Santuário Astorga

Author Archives: admin

LITURGIA-17 DE SETEMBRO TERÇA FEIRA

Posted on

24ª SEMANA COMUM

(verde – ofício do dia)

Ouvi, Senhor, as preces do vosso servo e do vosso povo eleito: dai a paz àqueles que esperam em vós, para que os vossos profetas sejam verdadeiros (Eclo 36,18).

Quando fiéis, os ministros da Igreja ajudam o povo a sair das situações de sofrimento e morte. Reconhecendo na Eucaristia o Deus que nos visita, peçamos-lhe a graça de sempre trilhar o caminho do bem.

Primeira Leitura: 1 Timóteo 3,1-13

Leitura da primeira carta de são Paulo a Timóteo – Caríssimo, 1eis uma palavra verdadeira: quem aspira ao episcopado saiba que está desejando uma função sublime. 2Porque o bispo tem o dever de ser irrepreensível, marido de uma só mulher, sóbrio, prudente, modesto, hospitaleiro, capaz de ensinar. 3Não deve ser dado a bebidas nem violento, mas condescendente, pacífico, desinteressado. 4Deve saber governar bem sua casa, educar os filhos na obediência e castidade. 5Pois quem não sabe governar a própria casa, como governará a Igreja de Deus? 6Não pode ser um recém-convertido, para não acontecer que, ofuscado pela vaidade, venha a cair na mesma condenação que o demônio. 7Importa também que goze de boa consideração da parte dos de fora, para que não se exponha à infâmia e caia nas armadilhas do diabo. 8Do mesmo modo, os diáconos devem ser pessoas de respeito, homens de palavra, não inclinados à bebida nem a lucro vergonhoso. 9Possuam o mistério da fé junto com uma consciência limpa. 10Antes de receber o cargo, sejam examinados; se forem considerados dignos, poderão exercer o ministério. 11Também as mulheres devem ser honradas, sem difamação, mas sóbrias e fiéis em tudo. 12Os diáconos sejam maridos de uma só mulher e saibam dirigir bem os seus filhos e a sua própria casa. 13Pois os que exercem bem o ministério recebem uma posição de estima e muita liberdade para falar da fé em Cristo Jesus. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 100(101)

Viverei na pureza do meu coração!

  1. Eu quero cantar o amor e a justiça, / cantar os meus hinos a vós, ó Senhor! / Desejo trilhar o caminho do bem, / mas quando vireis até mim, ó Senhor? – R.
  2. Viverei na pureza do meu coração, / no meio de toda a minha família. / Diante dos olhos eu nunca terei / qualquer coisa má, injustiça ou pecado. – R.
  3. Farei que se cale diante de mim / quem é falso e, às ocultas, difama seu próximo; / o coração orgulhoso, o olhar arrogante / não vou suportar e não quero nem ver. – R.
  4. Aos fiéis desta terra eu volto meus olhos; / que eles estejam bem perto de mim! / Aquele que vive fazendo o bem / será meu ministro, será meu amigo. – R.
Evangelho: Lucas 7,11-17

Aleluia, aleluia, aleluia.

Um grande profeta surgiu entre nós, / e Deus visitou o seu povo (Lc 7,16). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 11Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. 12Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. 13Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores!” 14Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” 15O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. 16Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta apareceu entre nós, e Deus veio visitar o seu povo”. 17E a notícia do fato espalhou-se pela Judeia inteira e por toda a redondeza. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus, seus discípulos e grande multidão deparam-se com um caso de extrema desolação: uma senhora, tendo perdido o marido, perde também o filho único e o leva para sepultar. Por isso, Jesus enche-se de compaixão e, sem que a viúva lhe peça, antecipa-se interrompendo-lhe o choro. Detém o cortejo fúnebre e dá ao defunto a ordem de levantar-se. A palavra poderosa de Jesus restitui a vida ao jovem, devolve-lhe também a palavra (“o morto sentou-se e começou a falar”), e desencadeia o reconhecimento dos assistentes: “Glorificavam a Deus, dizendo: ‘Um grande profeta apareceu entre nós. Deus visitou o seu povo’”. É a mesma expressão que encontramos no Cântico de Zacarias (cf. Lc 1,68.69). Deus, por meio de Jesus, visita o povo, dando-lhe liberdade e vida.

Fonte/texto:paulus.com.br

Brasília (DF) acolhe Encontro Nacional dos Bispos Eméritos

Posted on

A Comissão Especial para os Bispos Eméritos realizou, entre os dias 10 e 13 de setembro, a quinta edição do Encontro Nacional dos Bispos Eméritos, no Centro Cultural Missionário (CCM), em Brasília (DF). A iniciativa que reúne bispos eméritos de todo o Brasil – hoje 174 – tem a finalidade de propor a “troca de experiências e partilhas”.

Com uma programação especial, o encontro destacou assuntos relevantes para a vida e missão do bispo emérito, entre eles a questão da saúde dos religiosos. Para isso, os prelados tiveram palestras com médicos e especialistas no assunto, especificamente das áreas de urologia e cardiologia.

