Que viva Cristo Rei e que nos veremos no céu”. Diante dessa resposta, o homem lhe deu um tiro na cabeça e o matou.

São José Sánchez del Río foi beatificado em Guadalajara (México), em 20 de novembro de 2005, pelo Cardeal José Saraiva Martins, e canonizado em Roma (Itália), pelo Papa Francisco, em 16 de outubro de 2016.

Em 2012, estreou ‘Cristiada’, um filme que conta vários momentos da Guerra Cristera e da vida do Beato Anacleto González, de São José Sánchez del Río e de outros santos mártires.

Fonte:acidigital.com.br