Dom Luiz Soares Vieira, arcebispo emérito de Manaus (AM) e presidente da Comissão Especial para os Bispos Eméritos. Crédito: Daniel Flores/CNBB

Os bispos também tiveram um diálogo com o arcebispo emérito de Aparecida (SP), cardeal Raymundo Damasceno, sobre a vida do bispo emérito a partir da liturgia. O arcebispo emérito de Manaus (AM) e presidente da Comissão, dom Luiz Soares Vieira, disse que o cardeal os levou a momentos de reflexão sobre a época em que eles estão vivendo. “O cardeal nos motivou e nos animou a não ficarmos parados, mas continuarmos a realizar o trabalho de evangelização”, disse.

Do mesmo modo, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Joel Portella, teve a oportunidade de compartilhar com os bispos eméritos a importância das novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, orientações que indicam elementos fundamentais para animação da ação evangelizadora da Igreja no Brasil.

Padre João Cândido Neto, assessor da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB, disse que a reunião conseguiu cumprir o seu foco, que é o de principalmente mostrar que os bispos eméritos não estão sozinhos. “A CNBB está junto com eles e esse é o momento em que cada bispo pôde partilhar um pouco da sua experiência de vida e da sua experiência ainda de pastoral, pois cada um deles, sobretudo os que estão aqui, ainda estão realizando algum trabalho pastoral”, conta.

Dom José Albuquerque, bispo auxiliar de Manaus. Crédito: Daniel Flores/CNBB

Referencial do regional Norte 1, que equivale ao Norte do Amazonas e ao Estado de Roraima, dom José Albuquerque, também estava no encontro e considerou ser este um momento de fraternidade entre os participantes. Ele afirma que os bispos eméritos continuam fazendo parte da Conferência e ainda ajudam muito no ministério episcopal.

A beleza desse encontro é fazer com que a gente possa não se esquecer dessa presença que é sempre muito inspiradora, olhando para a vida deles a gente pode sim ter a certeza que eles se dedicaram e continuam se dedicando, entregando a própria vida, sempre na alegria, com despojamento, e a história de cada um é edificante” diz.

Visita à sede da CNBB

Na tarde da quinta-feira, dia 12, os bispos eméritos tiveram a oportunidade de conhecer a sede da CNBB e a editora, a Edições CNBB. O momento foi oportuno para verificar o funcionamento e a gestão dos espaços. Dom Paulo de Conto, bispo emérito de Montenegro (RS), viu a ocasião com grande entusiasmo e carinho por parte dos que o receberam. “Como é bom quando o bispo emérito é benquisto, é amado por todos”, disse. Ele foi escolhido para compor a Comissão para o próximo quadriênio, já que os membros atuais estão finalizando o mandato, com o encontro anual.

Dom José González, bispo emérito de Cajazeiras (PB). Crédito: Daniel Flores/CNBB

Na ocasião, o referencial do regional nordeste 2, dom José González, bispo emérito de Cajazeiras (PB), fez questão de enfatizar que apesar de todos serem eméritos, não quer dizer que são aposentados. “Todos nós em geral temos alguma atividade pastoral no lugar onde estamos, bom relacionamento com os bispos titulares e ajudamos nas paróquias e nos pedidos que a própria diocese faz, de modo que eu em concreto me sinto feliz, ainda útil e pedindo a Deus que me dê saúde para poder continuar ajudando”, falou.

A visita foi encerrada com uma celebração eucarística presidida pelo cardeal Raymundo Damasceno, que acolheu os bispos eméritos e agradeceu  o trabalho realizado pela Comissão ao longo dos quatro anos. “Nessa Eucaristia agradecemos a Deus pelo trabalho que todos esses nossos irmãos realizaram durante esse mandato. Que Deus possa retribuir a eles, e pedimos também pela intercessão da Virgem Maria, cuja memória estamos celebrando no dia de hoje”.

Na ocasião, o cardeal anunciou que a Comissão contará com alguns novos membros para o próximo quadriênio. Os nomes ainda serão confirmados. O encontro encerra-se nesta sexta, 13, e conta com a participação de cerca de vinte bispos.

Fonte/texto:http://www.cnbb.org.br

Hoje começa a novena de São Pio de Pietrelcina, o sacerdote dos estigmas

Posted on

“Coloque vossa confiança na divina bondade de Deus e tenha certeza de que a terra e o céu falharam antes da proteção de vosso Salvador”, dizia o franciscano capuchinho São Pio de Pietrelcina, que recebeu os estigmas de Cristo em seu caminho de santificação.

Próximos a sua festa que é celebrada em 23 de setembro, apresentamos uma novena de preparação e em sua honra, cortesia da Editora Cléofas.

Coroa ao Sagrado Coração de Jesus

1. Ó meu Jesus, que dissestes: “Em verdade vos digo, pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e ser-vos-á dado!” Eis que bato, procuro e peço a graça. Pai Nosso Ave Maria e Glória. Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!

2. Ó meu Jesus, que dissestes: “Em verdade, vos digo, qualquer coisa que pedis ao meu Pai em meu nome, Ele vo-lo concederá!” Eis que ao Vosso Pai, em Vosso nome, eu vos peço a graça. Pai Nosso Ave Maria e Glória. Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!

3. Ó meu Jesus, que dissestes: “Em verdade, vos digo, passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão!” Eis que, apoiado na infalibilidade das Vossas santas palavras, eu Vos peço a graça. Pai Nosso Ave Maria e Glória. Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!

Oração: Ó Sagrado Coração de Jesus, a quem uma única coisa é impossível, isto é, a de não ter compaixão dos infelizes, tende piedade de nós, míseros pecadores, e concedei-nos as graças que Vos pedimos por intermédio do Coração Imaculado da Vossa e nossa terna Mãe. São José, Amigo do Sagrado Coração de Jesus, rogai por nós.

Rezar a Salve Rainha

1° Dia

Amado São Pio de Pietrelcina, você carregou em seu corpo os sinais da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. Você levou a Cruz para todo o mundo, enquanto aguentava os sofrimentos físicos e morais que flagelavam sua alma e seu corpo em um martírio contínuo. Nós o imploramos, por favor, reze a Deus para nós, assim cada um de nós poderá aceitar as pequenas e as grandes Cruzes da vida, e todo o mundo poderá transformar o sofrimento individual em vínculo seguro que nos liga à Vida Eterna.

“É uma grande vantagem conformar-se aos sofrimentos que Jesus enviará a você. Jesus, que não supor ver que você sofre, virá socorrê-lo e o confortar, enquanto infunde uma coragem nova em sua alma .” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

2º Dia

São Pio de Pietrelcina, que está junto com Nosso Senhor Jesus, tu que soubestes resistir às tentações do maligno. Sofrestes os golpes e a opressão do endiabrado do inferno que quis induzi-lo a abandonar a sua estrada de santidade. Nós o imploramos, por favor, reze a Deus por nós, de forma que, com a sua ajuda e com ajuda de todo o Reino Divino, nós possamos achar a força para abandonar o pecado e perseverar de fato na fé até o dia de nossa morte.

“Coragem e não tema as agressões do Diabo. Lembrem-se disto sempre: ‘É um sinal bom se o inimigo gritar e rogar o seu perjúrio ao seu redor – isto mostra que ele não está dentro de você.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

3° Dia

Virtuosíssimo Padre São Pio de Pietrelcina: você amou muito Nossa Senhora, de quem recebeu, diariamente, graças e consolações. Nós imploramos, por favor, reze à Mãe Santa por nós, enquanto coloca nas mãos Dela nossos pecados e nossas orações sem fé, de forma que, como em Caná da Galileia, o Filho atenda a Mãe e nosso nome seja escrito no Livro da Vida.

“Que Maria seja a estrela que ilumina seu caminho, e que ela lhes mostre o modo seguro para seguir o Pai Celestial. Ela é como uma âncora, na qual vocês têm que se agarrar e conservar-se cada vez mais unidos e firmes nos momentos de tentação.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

4º Dia

Castíssimo Padre São Pio de Pietrelcina, que tanto amastes e nos ensinastes a amar o Santo Anjo da Guarda, o que te serviu de companhia, de guia, de defensor e de mensageiro. A ti as figuras Angélicas levaram os rogos dos teus filhos espirituais. Intercede a Deus por nós para que também nós aprendamos a falar com nosso Anjo da Guarda, para que a todo o momento saibamos obedecer-lhe, pois és a luz viva de Deus que nos livra da desgraça de cair em pecado. Nosso Anjo sempre está pronto a ensinar-nos os caminhos do bem e a dissuadir-nos de fazer o mal.

“Invoca o teu Anjo da Guarda, que te iluminará e te conduzirá. Deus O te deu por este motivo. Por tanto vale-te Dele.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

5° Dia

Prudentíssimo Padre São Pio de Pietrelcina. Tu que tanto amas e nos ensinastes a amar as Almas do Purgatório; por elas que te oferecestes como vitima de expiação, dos pecados delas. Roga a Deus Nosso Senhor, para que ponha em nossos corações sentimentos de compaixão e amor por estas almas. Também nós ajudaremos as Almas do Purgatório e reduziremos seus tempos de desterro e de grande aflição. Conseguiremos para elas, com sacrifícios e orações, o descanso eterno de suas almas, e as Santas Indulgências necessárias para tirá-las do lugar de sofrimento.

“Ó Senhor, Jesus Cristo, te suplico derrame sobre mim, todos os castigos que são para os pecadores e as Almas Benditas do Purgatório, multiplica sobre mim os sofrimentos, com os quais convertes e salva os pecadores, e livra-los salvos do tormento do purgatório.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

6º Dia

Obediente São Pio de Pietrelcina, tu amastes aos enfermos mais do que a ti mesmo vendo neles Jesus. Tu que em nome do Senhor operaste milagres de curas no corpo, devolvendo a esperança de uma vida e renovamento no Espírito. Roga a Senhor a fim de que todos os enfermos, por intercessão de Maria Santíssima, possam experimentar teu potente patrocínio e através da cura corporal possam tirar vantagens espirituais para agradecer e louvar o Senhor Deus eternamente.

“Se depois eu sei que uma pessoa está aflita, seja na alma ou no corpo, o que eu não faria junto do Senhor para vê-la livres dos seus males? Com prazer me carregaria para vê-la salva de todas as suas aflições, cedendo em seu favor os frutos de tais sofrimentos, se o Senhor mo permitisse.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

7º Dia

Benditíssimo Padre São Pio de Pietrelcina. Tu que tens realizado o projeto de salvação de Deus e tens oferecido teus sofrimentos para desatar os pecadores das redes de Satanás. Roga a Deus para que os homens, que não creem, tenham uma grande e verdadeira fé e se convertam; arrependendo-se do fundo de seus corações, e que as pessoas com pouca fé melhorem sua vida cristã, e que os homens justos continuem sobre o caminho da salvação.

“Se o pobre mundo puder-se ver a beleza da alma sem pecado, todos os pecadores, todos os incrédulos se converteriam naquele instante.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

8° Dia

Puríssimo Padre São Pio de Pietrelcina, Tu que quisestes muito bem aos teus filhos espirituais. Muitos dos teus filhos tem sido comprados por ti com o preço do teu sangue. Também nos concedes a nós que não te conhecemos pessoalmente, de consideramos como teus filhos espirituais. Com tua paternal proteção, com tua santa orientação, com a força que conseguiras para os outros filhos de Deus, podermos, no momento da morte, encontra-te nas portas do Paraíso, esperando a nossa chegada.

“Se me fosse possível, queria conseguir de Deus somente uma coisa, ‘que me disse-se Vá para o Paraíso’ queria conseguir esta graça ‘Senhor, não me deixe ir ao Paraíso até que o último dos meus filhos, a última das pessoas que me foram confiadas, tenha entrado antes que eu.” Padre Pio

Rezar a Coroa ao Sagrado Coração

9° Dia

Humilde Padre Pio de Pietrelcina, Tu que és verdadeiramente amado pela Santa Madre Igreja; Roga à Deus, Nosso Senhor, ao Senhor das messes, para que mande trabalhadores a sua santa obra, e dê a cada um deles segundo o seu santo trabalho; De maneira que tenhamos no mundo, sacerdotes santos; Que estes obtenham a força e a inspiração divina. Ao mais, nós te rogamos à intercessão junto a Santíssima Sempre Virgem Maria; Para que conduza todos os homens a uma unidade de cristãos, reunidos na grande casa de Deus; Para que a Santa Igreja seja o Farol de luz e salvação, neste mar de tempestades que é a vida de hoje.

“Sempre se mantenha unido a Santa Igreja Católica, porque somente ela pode salvar-te, porque somente ela possui o Jesus Sacramentado, que é o verdadeiro príncipe da paz.” Padre Pio

Fonte/texto:acidigital.com.br

 

Hoje a Igreja celebra São Cornélio e São Cipriano, amigos defensores da fé

Posted on

Neste dia 16 de setembro, a Igreja celebra o Papa São Cornélio e o Bispo São Cipriano, dois amigos que se opuseram às heresias e blasfêmias de seu tempo. O que os levou a morrer como mártires.

Cornélio significa “duro como chifre” e durante sua vida honrou seu nome, pois enfrentou com firmeza a heresia de Novaciano, que proclamava que a Igreja Católica não tinha poder para perdoar os pecados. Entretanto, o Papa se opôs e sustentou o perdão para o pecador verdadeiramente arrependido.

Entre os que apoiavam o Papa estava São Cipriano, o qual o respaldou contra a heresia de Novaciano.

Porém, o sofrimento de São Cornélio não seria apenas por questões internas na Igreja, mas também pela perseguição aos cristãos por parte do imperador Décio. Foi envido ao desterro e morreu decapitado no ano 253.

Cipriano, Bispo de Cartago, por sua vez, sofreu do mesmo modo a perseguição de Décio e do imperador Valeriano. Mais tarde, decretaram pena de morte a ele por continuar celebrando cerimônias religiosas e se opor a oferecer sacrifícios aos deuses. Ele, ao ouvir sua sentença, exclamou: “Graça sejam dadas a Deus”. Em seguida, foi decapitado em setembro de 258.

Assim, os dois amigos, unidos na fé e no apoio em tempos difíceis, padeceram o mesmo suplício e deram testemunho aos demais cristãos para que permaneçam firmes na Verdade.

Fonte/texto:acidigital.com.br

O Papa na Casa Santa Marta: rezar pelos governantes, eles farão o mesmo pelo povo

Posted on
Depois da pausa de verão, o Papa celebrou nesta manhã (16/09) a missa matutina na Capela da Casa Santa Marta. Sua reflexão foi centralizada na Primeira Carta de São Paulo a Timóteo encorajando a rezar a Deus também pelos governantes.

Cidade do Vaticano

Rezar também pelos governantes e pelos políticos, para que “possam levar adiante com dignidade sua vocação”. São palavras do Papa Francisco na Missa desta manhã (16/09) na capela da Casa Santa Marta, a primeira depois da pausa de verão.

Ouça e compartilhe!

A oração

Refletindo sobre a Primeira Carta de São Paulo apóstolo a Timóteo, o Pontífice observa quanto seja encorajado a “todo o povo de Deus” a rezar, por um “pedido universal”: sejam feitos “sem cólera e sem polêmicas”, evidencia Francisco, “pedidos, súplicas, orações e agradecimentos para todos os homens” e ao mesmo tempo “pelos reis e por todos os que estão no poder” para que tenham “uma vida calma e tranquila, digna e dedicada a Deus”.

Paulo evidencia o ambiente de uma pessoa que crê: é a oração. É a oração de intercessão, aqui: “Que todos rezemos por todos, para que possamos levar uma vida calma e tranquila, digna e dedicada a Deus”. É necessária a oração a para que isso seja possível. Mas há um detalhe que gostaria de me deter: “Para todos os homens – e depois acrescenta – pelos reis e por todos os que estão no poder”. Portanto trata-se da oração pelos governantes, pelos políticos, pelas pessoas que são responsáveis de levar adiante uma instituição política, um país, uma província.

Rezar pelos que pensam diversamente

Esses, afirma, recebem “adulações por parte de seus favoritos ou insultos”. Há políticos, mas também padres e bispos, diz o Papa, que são insultados, “alguns o merecem”, acrescenta, mas já se torna “um hábito” recordando o que define um “acúmulo de insultos e de palavrões, de depreciações”. Ainda assim quem está no governo “têm a responsabilidade de conduzir o país”: e nós – pergunta-se o Pontífice – “o deixamos só, sem pedir a Deus que o abençoe?”. “Tenho certeza” – prossegue – que não se reza pelos governantes, ao contrário: poderia parecer que a oração aos governantes seja “insultar-lhes”. E assim, constata, “segue nossa vida nas relações” com quem está no poder. Mas São Paulo, explica, é “claro” ao pedir que se “reze por cada um deles para que possam levar adiante uma vida calma, tranquila, digna para seu povo”. Por fim recorda como os italianos passaram recentemente por uma “crise de governo”.

Quem de nós rezou pelos governantes? Quem de nós rezou pelos parlamentares? Para que possam ir de acordo e levar adiante a pátria? Parece que o espírito patriótico não chega à oração; mas sim às desqualificações, ao ódio, às brigas, e termina assim. Portanto, quero que em todos os lugares as pessoas rezem, levantando as mãos puras para o céu, sem raiva e sem polêmicas”. É preciso discutir e esta é a função de um parlamento. Discutir, mas não destruir o outro. Aliás, é preciso rezar pelo outro, por aquele que tem uma opinião diferente da minha.

Chamado à conversão

Diante dos que pensam que aquele político é “muito comunista” ou “corrupto”, o Papa, citando a passagem do Evangelho de Lucas de hoje, não pede para “discutir sobre política”, mas para rezar. Depois, há quem diga que “a política é suja”. Mas, Paulo VI, sublinhou Francisco, considerava a política “a mais alta forma de caridade”:

Pode ser suja assim como qualquer outra profissão, qualquer uma… Somos nós que sujamos uma coisa, mas não é a coisa em si que é suja. Acredito que devemos nos converter e rezar pelos políticos de todas as cores, todos eles! Rezar pelos governantes. É isso que Paulo nos pede. Enquanto ouvia a Palavra de Deus, esse fato muito bonito do Evangelho me veio à mente, o governante que reza por um dos seus, esse centurião que reza por um dos seus. Até os governantes devem rezar pelo seu povo e o centurião reza por um servo: “Mas não, ele é meu servo, eu sou responsável por ele”. Os governantes são responsáveis pela vida de um país. É bom pensar que, se o povo reza pelos governantes, os governantes também serão capazes de rezar pelo povo, como esse centurião que reza pelo seu servo.

Fonte/texto:vaticannews.va

16 de Setembro – Santos Cornélio e Cipriano

Posted on

Unidos pela fé e sangue, encontramos como exemplo de amizade e santidade estas testemunhas de Cristo, que foram martirizados no mesmo dia, porém, com diferença de cinco anos.

São Cornélio

Cornélio tinha sido eleito Papa em 251, após um grande período de ausência do pastor por causa da terrível perseguição de Décio. Sua eleição foi contestada por Novaciano, que acusava o Papa de ser muito indulgente para com os que haviam renegado a fé (lapsos) e separaram-se da Igreja.

Por causa dos êxitos obtidos com sua pregação, foi processado e exilado para o lugar hoje chamado Civitavecchici, onde Cornélio morreu. Foi sepultado nas catacumbas de Calisto.

São Cipriano

Uma das grandes figuras do século III, Cipriano, de família rica de Cartago, capital romana na África do Norte. Quando pagão era um ótimo advogado e mestre de retórica, até que provocado pela constância e serenidade dos mártires cristãos, converteu-se entre 35 e 40 anos de idade.

Por causa de sua radical conversão muitos ficaram espantados já que era bem popular. Com pouco tempo foi ordenado sacerdote e depois sagrado Bispo num período difícil da Igreja africana.

Duas perseguições contra os cristãos ocorreram: a de Décio e Valeriano. Estas perseguições marcaram o começo e o fim de seu episcopado, além de uma terrível peste que assolou o norte da África, semeando mortes. Problemas doutrinários, por outro lado, agitavam a Igreja daquela região.

Diante da perseguição do imperador Décio em 249, Cipriano escolheu esconder-se para continuar prestando serviços à Igreja. No ano 258, o santo Bispo foi denunciado, preso e processado. Existem as atas do seu processo de martírio que relatam suas últimas palavras do saber da sua sentença à morte: “Graças a Deus!”

Santos Cornélio e Cipriano, rogai por nós!

 

fonte/texto: cancaonova.com

LITURGIA-16 DE SETEMBRO SEGUNDA FEIRA

Posted on

SANTOS CORNÉLIO E CIPRIANO

PAPA E BISPO MÁRTIRES

(vermelho – ofício da memória)

Alegram-se nos céus os santos que na terra seguiram a Cristo. Por seu amor, derramaram o próprio sangue; exultarão com ele eternamente.

Cornélio, papa nascido na Itália, de grande coração, muito lutou pela unidade da Igreja e pela reconciliação daqueles que a abandonaram por causa das perseguições. Cipriano, bispo nascido na Tunísia, mestre de moral cristã, deu notável contribuição à doutrina sobre a unidade da Igreja. No século 3º, ambos pagaram com a vida sua fé em Cristo. O exemplo destes mártires nos inspire no seguimento de Jesus.

Primeira Leitura: 1 Timóteo 2,1-8

 

Leitura da primeira carta de são Paulo a Timóteo – Caríssimo, 1antes de tudo, recomendo que se façam preces e orações, súplicas e ações de graças por todos os homens; 2pelos que governam e por todos os que ocupam altos cargos, a fim de que possamos levar uma vida tranquila e serena, com toda a piedade e dignidade. 3Isso é bom e agradável a Deus, nosso salvador; 4ele quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. 5Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, 6que se entregou em resgate por todos. Esse é o testemunho dado no tempo estabelecido por Deus, 7e para este testemunho eu fui designado pregador e apóstolo, e – falo a verdade, não minto – mestre das nações pagãs na fé e na verdade. Quero, portanto, que em todo lugar os homens façam a oração, erguendo mãos santas, sem ira e sem discussões. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 27(28)

 

Bendito seja o Senhor, porque ouviu / o clamor da minha súplica!

  1. Escutai o meu clamor, a minha súplica, / quando eu grito para vós; / quando eu elevo, ó Senhor, as minhas mãos / para o vosso santuário. – R.
  2. Minha força e escudo é o Senhor; / meu coração nele confia. / Ele ajudou-me e alegrou meu coração; / eu canto em festa o seu louvor. – R.
  3. O Senhor é a fortaleza do seu povo / e a salvação do seu ungido. / Salvai o vosso povo e libertai-o; / abençoai a vossa herança! / Sede vós o seu pastor e o seu guia / pelos séculos eternos! – R.
Evangelho: Lucas 7,1-10

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Deus o mundo tanto amou, / que lhe deu seu próprio Filho, / para que todo o que nele crer / encontre vida eterna (Jo 3,16). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 1quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum. 2Havia lá um oficial romano que tinha um empregado, a quem estimava muito e que estava doente, à beira da morte. 3O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado. 4Chegando aonde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças esse favor, 5porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”. 6Então, Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. 7Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente ao teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. 8Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado: ‘Faze isto!’, e ele o faz”. 9Ouvindo isso, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. 10Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde. – Palavra da salvação.

Reflexão:

 

Estamos diante de um modelo de fé. Um centurião (chefe de cem soldados, a serviço dos ocupantes romanos) não se dirige diretamente a Jesus, mas envia-lhe uma comitiva de anciãos judeus a pedir-lhe que vá curar seu funcionário a quem tanto estima. Pelos emissários, sabemos que o homem tinha bom coração. Jesus parte com eles. Mas, cheio de humildade e confiança, o militar envia alguns amigos com este recado para Jesus: Diga apenas uma palavra e meu servo ficará curado. Assim acontece, de modo que os emissários, ao voltar para casa, encontram o servo curado. E Jesus, tomado de profunda admiração, engrandece a fé que o pagão demonstrou. Com esse episódio, Lucas já anuncia o tempo em que o Evangelho, pela ação do Espírito Santo, se estenderá também aos não judeus.

Fonte/texto:paulus.com.br

Papa: ninguém pode nos substituir no coração de Deus

Posted on
“Mas esse amor infinito de Deus por nós pecadores, que é o coração do Evangelho, pode ser rejeitado. É o que faz o filho mais velho da parábola. Ele tem em mente mais um patrão do que um pai. É um risco também para nós: acreditar em um deus mais rigoroso do que misericordioso, um deus que derrota o mal com o poder antes que com o perdão”, disse o Santo Padre em sua alocução.

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

Três parábolas narradas no Evangelho de São Lucas, capítulo 15, para falar do quanto somos amados por um Deus que é misericórdia. “Três parábolas maravilhosas, que mostram a sua predileção por aqueles que se sentem distantes dele.”

Em duas oportunidades em sua alocução, antes de rezar o Angelus com os milhares peregrinos e turistas reunidos na Praça São Pedro, o Papa Francisco recomendou que as lêssemos: “Fará bem a vocês, será saúde para vocês.” Mas qual a mensagem tão especial que nos traz o Evangelho de hoje, narrado por São Lucas?

O Evangelho do dia – explicou o Papa – começa narrando a reação de alguns que, escandalizados, criticavam Jesus, dizendo com desdém: “Ele recebe os pecadores e come com eles”.

Jesus acolhe os pecadores e os convida à sua mesa

Uma frase, chama a atenção Francisco, que “acaba se revelando como um anúncio maravilhoso. Jesus acolhe os pecadores e come com eles”, como “acontece conosco, em cada Missa, em cada igreja”:

“Jesus está contente em nos acolher em sua mesa, onde se oferece por nós. É a frase que poderíamos escrever nas portas de nossas igrejas: “Aqui Jesus acolhe os pecadores e os convida à sua mesa”.

Para responder aos seus críticos, Jesus conta três parábolas, “três parábolas maravilhosas, que mostram a sua predileção por aqueles que se sentem distantes dele”.

A ovelha perdida

Começando pela Parábola da ovelha perdida, o Papa observa que “uma pessoa sensata” não deixaria as 99 no deserto para buscar aquela que se perdeu. Fazendo os cálculos, chegaria à conclusão que valeria mais a pena sacrificar uma, mantendo as outras 99 a salvo. Mas Deus – frisou o Pontífice – faz o contrário:

Deus, ao invés disso, não se resigna, a ele importa precisamente tu que ainda não conheces a beleza de seu amor, tu que ainda não acolhestes Jesus no centro de tua vida, tu que não consegues superar teu pecado, tu que talvez, pelas coisas ruins que aconteceram na tua vida, não acreditas no amor.”

Únicos e insubstituíveis no coração de Deus

Na segunda parábola, cada um de nós é aquela pequena moeda que o Senhor não quer perder e a procura incessantemente:

Ele quer te dizer que és precioso aos seus olhos, que és único. Ninguém pode te substituir no coração de Deus. Tu tens um lugar, és tu, e ninguém pode substituir-te. E também eu, ninguém pode substituir-me no coração de Deus.”

Deus não se cansa de nos esperar

Um Deus paciente, que não desanima, não se cansa e aguarda o retorno do filho pródigo. Este é o nosso Deus, que nos abraça novamente, nos acaricia e nos coloca em seus ombros. “Ele espera a cada dia que percebamos este seu amor”:

E tu dizes: “Mas eu aprontei tantas, aprontei muito!” Não tenhas medo: Deus te ama, te ama como és e sabe que somente o seu amor pode mudar a tua vida”.

A rejeição ao amor infinito de Deus

Mas o Santo Padre chama a atenção para o fato de que “esse amor infinito de Deus por nós pecadores, que é o coração do Evangelho, pode ser rejeitado”, como fez o filho mais velho da parábola:

Ele não entende o amor naquele momento e tem em mente mais um patrão do que um pai. É um risco também para nós: acreditar em um deus mais rigoroso do que misericordioso, um deus que derrota o mal com o poder antes que com o perdão.”

Mas com Deus, não é assim, reitera o Papa, que explica:

“Deus salva com o amor, não com a força, nos propondo, não impondo. Mas o filho mais velho, que não aceita a misericórdia do pai, se fecha, comete um erro pior: presume-se justo, presume-se traído e julga tudo com base ao seu pensamento de justiça. Assim, fica bravo com o irmão e censura o pai: “Tu matastes o novilho gordo agora que este teu filho voltou”. Este ‘teu filho’: não o chama “meu irmão”, mas teu filho. Sente-se filho único”.

Sem a ajuda de Deus não sabemos vencer o mal

Também nós muitas vezes agimos como o filho mais velho, “quando acreditamos ser os justos, quando pensamos que os maus são os outros”. Mas, recordou Francisco, “não nos acreditemos bons, porque sozinhos, sem a ajuda de Deus que é bom, não sabemos vencer o mal”.

“E como se faz para derrotar o mal?”, perguntou:

Acolhendo o perdão de Deus e o perdão dos irmãos. Acontece cada vez que vamos nos confessar: lá recebemos o amor do Pai que vence o nosso pecado: não existe mais, Deus o esquece. Quando deus perdoa, perde a memória, esquece os nossos pecados, esquece. Deus é tão bom conosco!”

Deus esquece, reiterou o Papa, diferentemente de nós, que mesmo dizendo que “está tudo certo”, na primeira oportunidade nos recordamos dos ferimentos sofridos:

“Não, Deus apaga o mal, nos faz novos por dentro e, assim faz renascer em nós a alegria, não a tristeza, não a obscuridade no coração, não a suspeita, mas a alegria”.

Nenhum pecado tem a última palavra

“Coragem!”, foi a exortação do Santo Padre ao concluir. “Com Deus nenhum pecado tem a última palavra. Que Nossa Senhora, que desata os nós da vida, nos liberte da pretensão de acreditar que somos justos e nos faça sentir a necessidade de ir até o Senhor, que nos espera sempre para nos abraçar, para nos perdoar.

15 de Setembro – Nossa Senhora das Dores

Posted on

“Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus e o teu pranto enxugar!”

Assim, a Igreja reza a Maria neste dia, pois celebramos sua compaixão, piedade; suas sete dores cujo ponto mais alto se deu no momento da crucificação de Jesus. Esta devoção deve-se muito à missão dos Servitas – religiosos da Companhia de Maria Dolorosa – e sua entrada na Liturgia aconteceu pelo Papa Bento XIII.

A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucificação , morte e sepultura de Jesus Cristo.

Nós, como Igreja, não recordamos as dores de Nossa Senhora somente pelo sofrimento em si, mas sim, porque também, pelas dores oferecidas, a Santíssima Virgem participou ativamente da Redenção de Cristo. Desta forma, Maria, imagem da Igreja, está nos apontando para uma Nova Vida, que não significa ausência de sofrimentos, mas sim, oblação de si para uma civilização do Amor.

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!

 

fonte/texto: cancaonova.com

LITURGIA-15 DE SETENBRO DOMINGO

Posted on

24º DO TEMPO COMUM

(verde – 4ª semana do saltério)

Ouvi, Senhor, as preces do vosso servo e do vosso povo eleito: dai a paz àqueles que esperam em vós, para que os vossos profetas sejam verdadeiros (Eclo 36,18).

Com alegria nos reunimos para celebrar nosso encontro festivo com o Pai bondoso e misericordioso. Apesar de nossas infidelidades, ele não nos rejeita, mas vem ao nosso encontro quando dele nos afastamos. Alcançados e resgatados por seu Filho, abramos o coração para a graça transbordante que chega a nós pela Eucaristia.

Primeira Leitura: Êxodo 32,7-11.13-14

 

Leitura do livro do Êxodo – Naqueles dias, 7o Senhor falou a Moisés: “Vai, desce, pois corrompeu-se o teu povo, que tiraste da terra do Egito. 8Bem depressa desviaram-se do caminho que lhes prescrevi. Fizeram para si um bezerro de metal fundido, inclinaram-se em adoração diante dele e ofereceram-lhe sacrifícios, dizendo: ‘Estes são os teus deuses, Israel, que te fizeram sair do Egito!’” 9E o Senhor disse ainda a Moisés: “Vejo que este é um povo de cabeça dura. 10Deixa que minha cólera se inflame contra eles e que eu os extermine. Mas de ti farei uma grande nação”. 11Moisés, porém, suplicava ao Senhor seu Deus, dizendo: “Por que, ó Senhor, se inflama a tua cólera contra o teu povo, que fizeste sair do Egito com grande poder e mão forte? 13Lembra-te de teus servos Abraão, Isaac e Israel, com os quais te comprometeste por juramento, dizendo: ‘Tornarei os vossos descendentes tão numerosos como as estrelas do céu; e toda esta terra de que vos falei, eu a darei aos vossos descendentes como herança para sempre’”. 14E o Senhor desistiu do mal que havia ameaçado fazer ao seu povo. ­– Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 50(51)

 

Vou agora levantar-me, volto à casa do meu pai.

  1. Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! / Na imensidão de vosso amor, purificai-me! / Lavai-me todo inteiro do pecado / e apagai completamente a minha culpa! – R.
  2. Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo um espírito decidido. / Ó Senhor, não me afasteis de vossa face / nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! – R.
  3. Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, / e minha boca anunciará vosso louvor! / Meu sacrifício é minha alma penitente, / não desprezeis um coração arrependido! – R.
Segunda Leitura: 1 Timóteo 1,12-17

 

Leitura da primeira carta de são Paulo a Timóteo – Caríssimo, 12agradeço àquele que me deu força, Cristo Jesus, nosso Senhor, pela confiança que teve em mim ao designar-me para o seu serviço, 13a mim, que antes blasfemava, perseguia e insultava. Mas encontrei misericórdia, porque agia com a ignorância de quem não tem fé. 14Transbordou a graça de nosso Senhor com a fé e o amor que há em Cristo Jesus. 15Segura e digna de ser acolhida por todos é esta palavra: Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores. E eu sou o primeiro deles! 16Por isso encontrei misericórdia, para que em mim, como primeiro, Cristo Jesus demonstrasse toda a grandeza de seu coração; ele fez de mim um modelo de todos os que crerem nele para alcançar a vida eterna. 17Ao rei dos séculos, ao único Deus, imortal e invisível, honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém! – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 15,1-32 ou 1-10

 

[A forma breve está entre colchetes.]

Aleluia, aleluia, aleluia.

O Senhor reconciliou o mundo em Cristo, / confiando-nos sua Palavra, / a Palavra da reconciliação, / a Palavra que hoje, aqui, nos salva! (2Cor 5,19) – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – [Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3Então, Jesus contou-lhes esta parábola: 4“Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? 5Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria 6e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’ 7Eu vos digo, assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão. 8E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente, até encontrá-la? 9Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a moeda que tinha perdido!’ 10Por isso, eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”.]

11E Jesus continuou: “Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. 14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve grande fome naquela região e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isso lhe davam. 17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’. 20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’. 22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa. 25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’. 28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’. 31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

 

O capítulo quinze de Lucas é o coração do seu evangelho. São três parábolas da misericórdia e do amor de Deus pelos “perdidos”. Depois de ser criticado pelos fariseus e pelos mestres da Lei porque convivia com pecadores, Jesus conta três parábolas que convidam à alegria por recuperar o que estava perdido. Nesse texto, Jesus assume as feições de um pastor que busca a ovelha perdida, de uma pobre mulher que perde dez por cento de suas escassas economias e do pai que não se conforma com a perda do filho. As parábolas concluem com festa e banquete. Na terceira, não se sabe se o filho mais velho participou ou não do banquete preparado pelo pai. As noventa e nove ovelhas, as nove moedas e o filho mais velho podem representar a atitude de quem se considera justo e praticante fiel das leis. Quem vai bem e está no caminho certo, continue em frente; não ignorando, porém, quem está numa pior. A ovelha perdida, a moeda extraviada e o filho fugitivo representam aqueles que necessitam da busca e da compaixão. Estes são os que despertam o interesse de Deus para que sejam recuperados e reintegrados. São os que estão em perigo ou perdidos que deveriam despertar o interesse também da sociedade.

Fonte/texto:paulus.com.br